Pular para o conteúdo principal

The Walking Dead: "Too Far Gone" 4x08 [Review] Midseason Finale


O dia em que The Walking Dead justificou a sua existência.

The Walking Dead trouxe um episódio fantástico. Podia ser sempre assim? Impossível. Episódios como esse são típicos episódios de fim de temporada, aquele que traz impacto, empolgação e ansiedade para o retorno da série. Normalmente são episódios que marcam, porém muitas vezes conseguem decepcionar os telespectadores, como ocorreu com a própria série em seu último season finale. Só que agora The Walking Dead fecha a meia temporada compensando, não que tenha apagado a morosidade e a falta de ousadia em episódios anteriores, mas sim, veio provar que a série, mesmo com altos e baixos, merece muito ser acompanhada.

"Os fins justificam os meios". Talvez essa frase caiba em The Walking Dead. Só talvez.

O grande duelo anunciado foi executado, finalmente, chegando a um desfecho. O Governador versus Rick: venceu o Governador. Rick desaponta, mais uma vez, e leva uma surra do crápula. Claro, Rick estava ferido e dificilmente seria páreo para ele, mas como prometido, Michonne manda para o inferno aquele que a fez sofrer e que continuaria fazendo muita gente sofrer caso sobrevivesse. Mas o sabor que sentimos quando a sua espada entrou no corpo do diabo, fez com que degustássemos com ardor a morte mais esperada da série. Michonne deixou o Governador para morrer lentamente, para que provavelmente fosse comido por Walkers, mas o tiro de misericórdia veio de um lado pouco provável, mas que se tornou fundamental para o fechamento da morte do crápula com chave de ouro.


Até poderíamos condenar Rick pela atitude que causou a morte de Hershel. Mas ali ele não tomou sozinho a decisão e aliado ao velho mais simpático que a TV já viu, tomou a decisão que seria melhor para eles. A decisão foi extremamente agradável ao desenvolvimento da trama. No momento em que Rick sugere que todos poderiam viver juntos, bateu um grande frio na espinha, imaginando que veríamos mais tantos episódios naquela prisão, uma nova 'guerra fria' para que mais para frente acompanhássemos o grande duelo anunciado. Felizmente isso não aconteceu. The Walking Dead evolui e muito a sua história e traz grande empolgação para a sua continuidade, em nível nunca antes alcançado pela série.

O episódio pagou e com juros a falta de ousadia em vários momentos na série. Juros, correção e muita dor. Sempre temos em mente que as crianças sempre serão salvas, nunca morreriam de forma impactante, porém The Walking Dead acabou com duas delas de forma dolosa e impactante. Triste ver a criança Megan sendo morta por um Walker. Triste e deprimente sentir a dor da família Grimes, em ver que Judith tinha sido, provavelmente, comida por Walkers. Triste. The Walking Dead matou crianças e um velhinho.

Mas feliz em ver que o trabalho de Carol valeu a pena. Olha como são as coisas: Carol salvou Tyreese. Graças ao seus ensinamentos, as suas crianças salvaram a pele daquele que provavelmente iria matá-la. Falando nisso, um assunto que mais uma vez veio à tona: talvez Carol não seja a real responsável pela morte daqueles dois moribundos. Essa suspeita já tenho desde que ela foi expulsa por Rick.


E se Carol assumiu a culpa para proteger alguém? E se ela assumiu a culpa para proteger as crianças ou alguém que merecesse? E se ela assumiu a culpa para proteger... Carl? A mão de sangue vista por Rick no local do "crime" era pequena. E se for Carl, o que Rick faria? Acho que tem muita história a respeito para ser contada.

Um episódio excelente, talvez o melhor da série e um dos melhores desse ano. A série fez tudo, extremamente tudo que sempre pedíamos. Muito tenso, aterrorizante, emocionante e empolgante. A série sempre teve grande potencial e sabíamos que se "quisessem", poderiam fazer uma série excelente. Infelizmente na maioria das vezes o lucro fala mais alto do que a arte e somos obrigados a acompanhar episódios morosos entre as temporadas, mas se toda vez tivermos um desfecho eletrizante como esse, podemos 'fingir' que eles não existiram.  


E mais:

— Ótima maneira de começar o episódio. O sequestro de Hershel e Michonne acendeu o pavio do barril de pólvora. 
— Raiva que tive quando vi a criança Megan sozinha brincado no barro. Tá, estavam protegidos pela água, enfim, mas naquele mundo uma criança NUNCA pode estar sem proteção, ou com 'proteção distante'.
— Forçado Daryl ter usado um Walker como escudo. Mas curti, também não podemos levar tudo ao pé da letra.
— Espero que o bebê Judith apareça nos braços de alguém, sã e salva. É muita maldade, Walking Dead.
— The Walking Dead entra em hiato e volta no dia 09 de fevereiro. Será o hiato mais doloroso da série. Bora ler as HQs. 

Postagens mais visitadas deste blog

Entendendo Game Of Thrones

Game of Thrones é uma série que acaba se tornando bem difícil de explicar, e isso ocorre justamente por causa da complexidade dos personagens, que são muitos, e pela quantidade de subtramas existentes. Então, meu objetivo com esse texto é fazer com que uma pessoa que nunca viu ou que não tenha entendido muito a premissa da série, entenda de forma clara qual a principal narrativa. Nesse texto não vou entrar em detalhes sobre os personagens e subtramas (senão você ficaria horas aqui lendo), apenas vou tentar mostrar a direção e o que a série propõe.
Como todos sabem, a série Game Of Thrones (produzida pela HBO) é a adaptação dos livros de fantasia épica escritos por George R.R. Martin, que são chamados de As crônicas de gelo e fogo. Já se passaram a 1° e 2° temporada, adaptando o primeiro (A guerra dos tronos) e o segundo (A fúria dos reis) livro, respectivamente. E nesse domingo é a estreia da terceira temporada, que irá adaptar a primeira parte do terceiro livro (A tormenta das espadas…

Agenda de Séries

Agenda de séries:

Fique por dentro das séries que vão ao ar no dia nos Estados Unidos com essa super agenda.  Dúvidas, críticas elogios... Caso haja algum erro na agenda, mencione-o nos comentários.

O Fim da Saga Red John em "The Mentalist"

Por Jaqueline Pigatto
Chegou ao fim uma das maiores sagas dos seriados da atualidade. Patrick Jane finalmente colocou as mãos em Red John, o serial killer que matou sua esposa e filha. A série, que teve início há 6 anos, sempre focou na busca do protagonista por vingança, com Red John sempre alguns passos à frente, criando mais perguntas para as poucas respostas que conseguíamos, praticamente entrando na mente de Jane e roubando uma memória feliz, até conseguindo sua lista de suspeitos, revelada ao final da quinta temporada.
A partir dali sabíamos que o momento tão esperado chegaria. A produção confirmou: vamos descobrir nessa temporada quem é Red John. Os 7 suspeitos da lista eram personagens que frequentemente passavam pela série, em sua maioria policiais ou ligados ao governo. Pessoas de poder e influência. Mas poucos fãs acreditavam que realmente seria um daqueles. Sempre teve a teoria de que o Red John seria o próprio Patrick Jane. O bizarro Brett Partridge era uma das principais…

Especial: TOP 5 séries que você não deve assistir com a sua mãe

Olá, leitores! Hoje não é um dia qualquer, não é um simples domingo onde você, caro leitor, comerá um pedaço de pizza do sábado à noite no almoço, porque hoje é o dia das mulheres da vida de cada um de vocês, das mulheres que consideram sagradas. Hoje é dia das mães! O Viciado Em Série não poderia deixar de prestar sua homenagem, contudo, decidido a fazer algo diferente do bom e velho “TOP 5/10 Mães de Séries/Filmes”, segue o "TOP 5 Séries Que Você Não Deve Assistir Com a Sua Mãe".
5º Lugar - Game of Thrones

Uma série da HBO para maiores de 18 anos cheia de nudez, cenas de sexo, incesto, orgias, guerras, violência de todos os tipos, entre outras situações embaraçosas. Game of Thrones, definitivamente, não é o tipo de série para você assistir ao lado da sua querida e sagrada mãe, afinal, qual filho não fica constrangido diante uma cena de sexo em um filme aleatório sendo assistido junto dela? Agora imagina uma cena dessas entre dois irmãos... Pois é, MELHOR NÃO! 
4º Lugar – Tr…

A Fantástica Última Temporada de The Killing

(Com spoilers)

Uma aula de como encerrar uma série.
The Killing recusava a nos deixar. Sofreu dois cancelamentos e foi resgatada duas vezes. Lutou contra os números de audiência, única coisa que interessava para o AMC, e conseguiu sobrevida graças à sua qualidade, prontamente reconhecida pelo Netflix. Ajudou na produção da terceira temporada e bancou sozinha a sua quarta, pois, felizmente, acreditou na série e não nos deixou órfãos, depois daquele excepcional cliffhanger.
Terminamos a terceira temporada presenciando Linden matar cruelmente (e merecidamente) Skinner, aos gritos de "NÃO" de Holder. Tempos depois fomos noticiados que não veríamos mais nada além daquilo, pois o AMC decidiu cancelar a série, fato que trouxe muita tristeza para o seu telespectador. É uma crueldade que fazem com o telespectador, mas é, infelizmente, uma prática comum na TV, pois não respeitam nada além de lucro, e deixam de contar uma história sem mais nem menos, se lixando para seus clientes. 
E a …