Especial: Os Melhores Episódios de Doctor Who



50 anos. Quantas série podem se orgulhar dessa conquista? Um verdadeiro marco na história da televisão mundial. E um acontecimento tão importante não iria passar despercebido por nós do Viciado em Série, por isso nós preparamos um especial todo especial para comemorar essa data tão especial para essa série especial que é Doctor Who  (realmente especial).

Depois de uma boa análise, fizemos uma lista com os 15 melhores episódios da série nova .Para quem está em dia vai ser um panorama bem interessante sobre a série, e para quem ainda não assiste vai ser um bom guia para começar e saber o que esperar dessa série brilhante (detalhe: os arcos foram considerados como um episódio, por se completarem).

Sem mais delongas, confira a lista com os 15 melhores episódios de Doctor Who. GERONIMOOO!!!


15 - "Dinosaurs on a Spaceship" - 7x02


Doctor, Ponds (incluindo Pond pai), Rainha Nefertiti e John Riddell juntos em uma nave espacial cheia de dinossauros e prestes a colidir com a Terra. Diversão mais do que garantida. Um dos episódios cômicos mais geniais da série, além de introduzir coadjuvantes brilhantes como Nefertiti (Neffy para os íntimos) e Brian, pai de Rory, interpretado maravilhosamente por Mark Williams, o eterno Arthur Weasley. Ele é especialista em interpretar pais legais. E ele não é o único ator de Harry Potter a fazer uma ponta nesse episódio: o espetacular David Bradley, que interpreta o cabeça dura do Filch, também faz uma ponta como o vilão que aprisiona os dinossauros. Lembrando que Bradley interpreta William Hartnell, o primeiro Doctor no telefilme da BBC An Adventure In Space and Time. O cara gosta mesmo de Doctor Who.

14 - "The Eleventh Hour" - 5x01



Com a partida de David Tennant da série, muitos duvidaram que conseguiriam encontrar um ator bom o suficiente para substituí-lo como Doctor, e quando escolheram Matt Smith, que na época tinha apenas 26 anos (o mais jovem a interpretar o Doctor), a apreensão foi maior ainda. Mas em The Eleventh Hour, Smith conseguiu provar que era bom o bastante e conseguiu cativar o público com sua interpretação única do 11th Doctor logo de primeira. Mas o mérito não é só de Smith. The Eleventh Hour tem um dos roteiros mais brilhantes da série, todo amarradinho, com uma história aventuresca e emocionante na medida certa, apresentando não só o magnífico 11th Doctor, como também deu início à história dela que se tornaria uma das companions mais queridas de Doctor Who: Amelia Pond, A Garota Que Esperou.

13 - "The Empty Child/The Doctor Dances" - 1x09/10



O primeiro arco da série escrito por Steven Moffat (atual showrunner) é um dos episódios responsáveis por transformar as pessoas em whovians (junto com "Blink") além de ser o episódio de estréia de um dos personagens mais queridos da série: Capitão Jack Harkness, o conquistador do universo (se é que vocês me entendem). Moffat começou com o pé direito como roteirista da série, pois "The Empty Child/The Doctor Dances" são um daqueles episódios praticamente livres de defeitos, e com uma interpretação brilhante de Christopher Eccleston, carregada de emoção (a frase: "Just this once, everybody lives" é uma das mais lembradas do 9th Doctor). E claro, não podemos esquecer do Empty Child, o primeiro do time de vilões do Moffat e seu inconfundível bordão: "Are you my mummy?"

12 - "Midnight" - 4x10



O episódio mais assustador, perturbador e claustrofóbico de toda a série. Uma obra-prima do gênero terror. Um experiência simplesmente assustadora, mais bem sucedido do que muito filme de terror por aí. E que vilão! Uma criatura parasita de origem completamente desconhecida que toma o corpo das pessoas, quase como uma possessão. Uma das únicas vezes que vimos o Doctor realmente assustado. E com certeza todos que assistiram esse episódio se arrepiam toda vez que alguém repete o que eles falam, e responde como o Doctor: "No, don't do that, don't... Don't.

11 - "A Christmas Carol" - Especial de Natal da 5a temporada 


Desde o revival de Doctor Who em 2005 os especiais de natal são uma tradição da série e sempre são exibidos no natal depois do final da temporada, mas em todos eles o natal em si não era muito explorado, sendo apenas meio que "coincidência" a história estar acontecendo nessa época. Mas na 5a temporada isso mudou: Steven Moffat entregou seu primeiro especial de natal como showrunner e mudou os especiais de natal para sempre. "A Christmas Carol", assim como a obra de Charles Dickens de onde tirou seu título, é uma obra prima natalina, daquelas dignas de serem exibidas todos os anos naquelas reprises intermináveis (no melhor estilo A Felicidade Não Se Compra). E a música-tema Abigail's Song pode ser considerada um clássico natalino no mesmo nível de Oh Holy Night, White Christmas, entre outras. Um episódio lindo, simplesmente lindo.

10 - "Silence In The Library/Forest of The Dead" - 4x08/09


O início de uma das histórias de amor mais enigmáticas e apaixonantes de todos os tempos: este é "Silence In The Library/Forest of The Dead", quarta história de Steven Moffat para Doctor Who e o episódio de estréia de River Song. a Esposa do Doctor. É uma história de amor enigmática pois ela começa literalmente ao contrário; a primeira vez que o Doctor encontra a River mas a última vez que ela encontra o Doctor; por aí é possível medir o tamanho da complexidade. E pra você que ainda não assiste a série, isso é só o começo do quebra-cabeça. E como esquecer os incríveis Vashta Nerada, as sombras que comem carne. Vilões brilhantes e que fizeram muito marmanjo voltar a ter medo do escuro ("Count the shadows").

9 - "The Doctor's Wife" - 6x04



A TARDIS é sem dúvida nenhuma o personagem mais icônico de Doctor Who depois do próprio Doctor. Podemos dizer que ela é a Companion original, pois em todos esse séculos de viagens pelo tempo e espaço, ela foi a única que sempre esteve com ele em todos os momentos, quase como uma esposa. E em "The Doctor's Wife", essa metáfora se transforma em realidade pelas mãos do gênio Neil Gaiman, que nos entregou um episódio praticamente livre de defeitos, além de ter uma carga emocional gigantesca. Como esquecer as últimas palavras da Sexy TARDIS para o seu Doctor? "Hello Doctor, it's so very very nice to meet you".

8 - "Blink" - 3x10



A obra prima de Steven Moffat e muito provavelmente a obra prima da série em termos de roteiro (ganhando até o BAFTA). Aquele episódio que todo whovian mostra pro amigo que quer assistir a série mas não se convenceu muito com o piloto (talvez o Moffat tenha feito esse episódio com esse propósito, quem sabe?). Tudo nele funciona: a história fantástica, que liga todos os pontos e nos deixa de boca aberta; a protagonista genial (brilhantemente interpretada pela Carey Mulligan), a participação mais que especial do Doctor, que nos apresentou um dos conceitos mais épicos da série: "People assume that Time is strict progression of cause to effect. But actually, from a non-linear, non-subjective view point, it's more like a big ball of wibbly wobbly, ttimey wimey stuff." (que todo whovian que se preze sabe de cor) e claro, nos apresentou aos vilões mais espetaculares da série: Os Weeping Angels, as criaturas mais mortais do universo. Se você ainda não assiste a série e quiser começar por esse episódio fique à vontade, apenas lembre-se: "Don't blink!"

7 - "Army of Ghosts/Doomsday" - 2x12/13



Todos lembram desse episódio mais pelo fato de ser a despedida de Rose Tyler, mas essa season finale é muito mais do que apenas a despedida de Rose (apesar de ser um dos momentos mais heartbreaking da série). Uma das melhores e mais completas season finales, "Army of Ghosts/Doomsday" pega todas as coisas que funcionaram em "Bad Wolf/The Parting of The Ways" e dá um mega upgrade. O mistério da temporada foi resolvido de forma extremamente precisa e sem pontas soltas, personagens hiper bem trabalhados e desenvolvidos e atores dando o seu melhor (David Tennant e Billie Piper mereciam um Emmy cada um por esse episódio), como diria Phoebe: "They were acting their asses off!!" E de quebra, no final somos apresentados à Donna Noble, a melhor Companion de New Who e que já chega na série em uma cena mais do que genial.

6 - "Vincent and The Doctor" - 5x10



Muitos episódios de Doctor Who  haviam apresentado personalidades históricas em situações emocionantes até então: Charles Dickens, Madame De Pompadour, Shakespeare, Agatha Christie, Wisnton Churchill... Mas em nenhuma delas houve algo tão íntimo como o encontro do Doctor e Amy com Van Gogh. A química entre os três e como eles se entendiam perfeitamente em tão pouco tempo juntos, foi simplesmente lindo. E claro, o final que foi um dos mais heartbraking de toda a série, em que eles levam Vincent ao futuro e mostram pra ele como as obras dele são prestigiadas hoje e como ele é considerado um dos maiores artistas plásticos do mundo. Depois desse episódio todos os whovians se tornaram fãs de Van Gogh.

5 - "A Good Man Goes To War/Let's Kill Hitler" - 6x07/08



"Demons run when a good man goes to war. Night will fall and drown the sun, when a good man goes to war. Friendship dies and true love lies. Night will fall and the dark will rise, when a good man goes to war. Demons run but count the cost. The battle's won, but the child's lost". Nem seria preciso escrever mais nada sobre esse arco mais do que épico, só o poema de Demons Run é suficiente pra elogiar essa obra prima, com um nível de qualidade cinematográfica digno de ser exibido nos cinemas. E ainda foi o arco que revelou de vez a verdadeira identidade de River Song e qual o seu papel na vida do Doctor, um dos momentos mais mindblowing da série, mas que não podemos comentar, spoilers.

4 - "The Stolen Earth/Journey's End" - 4x12/13



Doctor, Donna, Martha , Rose, Mickey, Jack, Sarah Jane, Torchwood... Todos juntos salvando o universo dos Daleks. O clímax perfeito para a quarta temporada que foi a melhor da série até hoje, com um plot espetacular e episódios mais espetaculares ainda. Um ode à todos os personagens importantes para o Doctor desde o início da nova série, além de colocar Donna Noble no topo da lista das melhores Companions de New Who. Não à toa sua alcunha na série era: "The most important woman in the whole of creation".

3 - "The End of Time" - Especial de Natal de 2009



O showrunner Russell T. Davies ia passar seu cargo para Steven Moffat, então ele tinha que fazer um último episódio decente e que fechasse todas as pontas soltas e desse um final digno aos seus personagens. Mas ele foi muito além, nos entregando um dos momentos mais épicos de Doctor Who, com um dos fechamentos mais lindos e completos vistos até hoje. Cada personagem teve sua despedida, sua oportunidade de dizer adeus aos fãs, culminando no adeus ao querido 10th Doctor, que se regenerou embalado pela canção dos Ood, que nos lembrou de que mesmo que aquele ciclo estivesse acabando, ainda havia muito pela frente. Como o Ood disse para o Doctor em seus últimos momentos: "This song ins ending, but the story never ends."

2 - "The Angels Take Manhattan" - 7x05



O episódio mais triste de Doctor Who. Mesmo que você não seja fã dos Pond é simplesmente impossível não se derreter em lágrimas nessa que foi a despedida mais dolorosa para o Doctor. Amy e Rory eram sua família humana, seus melhores amigos, e provavelmente os Companions que ficaram com ele por mais tempo (em torno de 10 anos segundo Amy), e não houve nada para preparar o Doctor para esse momento. Eles foram literalmente arrancados dele para sempre. Não poderia ser mais devastador. Mas o principal mérito desse episódio foi transformar uma história aparentemente simples em uma despedida épica em todas as proporções, além de ser o mais bem dirigido da história da série. Um belo final para uma história tão linda quanto a do Doctor e seus Pond. Glorious Ponds...

1 - "The Name of The Doctor" - 7x13



Esse episódio é importante em tantos níveis que fica difícil de falar em um texto tão pequeno. O episódio que mudou para sempre a história de Doctor Who, além de ser ponte para o momento mais importante da série até hoje: o especial de 50 anos. Trenzalore, o mistério de Clara Oswald, o que há por trás do nome do Doctor, tudo isso e muito mais aconteceu nessa season finale de fazer o queixo cair e não conseguir fazer levantar por um período bem longo de tempo. E aquele final... Quando você assusta você voltou a cena pelo menos umas dez vezes só para ver aquele momento épico, em que toda a história da série é mudada em questão de segundos. A melhor season finale da série e a melhor escrita por Moffat, que conseguiu agradar a todos os fãs, inclusive os que não gostam dele como showrunner. Continue assim, Sr. Moffat, chutando todas as bundas e sendo o roteirista awesome que você é. Como o Doctor diria:"You're brilliant."

É muito complicado fazer listas que agradem todo mundo. Com certeza alguns vão achar que faltaram vários episódios, outros que alguns episódios não mereciam estar nessa lista. Portanto fique à vontade para comentar Se você sentiu falta de algum episódio (pois quinze é um número muito pequeno), conte pra gente nos comentários, com certeza muitos episódios fantásticos não foram colocados (de cara dá pra pensar em pelo menos uns 5). E se você ainda não assiste a série fique à vontade para usar essa lista como guia e para saber o que aguarda vocês nessa série tão fantástica que é Doctor Who.
Tecnologia do Blogger.