Especial Oscar 2014: "Filomena" (Philomena)



Filomena’ (Philomena, 2013) é baseado em um livro do jornalista britânico Martin Sixsmith, e narra a historia de Philomena Lee, uma senhora que decide procurar por seu filho a muito perdido. Simples em sua proposta, ‘Filomena’ não possui nada de excepcional e assim como o mediano ‘Trapaça’ sua indicação ao Oscar parece injustificável, contudo o longo possui detalhes que o torna belo e comovente.

Philomena, vivida por Judi Dench, é uma figura curiosa, ainda que inicialmente seja apresentada como uma velha excêntrica apenas para construir aquele velho conflito entre a velhice e a juventude (muito embora o personagem de Steve Coogan não seja exatamente jovem e tenha anteriormente sofrido equívocos parecidos). A personagem paulatinamente nos encanta por sua historia de vida e por personalidade forte e obstinada. Sua gentileza e sensibilidade materna acabam nos atraindo em um filme com uma proposta não muito inovadora.

Por ter vivido grande parte de sua vida em um convento, Philomena é uma católica que se reservou de alegrias inerentemente humanas, portanto a busca por seu filho gerado no único momento em que se entregou aos “prazeres carnais” representa também a libertação de dogmas que impuseram a ela a noção que prazer é sinônimo de pecado. A direção e o roteiro do longa constroem essa noção de forma orgânica e atraente, de modo que o filme se torna ainda mais instigante a medida em que avança. Philomena é uma personagem comum, mas exemplifica uma vida marcada por contos trágicos, certamente uma das personagens mais ricas e apaixonantes dentre os filmes indicados pela academia neste ano.

Do outro lado, Martin Sixsmith, vivido por Steve Coogan, é um personagem bruto e radical, questiona o valor da historia de Filomena, bem como sua fé. Ainda que sua historia termine em um ponto previsível, é uma perfeita oposição a personalidade de Filomena.

A busca pelo filho de Lee é envolvente a medida que aprendemos mais sobre o homem que ele se tornou, cada aspecto revelado sobre sua personalidade desperta curiosidade e encantamento ainda que, como a historia de sua própria mãe, sua vida não tenha sido uma das mais excepcionais.

Filomena é um filme rico e instigante, evidencia de forma excepcional a beleza escondida no ordinal é casual de modo que é impossível não se sentir atraído por uma historia tão comum. Ainda sim, não se trata de uma historia previsível em todos os aspectos e sem duvida alguma é um longa excelente.

Trailer:

  


Tecnologia do Blogger.