Masters of Sex: "Brave New World" 1x06 [Review]



Mais um episódio que vai dar o que falar na mídia mundial, principalmente no seio da tradicionalíssima família americana. No mundo atual, aos poucos, alguns tabus vão sendo quebrados e a evolução do ser humano já lhe permite falar e discutir determinados assuntos relacionados ao sexo, com mais desenvoltura e maturidade na TV e no dia-a-dia. Temas que antes só eram restritos ao cinema. Contudo, tais temas devem ser tratados com liberdade mas sem libertinagem, como diria o filósofo. É justamente o que acontece nesta ótima série da TV norte-americana que parece estar abalando certos alicerces sacros, além de empolgar o apreciador do assunto, desde que tratado com inteligência e naturalidade, tornando corriqueiro e interessante às mentes mais abertas.

Falando do episódio de número seis de um total de treze para esta primeira temporada (por sinal, a segunda temporada já está confirmada), como disse, foi um mais um bom filme que começou com as férias do casal Masters. Férias, ademais, forçadas, por parte do médico e cientista William, mais preocupado com suas experiências sexológicas do que com o estado psicológico de sua esposa Libby, ainda abalada pela perda da filha que não passou dos três meses de gestação. Enquanto isso, Virginia, a secretária (que depois seria promovida a Assistente de Pesquisa, para evitar ciúmes alheios, leia-se, da nova médica contratada) tenta desbancar as teorias de Freud, apregoadas pela filha desse famoso psicanalista austríaco em uma palestra sobre o orgasmo feminino e assuntos correlatos.

Uma vez que tocamos neste assunto, a esposa do “não-assumido” Reitor Scully, fica sabendo, através de uma de suas amigas que se voluntariou para ser “pesquisada” e testada pelo casal pesquisador (na verdade, futuro casal), que existem várias maneiras de se atingir o clímax. Pela frieza de seu "duvidoso" marido, ela decide se tornar “cobaia” dessa boa causa, em nome da ciência e vai ter uma conversa com Virginia sobre sua decisão.

Entrementes, a esposa de Bill Masters, reconhece que ele não está curtindo as férias e está mais preocupado com um casal de idosos que pratica o sexo diuturnamente, contrariando as regras e, por isso mesmo, lhe recomenda que vá embora, mas ela decide ficar no hotel de Miami. Já se pode notar que Dr. Masters quer mesmo, além de prosseguir com suas pesquisas, é ficar do lado de Virginia, ou seja, unir o útil ao agradável. E ele volta para Washington. 

Numa entrevista com a esposa do reitor, esta lhe revela que nunca teve um orgasmo na vida. Por este motivo é recusada para ser testada, pois o interesse é saber até onde chega - ou vai - o gozo feminino (se pelo clitóris, se pela vagina ou até mesmo pelo mamilo). Frustração total  para a bela Sra. Margaret Scully que decide tomar um novo rumo na sua vida sexual. É nessa parte do filme que atingimos o famoso "momento hollywoodiano”: Sra. Scully decide ir ao cinema sozinha, já que seu marido prefere dormir (na verdade, ele está mais preocupado com seu parceiro de programas noturnos do que com a esposa) e na saída do filme se encontra “coincidentemente” com o Dr. Austin Langham, aquele mesmo que se deixava testar, praticando o ato sexual monitorado com uma outra voluntária, também funcionária do hospital e, depois de um certo tempo, falhara por duas vezes seguidas. União perfeita. Cada um carregando uma frustração (ela, por nunca ter chegado ao orgasmo). Não é que ambos começam a conversar e, de repente, Austin toca nesse assunto com Margaret, o que não deixa de ser inverossímil (por isso, classifiquei de clichê de Hollywood), pois tocar nesse tipo de assunto com a patroa do chefe-mor, seria um risco até de demissão pelo desrespeito. Mas, ela, como não podia deixar de ser, adorou a oportuna conversa e o resultado só podia ser um só: ambos fizeram o amor que tanto precisavam, cada um atingindo seus objetivos.

Com o desfecho do episódio, só se pode tirar conclusões óbvias, tais como, o casamento de Bill e Libby está com os dias contados; por sua vez esta vai tomar alguma decisão drástica para ver se engravida logo. Nesse meio-tempo, o flerte do casal de cientistas prosseguirá. A esposa do Reitor, finalmente, conseguiu o que queria e, tudo indica que vai ser “testada pela ciência" exatamente com o médico que falhara antes. Novos rumos estão sendo traçados e a tendência é a série melhorar ainda mais. Deleite puro (sem trocadilhos, por favor).

Tecnologia do Blogger.