Pular para o conteúdo principal

House of Cards: — 2ª Temporada


(Com Spoilers de toda a segunda temporada)

Quando aprendemos a apreciar o lado sujo da política.

E esse lado sujo atende por Francis Underwood, o presidente dos Estados Unidos, cargo máximo da política mundial que foi obtido por ele sem que recebesse sequer um mísero voto. "A democracia não é lá essas coisas", palavras "sábias" do homem mais poderoso do mundo.

O apreço é pela obstinação de Underwood. Sem entrar em detalhes, e citando a sua carta mentirosa que amoleceu o coração do agora ex-presidente Walker, Francis começou de baixo e veio subindo, subindo, até conseguir seus objetivos, passando por cima de tudo e de todos, usando sua inteligência manipuladora para vencer todos os obstáculos. Apreciamos suas ações, mas abominamos os efeitos colaterais.

A temporada começou com Francis na vice-presidência, mas o cargo não era suficiente. Ele chegou a esse nível passando por cima de adversários políticos na maneira mais sórdida possível, além de destruir a vida de Peter Russo, antes de assassiná-lo com crueldade. Pensávamos que ele não poderia ir além disso, mas estávamos enganados. A première da temporada trouxe a pior face do crápula, em uma das cenas mais impactantes de todos os tempos, de todas as séries.


E isso foi o grande pecado da série. House of Cards destruiu um núcleo importantíssimo, que fez-nos apaixonar pela série: Zoe Barnes. Francis acabou com a vida da repórter, ex-amante, de forma repugnante, que era símbolo da imprensa e que ilustrava muito bem o lado honesto e negro do jornalismo. Esse plot não poderia ter sido desmanchado, ainda mais com a morte de Barnes.

Entendo que a verdade sobre Francis já estava na boca da imprensa e não poderia continuar, mas esse plot poderia ter sido resolvido de outra maneira. O foco era o lado político da série, tudo bem, mas ao matar Zoe - personagem que se tornou um dos principais da série - foi-se embora a parte que deixava a série menos "mecânica", pois o lado era o alívio da tensão imposta na Casa Branca.

Poderiam ter matado Janine ou Lucas, numa espécie de aviso, sei lá. Também traria grande impacto. Talvez Zoe pudesse ter tido o mesmo futuro de Lucas, para que quando acompanharmos a queda de Francis, ela estaria lá para pisar na sua derrota. Uma pena.

Mas a atriz Kate Mara (Zoe) não foi pega de surpresa, sabia desde que foi contratada que morreria em determinado momento da série, pena que a tiraram em pleno auge.


Porque a série traz, em doses menores, outro lado da trama política, o lado pessoal dos envolvidos. Com a morte de Zoe, a prisão de Lucas e a "fuga" de Janine, restou pouca coisa extra-política na série e que não trouxe grandes benefícios. Sobrou Rachel e as investidas do carente Doug; Freddy e seu restaurante que foi do céu ao inferno; e a vida pessoal de Francis e Claire.

Nesse último, a temporada deixou ainda mais claro o casamento que se propuseram. O relacionamento é aberto, ambos têm "liberdades" sexuais, homossexuais e heterossexuais, pois o casal vive uma relação política a todo momento, literalmente. Casos extra-conjugais não só são permitidos como necessários, porém um deles quase denegriu a imagem do casal, mas foi extinto impiedosamente por eles, numa jogada que eliminou da face da série o amante fotógrafo Adam.  

Porém a base foi, mesmo com excesso, direcionado à política, mostrando muito bem os detalhes sórdidos que fizeram de Francis o novo presidente. Ele atropelou Raymond Tusk, Linda Vasquez, Remy Danton e o Presidente Garrett Walker, usando a lei a seu favor, mas claro, fugindo dela a todo instante. Esse núcleo foi construído esplendidamente, sem nada a ressaltar ou acrescentar. Nesse ponto, acompanho os dois socos na mesa presidencial.

Agora que Francis chegou ao cume da montanha, a série deve tratar de seu declínio, aquele que será degustado por todos os telespectadores. Ele subiu passando por cima de tudo, destruindo a vida e assassinando inocentes, agora esperamos que pague por todos os seus pecados, com juros e correção monetária. 


Vi que depois de sua première, a temporada nunca poderia superar a sua temporada de estreia, devido a morte de Zoe e a extinção do núcleo da imprensa. Mas isso não importa, a temporada foi da mesma forma excelente, bem produzida, dirigida e escrita, dizendo aqui o óbvio. O sentimento de ódio por Underwood já está implantado em nossas cabeças, agora esperamos com ansiedade a sua queda, tudo isso e muito mais nas próximas temporadas de House of Cards.    

Postagens mais visitadas deste blog

Entendendo Game Of Thrones

Game of Thrones é uma série que acaba se tornando bem difícil de explicar, e isso ocorre justamente por causa da complexidade dos personagens, que são muitos, e pela quantidade de subtramas existentes. Então, meu objetivo com esse texto é fazer com que uma pessoa que nunca viu ou que não tenha entendido muito a premissa da série, entenda de forma clara qual a principal narrativa. Nesse texto não vou entrar em detalhes sobre os personagens e subtramas (senão você ficaria horas aqui lendo), apenas vou tentar mostrar a direção e o que a série propõe.
Como todos sabem, a série Game Of Thrones (produzida pela HBO) é a adaptação dos livros de fantasia épica escritos por George R.R. Martin, que são chamados de As crônicas de gelo e fogo. Já se passaram a 1° e 2° temporada, adaptando o primeiro (A guerra dos tronos) e o segundo (A fúria dos reis) livro, respectivamente. E nesse domingo é a estreia da terceira temporada, que irá adaptar a primeira parte do terceiro livro (A tormenta das espadas…

15 Séries que irão terminar em 2018

2018 já está aí, hora de despedir (ou não) daquela série que acompanhou por anos. Abaixo listo as 15 séries que irão terminar nesse ano, confira:

Este é um apresentação do Microsoft Office incorporado, da plataforma Office Online.

Agenda de Séries

Agenda de séries:

Fique por dentro das séries que vão ao ar no dia nos Estados Unidos com essa super agenda.  Dúvidas, críticas elogios... Caso haja algum erro na agenda, mencione-o nos comentários.

O Fim da Saga Red John em "The Mentalist"

Por Jaqueline Pigatto
Chegou ao fim uma das maiores sagas dos seriados da atualidade. Patrick Jane finalmente colocou as mãos em Red John, o serial killer que matou sua esposa e filha. A série, que teve início há 6 anos, sempre focou na busca do protagonista por vingança, com Red John sempre alguns passos à frente, criando mais perguntas para as poucas respostas que conseguíamos, praticamente entrando na mente de Jane e roubando uma memória feliz, até conseguindo sua lista de suspeitos, revelada ao final da quinta temporada.
A partir dali sabíamos que o momento tão esperado chegaria. A produção confirmou: vamos descobrir nessa temporada quem é Red John. Os 7 suspeitos da lista eram personagens que frequentemente passavam pela série, em sua maioria policiais ou ligados ao governo. Pessoas de poder e influência. Mas poucos fãs acreditavam que realmente seria um daqueles. Sempre teve a teoria de que o Red John seria o próprio Patrick Jane. O bizarro Brett Partridge era uma das principais…

A Fantástica Última Temporada de The Killing

(Com spoilers)

Uma aula de como encerrar uma série.
The Killing recusava a nos deixar. Sofreu dois cancelamentos e foi resgatada duas vezes. Lutou contra os números de audiência, única coisa que interessava para o AMC, e conseguiu sobrevida graças à sua qualidade, prontamente reconhecida pelo Netflix. Ajudou na produção da terceira temporada e bancou sozinha a sua quarta, pois, felizmente, acreditou na série e não nos deixou órfãos, depois daquele excepcional cliffhanger.
Terminamos a terceira temporada presenciando Linden matar cruelmente (e merecidamente) Skinner, aos gritos de "NÃO" de Holder. Tempos depois fomos noticiados que não veríamos mais nada além daquilo, pois o AMC decidiu cancelar a série, fato que trouxe muita tristeza para o seu telespectador. É uma crueldade que fazem com o telespectador, mas é, infelizmente, uma prática comum na TV, pois não respeitam nada além de lucro, e deixam de contar uma história sem mais nem menos, se lixando para seus clientes. 
E a …