Pular para o conteúdo principal

As Primeiras Impressões de Better Call Saul


"É melhor chamar Saul!" Mas não agora.

Foi o que nos disse as primeiras impressões de Better Call Saul, spin-off de Breaking Bad centrado em Saul Goodman. E digo isso pela última vez. Ao apresentar a série ao longo dos meses que antecederam sua estreia, natural detalhar informações do que ela se tratava, porém, agora, espero que não precise mais dizer isso, torcendo para que a série caminhe com as próprias pernas, galgue seu próprio caminho, apesar de que nunca se desvencilhará de sua série de origem.

E foi isso o que atraiu a maioria dos telespectadores que acompanharam a estreia da série no AMC e também na Netflix. "Uma nova Breaking Bad": de jeito nenhum, espero que ninguém assista a série dessa maneira. Mas claro que tudo ali lembra Breaking Bad, e muitos assistiram a estreia de Better Call Saul com nostalgia, tentando relacionar algo que lembrasse a série comandada por Walter White, e olha, muita coisa lembrou.

Principalmente na parte técnica, notório as semelhanças: vimos ângulos de visão em cenas a partir de objetos; uma abertura de câmera onde podíamos acompanhar detalhes do cenário; um roteiro escrito minunciosamente, rico em detalhes e bem amarrado; uma trilha sonora que sabia exaltar os momentos cômicos e tensos; enfim. Os produtores são praticamente os mesmos, nos principais cargos, ainda mais que a estreia da série teve a direção de Vince Gilligan.

Mas a história precisava ser contada, e ainda precisa. Acompanhamos o início da vida de Saul Goodman pelo fim. O episódio inicia-se no futuro, após Saul despedir-se de Walter White em Breaking Bad, possivelmente em Nebraska, e claramente seguindo sua sugestão: virou uma espécie de gerente comercial, no muito, mas que não consegue ter consciência tranquila, nunca.


A série foi apresentada como prelúdio, mas essa cena no futuro deixa claro que o céu é o limite para a "franquia Breaking Bad", pois poderão contar mais um pouco (ou bem mais) do futuro de Saul, possivelmente acrescentando outros personagens que conhecemos em Breaking Bad, e , talvez, usando o passado e futuro ao mesmo tempo.    

Mas enquanto o futuro não vem, o passado de Saul, ou melhor, de Jimmy McGill, é apresentando. Um advogado de quinta, com vestimento de quinta, e "amigos" de quinta. Mas um batalhador, convenhamos. Falido, sem perspectivas, e com tudo dando errado ao seu redor, Jimmy inicia-se os trambiques que marcaram o querido advogado que conhecemos. Lutando para receber uma grande quantia em dinheiro que mudaria sua vida, esbarra em tudo e em todos, principalmente no principal interessado na causa, seu amigo Chuck, Jimmy segue tentando vencer processos invencíveis, daqueles que desabonam sua carreira, e que não são suficientes nem para pagar suas contas básicas.

Daí, então, começamos a acompanhar a transformação de Jimmy McGill. Da mesma forma de Breaking Bad, Better Call Saul demonstra ser uma série sobre "transformação", mas com muito menos tensão e com bem mais humor do que sua série percussora, apesar de que ainda não seja possível rotula-la. 


Jimmy começa a fazer "justiça" com as próprias mãos, e tenta reconquistar, através de "maracutagem", um cliente perdido. E como não poderia deixar de ser, se deu mal, a princípio. Recruta dois moleques infratores e dá a eles um servicinho "infalível", e que acaba os levando à maus lençóis. Uma indefesa (ou não) senhora latina, faz com que um saudoso personagem aparecesse na série: Tuco Salamanca ("Mijo"), aparece do nada, trazendo grande nostalgia aos fãs de Breaking Bad, e terror para Jimmy McGill, fazendo com que a ansiedade cresça ainda mais pelo próximo episódio.

Tuco é morto por Hank no inicio da segunda temporada de Breaking Bad, antes de Saul Goodman aparecer na série. Em Breaking Bad os personagens não tiveram nenhuma relação, deixando ainda mais sagaz a inserção de Tuco em Better Call Saul, já nos mostrando que ambos tiveram momentos juntos antes de conhecer Walter White.

Outro saudoso personagem, Mike, apareceu no episódio, mas sem relevância alguma, por enquanto. Mas foi muito bom revermos Mike, e saber que antes de conhecer Walter, Gus e cia, ele era um trabalhador mau humorado comum, como nós, e nos dando esperanças de que iremos também acompanhar a sua transformação. 


Um ótimo episódio de estreia, apesar de suspeito pra falar. Porém tentei ver a série com isenção, aos olhos de quem nunca tenha visto Breaking Bad. É muito difícil separar as duas séries, mas acho que até quem nunca viu Breaking Bad, gostou da série, pois sua premissa não é presa, e uma história baseada em um advogado trambiqueiro é muito convidativa, ainda mais com essa qualidade. Mas para degustar 100% de Better Call Saul, tem mesmo que ter assistido Breaking Bad.

Postagens mais visitadas deste blog

Entendendo Game Of Thrones

Game of Thrones é uma série que acaba se tornando bem difícil de explicar, e isso ocorre justamente por causa da complexidade dos personagens, que são muitos, e pela quantidade de subtramas existentes. Então, meu objetivo com esse texto é fazer com que uma pessoa que nunca viu ou que não tenha entendido muito a premissa da série, entenda de forma clara qual a principal narrativa. Nesse texto não vou entrar em detalhes sobre os personagens e subtramas (senão você ficaria horas aqui lendo), apenas vou tentar mostrar a direção e o que a série propõe.
Como todos sabem, a série Game Of Thrones (produzida pela HBO) é a adaptação dos livros de fantasia épica escritos por George R.R. Martin, que são chamados de As crônicas de gelo e fogo. Já se passaram a 1° e 2° temporada, adaptando o primeiro (A guerra dos tronos) e o segundo (A fúria dos reis) livro, respectivamente. E nesse domingo é a estreia da terceira temporada, que irá adaptar a primeira parte do terceiro livro (A tormenta das espadas…

Agenda de Séries

Agenda de séries:

Fique por dentro das séries que vão ao ar no dia nos Estados Unidos com essa super agenda.  Dúvidas, críticas elogios... Caso haja algum erro na agenda, mencione-o nos comentários.

O Fim da Saga Red John em "The Mentalist"

Por Jaqueline Pigatto
Chegou ao fim uma das maiores sagas dos seriados da atualidade. Patrick Jane finalmente colocou as mãos em Red John, o serial killer que matou sua esposa e filha. A série, que teve início há 6 anos, sempre focou na busca do protagonista por vingança, com Red John sempre alguns passos à frente, criando mais perguntas para as poucas respostas que conseguíamos, praticamente entrando na mente de Jane e roubando uma memória feliz, até conseguindo sua lista de suspeitos, revelada ao final da quinta temporada.
A partir dali sabíamos que o momento tão esperado chegaria. A produção confirmou: vamos descobrir nessa temporada quem é Red John. Os 7 suspeitos da lista eram personagens que frequentemente passavam pela série, em sua maioria policiais ou ligados ao governo. Pessoas de poder e influência. Mas poucos fãs acreditavam que realmente seria um daqueles. Sempre teve a teoria de que o Red John seria o próprio Patrick Jane. O bizarro Brett Partridge era uma das principais…

Especial: TOP 5 séries que você não deve assistir com a sua mãe

Olá, leitores! Hoje não é um dia qualquer, não é um simples domingo onde você, caro leitor, comerá um pedaço de pizza do sábado à noite no almoço, porque hoje é o dia das mulheres da vida de cada um de vocês, das mulheres que consideram sagradas. Hoje é dia das mães! O Viciado Em Série não poderia deixar de prestar sua homenagem, contudo, decidido a fazer algo diferente do bom e velho “TOP 5/10 Mães de Séries/Filmes”, segue o "TOP 5 Séries Que Você Não Deve Assistir Com a Sua Mãe".
5º Lugar - Game of Thrones

Uma série da HBO para maiores de 18 anos cheia de nudez, cenas de sexo, incesto, orgias, guerras, violência de todos os tipos, entre outras situações embaraçosas. Game of Thrones, definitivamente, não é o tipo de série para você assistir ao lado da sua querida e sagrada mãe, afinal, qual filho não fica constrangido diante uma cena de sexo em um filme aleatório sendo assistido junto dela? Agora imagina uma cena dessas entre dois irmãos... Pois é, MELHOR NÃO! 
4º Lugar – Tr…

A Fantástica Última Temporada de The Killing

(Com spoilers)

Uma aula de como encerrar uma série.
The Killing recusava a nos deixar. Sofreu dois cancelamentos e foi resgatada duas vezes. Lutou contra os números de audiência, única coisa que interessava para o AMC, e conseguiu sobrevida graças à sua qualidade, prontamente reconhecida pelo Netflix. Ajudou na produção da terceira temporada e bancou sozinha a sua quarta, pois, felizmente, acreditou na série e não nos deixou órfãos, depois daquele excepcional cliffhanger.
Terminamos a terceira temporada presenciando Linden matar cruelmente (e merecidamente) Skinner, aos gritos de "NÃO" de Holder. Tempos depois fomos noticiados que não veríamos mais nada além daquilo, pois o AMC decidiu cancelar a série, fato que trouxe muita tristeza para o seu telespectador. É uma crueldade que fazem com o telespectador, mas é, infelizmente, uma prática comum na TV, pois não respeitam nada além de lucro, e deixam de contar uma história sem mais nem menos, se lixando para seus clientes. 
E a …