Pular para o conteúdo principal

A Conquista do Doctor [Especial]

(contém spoilers das 4 primeiras temporadas da série atual)

Ah, aquela sensação maravilhosa de viciar em uma série. Há algum tempo eu não sentia isso, em especial por ficção científica. Órfã de Lost e Fringe, quando um amigo me recomendou Doctor Who, me senti na obrigação de ter um sci-fi na minha grade, e me senti mais obrigada ainda ao ver o imenso sucesso que é Doctor Who, esse tesouro nacional britânico que conquista mentes e corações há mais de 50 anos. Para quem desconhece, a série acompanha as aventuras de um Time Lord conhecido apenas como Doctor, através do tempo e espaço em sua nave com aparência de cabine telefônica policial britância, a TARDIS. Sempre acompanhado por uma humana, eles viajam para o passado, para o futuro, e para muitos outros planetas, conhecendo lugares inimagináveis e fazendo amigos e inimigos. A série clássica durou de 1963 até 1989.


Após o término de uma maratona era hora de partir para a próxima, ainda em território inglês (dá-lhe BBC). Comecei então com "Rose", o piloto da série atual, de 2005. Christopher Eccleston não empolgou tanto, muito menos os efeitos especiais, problema orçamentário que marcou demais a série e foi responsável pelo preconceito de muita gente, que não queria ver algo "galhofa" ou "trash". Talvez o que tenha salvo o episódio foi justamente o nome dele, a loirinha simpática que, juntamente com o público, vai aprendendo e conhecendo esse novo universo do Doctor. Levei um bom tempo para terminar a primeira temporada, fui empurrando os que pareciam longuíssimos episódios, ouvindo a promessa de que ficaria melhor. E ficou. Salvo um episódio ou outro (aquele com o pai da Rose e aquele em que conhecemos o Cap. Jack Hartness), a fraca primeira temporada terminou até melhor do que o esperado e com a primeira regenaração da nova série: olá David Tennant.

Então tudo mudou: em um único episódio, o primeiro especial de Natal, Tennant conquistou. A simpatia, o charme, o cabelo, o jeito gozador, nem deixaram chegar a saudade do nono Doctor. A segunda temporada foi maravilhosa, agora já acostumada com os efeitos que aos poucos melhoraram e com a que, para mim, foi a melhor dupla da série: o décimo Doctor e Rose Tyler. Teve até episódio em universo paralelo (saudades de Fringe) e um final de temporada de arrancar lágrimas facilmente. Lá se ia nossa Rose Tyler para a entrada de Martha Jones. A nova companheira ficou automaticamente "odiada" pelos amantes de Rose, como eu, mas a mediana terceira temporada foi-se embora logo("mediana" tem exceção para o excelente episódio "Blink"). Mantendo o glorioso David Tennant, a série continuou com Donna, a mulher muito chata de um especial de Natal, mas que se tornou a bacana verdadeira amiga do Doctor e entregou uma quarta temporada excelente. Diferentemente das outras companheiras, Donna, mais velha, não ficou de charme pra cima do Doctor, deu bronca quando ele merecia e salvou o universo tornando-se meia humana, meia Time Lord.


A simples secretária londrina foi outra despedida dolorosa, que teve sua mente apagada, as memórias das melhores aventuras de sua vida. E foi então que percebi o quanto tinha me apegado a série, aos personagens, aquele universo maluco e magnífico. Afinal, não é a vida uma série de chegadas e despedidas? Ora posso me identificar com as companheiras, loucas para ter aventuras com um homem super especial, querendo ser amantes, amigas, querendo rir e dar broncas quando necessário. Ora me identifico com o Doctor, mesmo rodeado por amigos, se sentindo sozinho e sem saber para onde ir, questionando seus atos e querendo saber quem realmente é. A ficção dá espaço aos sentimentos e acredito que seja essa a combinação perfeita do grande sucesso que é Doctor Who.

Após "maratonar" tantos episódios e especiais, me encontro como uma companheira novamente: a vida comum parece entendiante e começo a ver as estrelas com outros olhos. Mas minha jornada ainda está longe do fim, está na hora de entrar na era Matt Smith e do gênio Steven Moffat (sim, o cara que está por trás de Sherlock também!), ainda que me doa tanto ter que se despedir de David Tennant. A curiosidade falou mais alto e acabei vendo o filme "The Day of the Doctor" antes do tempo, esse que merece um texto a parte. Aventura sem igual que reúne 3 Doctors e emociona qualquer fã, desde a série clássica aos dias atuais. Me resta agora enxugar as lágrimas e continuar a explorar esse universo único que é Doctor Who. E resta a todos nós esperar que a série dure pelo menos mais uns 50 anos. Para quem já acompanha, que venha Peter Capaldi com sua oitava temporada. Para quem nunca viu, tente começar, é uma das melhores jornadas do mundo televisivo.


Postagens mais visitadas deste blog

Agenda de Séries

Agenda de séries:

Fique por dentro das séries que vão ao ar no dia nos Estados Unidos com essa super agenda.  Dúvidas, críticas elogios... Caso haja algum erro na agenda, mencione-o nos comentários.

O Fim da Saga Red John em "The Mentalist"

Por Jaqueline Pigatto
Chegou ao fim uma das maiores sagas dos seriados da atualidade. Patrick Jane finalmente colocou as mãos em Red John, o serial killer que matou sua esposa e filha. A série, que teve início há 6 anos, sempre focou na busca do protagonista por vingança, com Red John sempre alguns passos à frente, criando mais perguntas para as poucas respostas que conseguíamos, praticamente entrando na mente de Jane e roubando uma memória feliz, até conseguindo sua lista de suspeitos, revelada ao final da quinta temporada.
A partir dali sabíamos que o momento tão esperado chegaria. A produção confirmou: vamos descobrir nessa temporada quem é Red John. Os 7 suspeitos da lista eram personagens que frequentemente passavam pela série, em sua maioria policiais ou ligados ao governo. Pessoas de poder e influência. Mas poucos fãs acreditavam que realmente seria um daqueles. Sempre teve a teoria de que o Red John seria o próprio Patrick Jane. O bizarro Brett Partridge era uma das principais…

Entendendo Game Of Thrones

Game of Thrones é uma série que acaba se tornando bem difícil de explicar, e isso ocorre justamente por causa da complexidade dos personagens, que são muitos, e pela quantidade de subtramas existentes. Então, meu objetivo com esse texto é fazer com que uma pessoa que nunca viu ou que não tenha entendido muito a premissa da série, entenda de forma clara qual a principal narrativa. Nesse texto não vou entrar em detalhes sobre os personagens e subtramas (senão você ficaria horas aqui lendo), apenas vou tentar mostrar a direção e o que a série propõe.
Como todos sabem, a série Game Of Thrones (produzida pela HBO) é a adaptação dos livros de fantasia épica escritos por George R.R. Martin, que são chamados de As crônicas de gelo e fogo. Já se passaram a 1° e 2° temporada, adaptando o primeiro (A guerra dos tronos) e o segundo (A fúria dos reis) livro, respectivamente. E nesse domingo é a estreia da terceira temporada, que irá adaptar a primeira parte do terceiro livro (A tormenta das espadas…

Especial: TOP 5 séries que você não deve assistir com a sua mãe

Olá, leitores! Hoje não é um dia qualquer, não é um simples domingo onde você, caro leitor, comerá um pedaço de pizza do sábado à noite no almoço, porque hoje é o dia das mulheres da vida de cada um de vocês, das mulheres que consideram sagradas. Hoje é dia das mães! O Viciado Em Série não poderia deixar de prestar sua homenagem, contudo, decidido a fazer algo diferente do bom e velho “TOP 5/10 Mães de Séries/Filmes”, segue o "TOP 5 Séries Que Você Não Deve Assistir Com a Sua Mãe".
5º Lugar - Game of Thrones

Uma série da HBO para maiores de 18 anos cheia de nudez, cenas de sexo, incesto, orgias, guerras, violência de todos os tipos, entre outras situações embaraçosas. Game of Thrones, definitivamente, não é o tipo de série para você assistir ao lado da sua querida e sagrada mãe, afinal, qual filho não fica constrangido diante uma cena de sexo em um filme aleatório sendo assistido junto dela? Agora imagina uma cena dessas entre dois irmãos... Pois é, MELHOR NÃO! 
4º Lugar – Tr…

A Fantástica Última Temporada de The Killing

(Com spoilers)

Uma aula de como encerrar uma série.
The Killing recusava a nos deixar. Sofreu dois cancelamentos e foi resgatada duas vezes. Lutou contra os números de audiência, única coisa que interessava para o AMC, e conseguiu sobrevida graças à sua qualidade, prontamente reconhecida pelo Netflix. Ajudou na produção da terceira temporada e bancou sozinha a sua quarta, pois, felizmente, acreditou na série e não nos deixou órfãos, depois daquele excepcional cliffhanger.
Terminamos a terceira temporada presenciando Linden matar cruelmente (e merecidamente) Skinner, aos gritos de "NÃO" de Holder. Tempos depois fomos noticiados que não veríamos mais nada além daquilo, pois o AMC decidiu cancelar a série, fato que trouxe muita tristeza para o seu telespectador. É uma crueldade que fazem com o telespectador, mas é, infelizmente, uma prática comum na TV, pois não respeitam nada além de lucro, e deixam de contar uma história sem mais nem menos, se lixando para seus clientes. 
E a …