Game of Thrones: "Stormborn" 7x02 [Review]


Realmente, Daenerys estava certa quando encerrou o episódio anterior dizendo "Vamos começar". 

Começou, definitivamente, o início do fim. Um episódio com uma ótima evolução em se tratando de trama, foco, objetivos. Os lados estão claros, formados com definições claras: a guerra. A conquista dos setes reinos e não só, apenas, sentar no trono de ferro, ocupado temporariamente por Cersei. 

O claro tom adotado é pertinente à atual situação da série, que caminha para seu fim. Vários núcleos começaram a interagir e não vimos plots aleatórios sendo jogados na TV. Daenerys mostrou a que veio, fechou alianças, lavou sua roupa suja e segue em busca de conquistar Westeros. Mas poderia simplesmente podar fogo em tudo e em todos, conquistando o reino, mas, como bem disse, não veio pra ser a rainha das cinzas, porém, se precisar, será. 

A grande jogada é a sua aliança com o Norte. Jon Snow é lembrado por Tyrion e logo o avaliza. A iniciativa é um grande desejo dos fãs, pois de longe os núcleos chefiados por esses dois personagens são os que mais trazem simpatia ao telespectador. Uma guera com Daenerys e o norte juntos, tomando Westeros, seria espetacular. Contudo, Snow tem bem mais interesse nessa parceria para que os homens de gelo possam conhecer o fogo, se é que vocês me entendem.


Por outro lado, Cersei já planeja esse confronto e teme pelos dragões. Mas nossa rainha não vai entregar o reino de mãos beijadas. Continua buscando alianças e melhor, uma arma letal para os dragões. Se armando até os dentes, a batalha que se espera tende a ser uma das melhores que a série já exibiu. 

Falando em batalha, agora que Arya descobre que Winterfell foi devolvida à sua família. Em conversa informal, nossa querida guerreira vê seus planos mudados e decide voltar ao Norte e reencontrar seus irmãos. Apesar de seus "super-poderes", é bem mais interessante vê-la lutando junto com eles, fortalecendo e engrandecendo a causa. 

Em seu caminho, Ayra se vê cercada por lobos e os produtores tiveram que vir a público para explicar, tamanho a distância dos plost que só voltou agora, sete anos depois. Ayra obrigou a loba Nymeria a fugir para que Joffrey não tirasse sua vida e se reencontram agora. Ayra olha em seus olhos, diz seu nome e os lobos vão embora. Ela solta a frase “Não é ela”, mas, os produtores confirmaram que era Nymeria sim, enfim. 


O núcleo de Sam, de novo, ganhou destaque. Descobriu, finalmente. a identidade do hóspede infectado. Jorah já era dado como morto, mas, agora em suas mãos, obviamente irá sobreviver e claro, terá um novo reencontro com Daenerys, alguém duvida? Uma cena dolorosa só de ver. Se ao tirar uma lasca de sua pele ele quase morreu, imagine retirar toda aquela camada infectada. Tá doendo só de relembrar. 

E quando menos esperávamos, uma grande batalha veio atona, com barcos pegando fogo, pescoços sendo cortados e muito sangue sendo jorrado. Não me lembro de uma batalha dessa grandeza no início de uma temporada da série. 

Euron, o temido, dizimou os Greyjoy (que não fugiram) além das Serpentes de Areia. Como ele conseguiu a localização dos barcos ninguém sabe, mas chegou assustador, pondo fogo em tudo e em todos, numa sequência de guerra curta mas eletrizante. Terminamos o episódio acompanhando a "covardia" de Theon ao abandonar sua irmã, mas, o que poderia fazer? Ok, morrer lutando seria mais digno e era o que todos esperavam. 

Um episódio que merece palmas de pé, honrou o hype que a série propõe. Honrou seus fãs e mostrou a que veio. Nenhuma enrolação, eletricidade máxima, um tom necessário para que a série termine dignamente. Muita trama ainda tem que ser mostrada, desenrolada, e, seguindo por esse caminho, não tem como deixar de empolgar mais. 

⭐⭐⭐⭐⭐

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.