Pular para o conteúdo principal

A 1ª Temporada de GLOW


Nem tudo precisa ser perfeito para entreter.

Vamos direto ao ponto: "GLOW presta?" Respondendo de forma bem indireta: "Sim e Não".

Mas você não vai perder seu tempo assistindo os 10 episódios disponibilizados para sua primeira temporada. Tem momentos que divertiram e outros não, contudo vou centralizar no principal ponto positivo da série: a nostalgia que nos remete aos anos 80.

Lá vem aquele papo de velho, confere? Muitos que não passaram a infância na década de 80 vão dizer isso. E é verdade, para apreciar as referências que foram exibidas na série, preferencialmente têm que ter vivido aquele momento para a apreciação total.


A "Luta livre" existe até hoje, porém, se popularizou no Brasil na década de 80, e, como foi bom acompanhar esses momentos pelas noites no SBT. Não tínhamos muitas opções como temos hoje, e, na infância somos inclinados a "acreditar em tudo". É uma clara encenação, mas, divertida. GLOW mostrou-se bem ao relembrar esses momentos, ainda mais protagonizado por mulheres.

Outra referência marcante trata-se das roupas, clima, trejeitos, tecnologia... Enfim, tudo. Víamos o quão era jeca aquela época saudosa. Da mesma forma que poderemos falar a mesma coisa dos dias de hoje daqui a 20 anos, não tire sarro de nós.

Ruth Wilder (Alison Brie) é uma atriz sem trabalho e sai em busca de uma última tentativa de viver o seu sonho, quando descobre uma série semanal de luta livre. A série gira em torno dessa personagem que em vários momentos deixa a desejar. Em muitos momentos foi mal aproveitada e em outros arrebentou. É aquela dualidade que eu disse sobre a série no início do texto.


É uma série cômica mas não proporciona graça o tempo todo. Tiramos uma risadinha aqui e outra ali, contudo o drama de Ruth, sua amiga Debbie e o diretor Sam segue preenchendo o roteiro, que, muitas vezes tem falhas, como: Ruth em nenhum momento diz para sua amiga que não sabia, a princípio, que estava transando com o seu marido, por exemplo.

Enfim, mesmo com bem mais baixos do que altos, prefiro focar nos pontos altos da série e desde já recomendar relevar alguns aspectos para quem pretende assisti-la. Seu season finale foi muito bom, engraçado, empolgante, revelador e surpreendente. Podia ter sido assim durante toda a temporada.

Mesmo assim, deixou um gancho que a história pode continuar, agora com o programa ganhando espaço na TV. Se a Netflix tivesse cancelado o programa, confesso que não faria falta. Já que planejam uma nova temporada para GLOW, que venha, de bom grado. Alison Brie nunca é demais. 

⭐⭐

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Agenda de Séries

Agenda de séries:

Fique por dentro das séries que vão ao ar no dia nos Estados Unidos com essa super agenda.  Dúvidas, críticas elogios... Caso haja algum erro na agenda, mencione-o nos comentários.

Entendendo Game Of Thrones

Game of Thrones é uma série que acaba se tornando bem difícil de explicar, e isso ocorre justamente por causa da complexidade dos personagens, que são muitos, e pela quantidade de subtramas existentes. Então, meu objetivo com esse texto é fazer com que uma pessoa que nunca viu ou que não tenha entendido muito a premissa da série, entenda de forma clara qual a principal narrativa. Nesse texto não vou entrar em detalhes sobre os personagens e subtramas (senão você ficaria horas aqui lendo), apenas vou tentar mostrar a direção e o que a série propõe.
Como todos sabem, a série Game Of Thrones (produzida pela HBO) é a adaptação dos livros de fantasia épica escritos por George R.R. Martin, que são chamados de As crônicas de gelo e fogo. Já se passaram a 1° e 2° temporada, adaptando o primeiro (A guerra dos tronos) e o segundo (A fúria dos reis) livro, respectivamente. E nesse domingo é a estreia da terceira temporada, que irá adaptar a primeira parte do terceiro livro (A tormenta das espadas…

Especial: TOP 5 séries que você não deve assistir com a sua mãe

Olá, leitores! Hoje não é um dia qualquer, não é um simples domingo onde você, caro leitor, comerá um pedaço de pizza do sábado à noite no almoço, porque hoje é o dia das mulheres da vida de cada um de vocês, das mulheres que consideram sagradas. Hoje é dia das mães! O Viciado Em Série não poderia deixar de prestar sua homenagem, contudo, decidido a fazer algo diferente do bom e velho “TOP 5/10 Mães de Séries/Filmes”, segue o "TOP 5 Séries Que Você Não Deve Assistir Com a Sua Mãe".
5º Lugar - Game of Thrones

Uma série da HBO para maiores de 18 anos cheia de nudez, cenas de sexo, incesto, orgias, guerras, violência de todos os tipos, entre outras situações embaraçosas. Game of Thrones, definitivamente, não é o tipo de série para você assistir ao lado da sua querida e sagrada mãe, afinal, qual filho não fica constrangido diante uma cena de sexo em um filme aleatório sendo assistido junto dela? Agora imagina uma cena dessas entre dois irmãos... Pois é, MELHOR NÃO! 
4º Lugar – Tr…

O Fim da Saga Red John em "The Mentalist"

Por Jaqueline Pigatto
Chegou ao fim uma das maiores sagas dos seriados da atualidade. Patrick Jane finalmente colocou as mãos em Red John, o serial killer que matou sua esposa e filha. A série, que teve início há 6 anos, sempre focou na busca do protagonista por vingança, com Red John sempre alguns passos à frente, criando mais perguntas para as poucas respostas que conseguíamos, praticamente entrando na mente de Jane e roubando uma memória feliz, até conseguindo sua lista de suspeitos, revelada ao final da quinta temporada.
A partir dali sabíamos que o momento tão esperado chegaria. A produção confirmou: vamos descobrir nessa temporada quem é Red John. Os 7 suspeitos da lista eram personagens que frequentemente passavam pela série, em sua maioria policiais ou ligados ao governo. Pessoas de poder e influência. Mas poucos fãs acreditavam que realmente seria um daqueles. Sempre teve a teoria de que o Red John seria o próprio Patrick Jane. O bizarro Brett Partridge era uma das principais…

A Fantástica Última Temporada de The Killing

(Com spoilers)

Uma aula de como encerrar uma série.
The Killing recusava a nos deixar. Sofreu dois cancelamentos e foi resgatada duas vezes. Lutou contra os números de audiência, única coisa que interessava para o AMC, e conseguiu sobrevida graças à sua qualidade, prontamente reconhecida pelo Netflix. Ajudou na produção da terceira temporada e bancou sozinha a sua quarta, pois, felizmente, acreditou na série e não nos deixou órfãos, depois daquele excepcional cliffhanger.
Terminamos a terceira temporada presenciando Linden matar cruelmente (e merecidamente) Skinner, aos gritos de "NÃO" de Holder. Tempos depois fomos noticiados que não veríamos mais nada além daquilo, pois o AMC decidiu cancelar a série, fato que trouxe muita tristeza para o seu telespectador. É uma crueldade que fazem com o telespectador, mas é, infelizmente, uma prática comum na TV, pois não respeitam nada além de lucro, e deixam de contar uma história sem mais nem menos, se lixando para seus clientes. 
E a …