TOP 10 Melhores Séries de 2015


Fim de ano, hora de fazermos aquela lista com as melhores séries de 2015. O especial é tradicional aqui no Viciado em Série, publicamos esse tipo de postagem desde 2010.  

Listas são sempre polêmicas. Você pode conferir cem listas desse tipo, nunca haverá concordância, sempre vai ter séries que não eram pra estar e sempre vai faltar séries na lista. Isso porque esse tipo de lista se baseia (óbvio) nas séries que o escritor assistiu no ano, e ele não assistiu todas que foram exibidas, praticamente impossível isso. 

Sendo assim, consideramos as 10 melhores séries que assistimos para esse tipo de TOP, e, quanto mais séries o escritor assistiu, melhor. Infelizmente esse ano assisti bem menos séries que queria, e dediquei grande parte do meu tempo para maratonas de séries antigas, como Friends, Six Feet UnderApartment 23Black Mirror, entre outras. 

Muitas elogiadas pela crítica não estão na minha lista por eu não ter tido tempo (ou interesse) de assisti-las. E também não há garantias que elas estariam em minha lista caso tivesse assistido, não dá pra dizer. 

A segunda temporada de True Detective não me agradou, não terminei e nem vou terminar de vê-la. As elogiadas Fargo, The Good Wife, Sense8 e Homeland não estão na minha lista, assisto todas elas mas estou atrasado com todas. Jessica Jones me decepcionou, terminei de vê-la a pouco tempo, jurava que estaria nesse TOP, mas, pelas decepções descritas nesse post, não consegui incluí-la. As modinhas The Walking Dead e Fear The Walking Dead nem de longe merecem estar em qualquer tipo de lista das melhores séries do ano.

Críticos mencionaram The Knick, Rectify, The Leftovers, Transparent e Mr. Robot entre as melhores séries do ano, e, infelizmente, não comecei a vê-las (exceto o início de The Leftover, que achei horrível) mas prometo vê-las em breve.

Sendo assim, eliminando as séries mencionadas acima, eis, então, as 10 melhores séries (que vi) em 2015.

10 - Episodes


Única comédia em minha lista. Episodes não é uma série das mais badaladas da atualidade, mesmo sendo protagonizada por Matt LeBlanc, o eterno Joey de Friends, mas a série vem crescendo e muito a cada temporada, se tornando auto-sustentável no Showtime, que já garantiu mais um ano para a série. Ainda bem, porque a sua terceira temporada foi algo em torno de sensacional.

09 - Marvel's Agents of S.H.I.E.L.D.


2015 foi o ano que entrei de cabeça no universo Marvel, e por isso comecei a gostar dos Agentes da S.H.I.E.L.D.. A série soube bem se encaixar nesse Universo, fazendo conexões com os filmes e séries do estúdio. Trama empolgante, muitas vezes viciante, fez eu gostar muito da série e de sua terceira temporada.

08 - Game of Thrones


É a maior série "modinha" da atualidade, ao lado de The Walking Dead. E quem disse que modinha é ruim? Nem sempre. Não dá pra dizer que Game of Thrones é ruim, é uma série extremamente bem produzida. Todo ano ela é indicada a dezenas de premiações e muitos não colocam a série em suas listas por esse problema de "moda". Tenho meus problemas com a série mas sei reconhecer o seu valor. Primeira vez que ela entra no meu TOP desde de sua criação, mas esse ano, a coloco com orgulho, gostei muito da sua quinta temporada.

07 - Bates Motel


Depois de uma segunda temporada não empolgante, uma "caída" de nível nessa atual temporada poderia fazer com que a série perdesse ainda mais telespectadores, e eu seria um deles. Um início desanimador quase consumou esse fato, porém em meados da temporada, a partir do episódio "The Deal", a trama foi se encaixando, revelações forem sendo inseridas e a temporada ganhou um "Up", que sustentou a empolgação até o seu desfecho.

06 - Marvel's Daredevil


Como toda série de "Super Heróis" deveria ser. Claro que a série mantém uma estrutura conhecida: herói e vilão, com personagens apoiando ambos lados. A série se mostrou competente ao apresentar os personagens, detalhadamente, sem pressa e com relevância. Flashbacks foram inseridos de forma coesa, trazendo conforto para os telespectadores e motivando sempre aquele sentimento de "quero mais".

05 - House of Cards


Sensacional, talvez, definiria a terceira temporada da série. Treze episódios muito bem produzidos, falar tecnicamente da série é chover no molhado, elenco fantástico, enfim. A temporada foi mais tranquila de acompanhar, esteve mais organizada do que as anteriores, gerando fácil entendimento, e claro, empolgando com mais facilidade o telespectador.

04 - Better Call Saul


Um resquício de Breaking Bad, já valeu e muito. Better Call Saul trabalhou o humor e drama de uma forma completamente relevante. Apoiou-se, claro, em estruturas e personagens conhecidos em Breaking Bad, mas soube caminhar com suas próprias pernas. As comparações, talvez, foram prejudiciais, porém, seus dez episódios exibidos mostraram que Vince Gilligan não entra num trabalho pra fazer algo sem qualidade, pelo contrário, ele e sua equipe deram um gosto de Breaking Bad para o publico, prometendo uma grande nova velha série.

03 - Narcos


Uma série fantástica, muito bem produzida. Impecável em muitos momentos. Organizaram muito bem o roteiro e editaram com as imagens para deixar empolgante uma história "conhecida". Uma baita série. Narcos soube contar uma boa parte da história de Pablo Escobar em apenas 10 episódios, marcando muito dos momentos de sua vida e deixando ganchos empolgantes para a nova temporada. Dividiram muito bem a história e fecharam a temporada com aquele super gosto de "quero ver o que vai acontecer", mesmo todos já sabendo de seu desfecho.

Vikings


"Espero que os nossos Deuses um dia se tornem amigos". Foi o que disse o personagem principal da série, Ragnar Lodbrok, em certo momento. A frase ilustra muito bem a abordagem religiosa que a série exibe, e esse é apenas um dos fatores que tornam essa série fantástica. Vikings é uma série do canal History, um pequeno canal a cabo americano, por isso a série não é aclamada da forma que merece. O diferencial de Vikings é que a série não se complica, ela dá ao telespectador o que ele quer, sem enrolação e sem meias medidas. Você se conecta facilmente ao seu enredo, sem monotonia, mesmo com vários núcleos sendo vividos ao mesmo tempo. As cenas de guerra são muito intensas, são mostradas com detalhes e aquela sensação de morte de algum personagem importante é sempre sentida. Intensidade, conetividade, sangue, sexo, tudo, tudo que uma série com ambientação medieval deve ter.

Banshee


Uma série pra macho. Sem pudor, sem escrúpulos, sem meias-medidas. Assim é Banshee, série que caminha para a sua quarta e última temporada sem deixar cair o nível em momento algum. Após uma terceira temporada espetacular, o único pedido que fica é que: "seja o que sempre foi, Banshee", ou seja, uma série sensacional. Banshee é uma daquelas séries, das melhores séries que ninguém vê, tal como foi Breaking Bad nas três primeiras temporadas: vista por poucos, mas elogiada integralmente por quem assiste.  O termo "machista" do início do texto é como trato a série. Óbvio, mulheres podem e devem assistir a série, denomino série pra macho porque frescura não será visto nela.

— // —

Links relacionados: 

Tecnologia do Blogger.