Elite - Mais um grande "novelão" da Netflix


Com spoilers

Não é porque uma série é chamada de "novelão" significa que ela seja ruim, não necessariamente. "Elite" tem sim momentos interessantes, mas a conclusão de alguns núcleos tornaram ela esse tipo de série, que agrada muitos mas é afetada negativamente pela crítica.

Isso porque ela peca muito nos detalhes. Tipo novela global, sabe? Tudo é concluído meio que nas coxas, sem critério razoável, usando muito do comodismo e do apelo emocional para tal. Isso que é um novelão.

"Elite" é uma série que expõe a realidade fora da realidade. É muita bizarrice em apenas um seleto número de pessoas:

— Um professor que precisa de ajuda de uma aluna rica para poder adotar uma criança, recebendo uma espécie de suborno, e, em troca, favorecer a aluna com suas notas, que almeja ser a "melhor da classe". Ambos querem objetivos distintos, usando de uma desonestidade sem igual. Claro, se ferraram bonito com isso.

— Um jovem de família muçulmana, gay e traficante de drogas. Enquanto sua irmã, símbolo da idoneidade da família, se volta contra os costumes, mente para os seus pais, se apaixona, tira o véu na escola e acaba se tornado a "dedo duro" da classe.

— Um irmão que seduz a "namorada" do outro para tentar roubar sua família. Se apaixona por ela, tenta fugir mas acaba se dando mal. E o irmão traído acaba entregando o próprio para a polícia.

— Um triangulo amoroso composto por um imbecil, um pobre desonesto e uma megera implacável.

— Um jovem tenista de futuro, que larga tudo para viver um amor impossível com o muçulmano gay e traficante.

— Uma jovem rica, soro-positiva, rebelde, que se apaixona por um bandido. Ajuda-lhe a roubar sua família, destroça o coração de um jovem e acaba morta por uma pessoa que nada a ver tinha com a história toda.


São vários núcleos que expõe sem pudor a vida como ela é. Todas essas situações em um mesmo núcleo familiar e amigos, é muito improvável, ainda mais com a maioria das pessoas menores de idade, mas de fato, apesar de que a "família tradicional brasileira" repudiaria com veemência a série, ela mostra realmente a realidade de várias sociedades.

São oito episódios que prendem o telespectador, isso é muito relevante. Baseado em uma estrutura de linguagem simples e com aquela pimentinha deixada para os últimos momentos da temporada, "Elite" instiga o telespectador, não deixando que ele largue a temporada no meio. Resoluções com muito comodismo foram dadas, sim, mas a temporada entregou bem o que prometeu.

Um elenco bem conhecido, com algumas carinhas vistas em "La Casa de Papel", a série vem para acrescentar, servindo de entretenimento leve, construído de forma simples, novelesca mesmo, ainda mais ajudada com a língua espanhola, que é facilmente absorvida. 


Entretenimento leve mas com cenas pesadas, explícitas. Muitas cenas de sexo homossexual e  ménage a trois. Cenas de sexo hétero ficaram praticamente em segundo plano. Algumas cenas de ação, luta, sangue. Aparentemente o clima juvenil ia ser a base da série, mas pelo contrário, se tornou bem mais adulta do que se esperava. 

Tirando falhas de roteiro, erros de continuidade e resoluções comodistas, "Elite" termina bem, sim, pois se propôs a ser o que foi, e nisso, foi esplêndida. Não engana o telespectador, não finge que será uma obra de arte, apenas se propõe a ser um novelão, e dos bons, deixando boas pontas que servirão ganhos para a próxima temporada.

⭐⭐⭐

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.