The Walking Dead: "Live Bait" 4x06 [Review]


Mostrar o lado humano do diabo. Foi o que Walking Dead quis
 com o episódio 'Live Bait'. 

Alguém queria conhecer afundo o lado 'humano' do diabo? Diabo que é diabo não tem lado 'humano'! Um episódio extremamente desnecessário e mal feito de Walking Dead. E o próximo também deverá ser.

Não poderíamos ter gastado quase uma hora de vida com tanta baboseira. Já temos uma opinião formada quanto à índole do Governador e não adianta mostrarem ele fazendo 'obras de caridade'. Não deveriam mostrar. Primeiramente nós conhecemos e bem o personagem, composto por 90% de maldade e 10% de humanidade. Vimos anteriormente o seu amor por sua filha. Mantê-la transformada foi uma grande prova de amor, de humanidade, não precisávamos perder tempo com esse episódio. Trazer o seu lado bom exagerado agora, quando odiamos saber que ele ainda estava vivo, foi um grande tiro no pé.

Primeiramente o episódio foi cheio de "Não acredito que isso está acontecendo!". O Governador sai sem rumo, e encontra um lar com quatro pessoas que o recebem muitíssimo bem. Isso é como se tivesse ganhado na loteria naquele mundo. Duas mulheres, um criança e um idoso - recebendo um desconhecido, com cara de bandido. Nada crível, mas vamos lá.

Daí uma sequência de atrocidades foram vistas, partidas do Governador: recebe um prato de comida, faz grande barulho jogando a comida fora e ninguém percebe; é encurralado por meia dúzias de walkers e foge (o mesmo que foi deixado dentro de um armazém lotado deles e sobreviveu); omite um informação importantíssima - que os mortos voltam transformados, mesmo não infectados fisicamente - colocando a vida das pessoas que o acolheram em muito risco; 'rala e rola' dentro do caminhão, ao lado de uma criança! Não tem mato lá não?; atrocidades evitáveis.


É o primeiro episódio dirigido por Michael Uppendahl na série. Espero que seja o último.

Tudo isso que vimos e tudo que veremos no próximo episódio será para unir a linha temporal da série, agora que voltamos ao passado, infelizmente, para conhecer a caminhada 'humana' do Governador. Eles irão se encontrar com Rick na penitenciária, como mostrou 'Internment', ainda restando saber se haverá ou não alguma perda nesse grupo. A série mais uma vez pisa muito no freio, e dessa vez, ainda dá marcha-ré, literalmente e infelizmente.

Justo quando ela nos mostrou um excelente episódio, o anterior, que cheguei a considerar o melhor da série. Felizmente The Walking Dead não é uma série de casos semanais, fato que faz com que eliminemos episódios como esse e foquemos em outros núcleos. Nada foi acrescentado nesse episódio e sim, houveram perdas. Uma desconstrução pífia de um personagem, vilão, que poderia estar entre os melhores da série se não tivessem sido covardes no fim da última temporada, o mantendo vivo.


Mais uma vez faço a analogia da roda gigante. Disse que a roda gigante da série chegou ao ponto mais alto no episódio anterior, mas dessa vez ela volta para o ponto mais baixo. Queria que a série fosse um foguete, que fosse subindo, subindo e explodindo no final. Mas não. E será sempre assim, pois o que importa é que doze milhões de telespectadores assistiram esse episódio, que mesmo péssimo, garante o mesmo lucro para os envolvidos.

E os vídeos promocionais desse episódio sugeriram explosões, revira-voltas... tsc, tsc, tsc...
Tecnologia do Blogger.