Pular para o conteúdo principal

Masters of Sex: "Parallax" 2x01 [Season Première]


Agora chegou a hora de decidir.

A segunda temporada de uma série é repleta de aspectos que podem derrubá-la ou levantá-la. Masters of Sex estreia a sua segunda temporada repleta de expectativas, devido a sua excelente temporada de estreia. Então chegou a hora de vermos se Masters of Sex é tudo isso que pensamos ou se é apenas "fogo de palha", mas em se tratando de seu episódio de retorno, podemos esperar o melhor para ela. 

A série não é novidade mais, e repetir a fórmula inicial pode ser um grande "tiro no pé". A manutenção do sucesso da série só será possível se houver desenvolvimento da trama, abrindo mais possibilidades dentro de sua premissa, que não só apenas enriquecerá o seu conteúdo, mas deixará até o que consideramos "mais do mesmo" mais evidenciado, enriquecido. 

E a princípio, nesse episódio, algo soou desanimador. Claro, Dr. Masters não ficaria desempregado e sua pesquisa deve continuar. É o núcleo da série, mas a temporada não pode se fixar em "apenas isso". Como não se fixou. Acompanhamos imediatamente a sequência dos momentos vistos no seu season finale passado, quando Masters, como um cachorro molhado, foi humildemente atrás de Virginia, para que a partir daí, começasse a se desenhar a história, que não trouxe, nesse núcleo, momentos bombásticos, mas foi produzido de esplêndida forma.


Excelente a estrutura de narrativa apresentada. O episódio nos mostrou flashbacks de momentos vividos em muito pouco tempo na série, ilustrando o núcleo principal, composto de Masters e Virgínia, claro. E mais, mostrando o ângulo de visão e pensamento de ambos separadamente, para que pudesse ficar claro a intenção de ambos. Fenomenal, acho que essa palavra cabe para a iniciativa do diretor Michael Apted.

E ao final acompanhamos o desfecho. Dr. Masters quer continuar com os estudos, claro, mas também quer Virgínia de outra forma, está perdidamente apaixonado por ela, e não recebe o mesmo sentimento de volta. Virginia claramente demostra estar trocando o seu romance promissor com Dr. Ethan pela pesquisa, e considera o seu relacionamento com Masters apenas profissional, transparecendo não haver quaisquer outros sentimentos. 

Incrível como Virginia é assediada, parecendo que ela tenha algo, entre as pernas, completamente de outro mundo, e que leva todos à loucura, justificando a paixonite de Masters, Ethan, enfim, e até aguça a curiosidade do telespectador masculino. A atriz Lizzy Caplan não é um símbolo sexual, mas o seu comportamento dá ao seu personagem uma conotação sensual e sexual absurda.

Mas, ainda bem, a série não se reduzirá às pesquisas de Dr. Masters e Virginia. Plots promissores foram acrescentados, mesmo em doses reduzidas, ilustrando o enredo: Masters e seus problemas familiares com sua mãe, esposa e filho; Dr. Austin e sua fama de mulherengo lhe trazendo problemas; e um caso mais importante que merece destaque: a "cura gay".


Impressionante e trágico a realidade. A "cura gay" mostrada na série é uma verdadeira atrocidade, testemunhada em décadas passadas. Barton Scully é o gay em questão, que passa por terríveis tratamentos para tentar se curar, que mostram que são imensamente maléficos à saúde física e psicológica. Aceitar uma condição homossexual naquela época era como se fosse crime, ainda mais para pessoas conhecidas como ele, e a óbvia falha no tratamento, aliado às frustradas tentativas de Scully "virar homem", trouxe o momento mais impactante do episódio, quiçá da série, quando tenta suicídio mas é salvo por sua esposa e filha. Dramático. Triste. 

E tudo isso é apenas o começo da temporada, pois muita coisa está pra vir, e vários assuntos empolgantes estão para serem desenvolvidos e acrescentados. A série poderá (e vai) trazer debates sobre a pílula anticoncepcional, o exame de Papa Nicolau, enfim, plots esses já pincelados na temporada anterior. Porém as agressões em relacionamentos também gerará momentos, como vimos nesse episódio com a Dra. Lillian DePaul, mostrando e provando que a série não tem limites, que não é uma série "apenas" sobre sexo, e sim, uma das melhores coisas presentes na TV americana. 

Avaliação:
*****

Postagens mais visitadas deste blog

Confira as 5 séries mais vistas na Netflix pelo mundo

Nos últimos dez anos, a Netflix transformou a forma como o mundo assiste filmes e programas de TV, fornecendo aos assinantes uma enorme biblioteca de clássicos convencionais  e dezenas de recomendações personalizadas - tudo disponível na ponta dos dedos. Isso é mais do que apenas conveniência,  é a metamorfose da mídia.
Usando os dados do Google Trends, o site highspeedinternet.com classificou os países pelo número de pesquisas relacionadas à Netflix e referenciou as suas classificações com as séries mais procuradas. No mapa acima você confere qual é a TOP de audiência em cada país, e, abaixo você confere quais as 5 séries mais procuradas no serviço de streaming.
TOP 5:

1 - Sherlock
2 - Friends
3 - Narcos
4 - House of Cards
5 - New Girl

Entendendo Game Of Thrones

Game of Thrones é uma série que acaba se tornando bem difícil de explicar, e isso ocorre justamente por causa da complexidade dos personagens, que são muitos, e pela quantidade de subtramas existentes. Então, meu objetivo com esse texto é fazer com que uma pessoa que nunca viu ou que não tenha entendido muito a premissa da série, entenda de forma clara qual a principal narrativa. Nesse texto não vou entrar em detalhes sobre os personagens e subtramas (senão você ficaria horas aqui lendo), apenas vou tentar mostrar a direção e o que a série propõe.
Como todos sabem, a série Game Of Thrones (produzida pela HBO) é a adaptação dos livros de fantasia épica escritos por George R.R. Martin, que são chamados de As crônicas de gelo e fogo. Já se passaram a 1° e 2° temporada, adaptando o primeiro (A guerra dos tronos) e o segundo (A fúria dos reis) livro, respectivamente. E nesse domingo é a estreia da terceira temporada, que irá adaptar a primeira parte do terceiro livro (A tormenta das espadas…

TOP 5 Séries Melhores que Game of Thrones

— Vikings: "Gosto de Game of Thrones porque tem muita luta medieval, sangue..."

As lutas medievais de Vikings são muito mais intensas, extremamente constantes na série. A série também vem de uma adaptação, só que dá história da humanidade, quando exploradores, guerreiros, comerciantes e piratas nórdicos invadiram, exploraram e colonizaram grandes áreas da Europa e das ilhas do Atlântico Norte a partir do final do século VIII. A série também é muito mais viciante, sem a morosidade de diálogos vistos na série da HBO.

— Banshee:  "Gosto de Game of Thrones porque tem muitas cenas de sexo e nudez"

As cenas de sexo de Banshee são extremamente mais explícitas. Nudez é cotidiano na série, inclusive nudez frontal. E a nudez de Banshee não são como em Game of Thrones, que praticamente mostra a nudez de prostitutas, personagens secundários. Em Banshee os atores principais estão nessas cenas. Banshee também ganha no quesito violência, sangue, ação, além de ter roteiro original.

— …

Agenda de Séries

Agenda de séries:

Fique por dentro das séries que vão ao ar no dia nos Estados Unidos com essa super agenda.  Dúvidas, críticas elogios... Caso haja algum erro na agenda, mencione-o nos comentários.

O Fim da Saga Red John em "The Mentalist"

Por Jaqueline Pigatto
Chegou ao fim uma das maiores sagas dos seriados da atualidade. Patrick Jane finalmente colocou as mãos em Red John, o serial killer que matou sua esposa e filha. A série, que teve início há 6 anos, sempre focou na busca do protagonista por vingança, com Red John sempre alguns passos à frente, criando mais perguntas para as poucas respostas que conseguíamos, praticamente entrando na mente de Jane e roubando uma memória feliz, até conseguindo sua lista de suspeitos, revelada ao final da quinta temporada.
A partir dali sabíamos que o momento tão esperado chegaria. A produção confirmou: vamos descobrir nessa temporada quem é Red John. Os 7 suspeitos da lista eram personagens que frequentemente passavam pela série, em sua maioria policiais ou ligados ao governo. Pessoas de poder e influência. Mas poucos fãs acreditavam que realmente seria um daqueles. Sempre teve a teoria de que o Red John seria o próprio Patrick Jane. O bizarro Brett Partridge era uma das principais…