The Walking Dead: "'Internment" 4x05 [Review]


E a roda gigante de Walking Dead continua girando, mas 
dessa vez, alcançou o ponto mais alto.

Devemos separar as coisas: só porque não concordemos com certas atitudes de determinados personagens, não quer dizer que o episódio ou a série é ruim. Digo a respeito da atitude de Rick, que impediu a volta de Carol, atitude que abomino veementemente. E 'Internment', quinto episódio da quarta temporada, que teve a direção de David Boyd, serviu para aumentar ainda mais o meu ódio por sua atitude. Mas, olhando pelo lado técnico do roteiro - escrito pelo estreante na série, Channing Powell - a atitude fez com que criássemos um sentimento importante, instigando-nos a acompanhar o desfecho. Nesse caso, palmas.

Como Carol fez falta. Rick volta e já tem que responder sobre o paradeiro de Carol, claro, uma das pessoas mais importantes daquele lugar. Para a minha surpresa, Maggie já avaliza a sua atitude, sem pestanejar, porém ficamos sem saber a opinião do restante do grupo, por enquanto. Hershel soube, mas não vimos a sua resposta. Interessante acompanharmos Rick testemunhando Hershel executar um morto pela doença, da mesma forma que Carol fez, mas óbvio que os dois estavam vivos, óbvio, que a 'incrimina', porém a sua atitude ficou ainda mais justificável, dado ao caos estabelecido naquele lugar.

Que estaria melhor com Carol. O caos se estabeleceu, e a ajuda de Carol era de grande valia, fato que aumentou e muito o ódio pela atitude errônea e precoce de Rick. Como bem mencionou Hershel, numa citação de 'Steinbeck': "Uma alma aflita pode matar mais rápido do que um germe." - menção que se encaixou nas atitudes que ele promoveu, escondendo as mortes anunciadas, mas que também serviu para o caso de Carol, - a alma aflita que matou mais rápido do que um germe.


Falando em germe, como demorou o pelotão comandado por Daryl pra chegar. Então lembremos do episódio anterior, quando vimos discussões banais por uma garrafa de bebida. Aquele tempo perdido, acrescentado pela tranquilidade que aquele pelotão adotou em busca de remédios, foi responsável pela morte de muitos ali, pois poderiam ter sidos salvos caso chegassem mais cedo. Pelo menos voltaram com remédios. Pelo menos.

Tudo aconteceu ao mesmo tempo, fatores que fizeram com que o episódio se tornasse um poço de tensão, pois chegamos a temer pela morte dos principais personagens da série, entre eles, Gleen. "Eles não vão morrer de 'gripe' depois de terem passado por tudo que vimos!", pensávamos. Mas a construção do episódio foi tão bem feita que estávamos começando a aceitar a ideia da morte de Gleen, Hershel e companhia limitada. Mas morreram 'apenas' os figurantes, podemos dizer, mas passamos apertado, em uma sequência excepcionalmente tensa, a melhor de toda a série.


'Internment' foi um dos melhores episódios da série, quiçá o melhor. A temporada vinha com altos e muitos baixos, mas pelo menos construíram esse episódio, que não apaga a ruindade de alguns anteriores, mas pelo menos traz um alento sobre o caminho que estão seguindo. 

Então vem o Governador, de novo, fato que possa vir para melhorar ou piorar a temporada. Se ele vier para consertar o denegrido season finale passado, proporcionando o grande e esperado duelo final, pode abrilhantar a temporada, mas se ele durar mais do que dois episódios, poderão estar dando um tiro no pé.
Tecnologia do Blogger.