Obrigado, Chaves


"E agora, quem poderá nos defender?"

Uma obra eterna, que tem seu autor indo dessa para melhor. Chaves, Chapolin, seriados que estão eternizados na infância de todos, independente da idade, não deixam de existir, mas perdem o privilégio de ter seu criador vivendo entre nós. Idosos amam chaves, e crianças de cinco, seis, sete anos, assistem uma obra que nunca deixa de estar ultrapassada, e emociona aqueles que pouco imaginava existir quando o seriado foi lançado.

"Foi sem querer, querendo"

Piadas que estão gravadas na memória de todos, e mesmo assim, um sorriso é visto ao ouvi-las pela milésima vez. Não porque aquilo tenha alguma graça, provavelmente tenha para as crianças que estão conhecendo a obra pela primeira vez, mas as piadas (que nunca tiveram duplo sentido), os momentos da série, trazem grande nostalgia para todos, uma linda lembrança do passado, pois não há infância completamente feliz se não fosse pela existência de Chaves.

"Prefiro morrer do que perder a vida"

Personagens que fizeram, fazem e farão parte de toda a vida de milhões de pessoas que acostumaram a viver sem episódios inéditos da série, desde o fim da década de 70. A morte, até mesmo esperada, de Roberto Gómez Bolaños, o nosso querido Chaves, não pôs fim ao seriado, mas trouxe um sentimento de grande comoção, pois por mais que Bolaños tenha recebido homenagens durante a vida, sua morte mostrou que essas homenagens nunca estarão a altura de sua obra. 

"Isso, isso, isso"

A vida levou aquele que deveria ser eterno, mas a eternidade não é permitida, e a morte virá para todos. Não há que se lamentar a morte de Bolaños, todos passarão por isso, porém o mais importante é que ele conseguiu eternizar uma obra que entreteve milhões de pessoas e que ainda irá entreter outras milhões - aqueles que sabem praticamente todas as falas da série, e as crianças, que apaixonam pela a série assim que são apresentadas a ela.

"Tá bom, mas não se irrite"

É natural que o valor maior venha sempre após a perda, mas nesse caso, valor, a obra de Bolaños sempre teve, e após sua morte, fica um sentimento de saudade, uma obrigação de agradecer, e um desejo que lá, no céu, Chaves se junte ao Seu Madruga, e que recomecem suas confusões acima das nuvens, onde um dia, todos estarão. 

"Pipipipipipi"

Obrigado Roberto Bolaños, obrigado SBT.

Tecnologia do Blogger.