Homeland: "Still Positive" 3x06 [Review]


Como diria Carrie: "Não sou a pessoa que entendeu errado. Sou 
a única que entendeu certo".

É mais ou menos o que sinto em relação ao que estamos vendo na atual temporada de Homeland. Vejo muitos denegrindo a série, mas eu estou gostando e muito do rumo que a série está tomando. Claro, impossível gostar do plot de Dana, que está mesmo destoando da série, mas tirando isso, vejo a mesma série de sempre, a mesma excelente série de sempre.

Já que falei em Dana, vamos logo finalizar esse assunto dizendo que poderíamos ter limado todos os segundos que a personagem apareceu no episódio. Que suma! Deixe ela ir de vez, Jessica! A minha esperança era que só veríamos ela e o núcleo familiar irritante de Brody, bem mais no fim da temporada, pois Dana parecia ter finalizado o núcleo após o seu término com o namoradinho psicopata, mas não. Continuaram contando a história da 'indefesa' garota que pensa de forma egoísta, causando ainda mais dor em sua mãe por ser a 'doída' filha de um terrorista. Núcleo extremamente irritante e mal escrito.

Mas esqueçamos Dana, pois o núcleo principal da série, o que realmente importa, vai muito bem, obrigado. Dessa vez a briga se tornou bem mais direta e o episódio esclareceu diversos pontos da trama que deram significância, colocando as cartas na mesa. A briga entre os serviços secretos tinha um tom pessoal entre seus líderes, e os lados partiram para a guerra.


Saul luta por si e pelo seu país. Não saberia dizer a ordem. Ele luta para prender ou matar os terroristas que dizimaram mais de duzentas pessoas da CIA, e usou o seu passado pessoal para conseguir pegar Javadi, aquele endemoniado que o traiu, matando quatro de seus comandados para conseguir uma 'promoção' na CIA iraniana. Interessante descobrirmos que a vingança já tinha sido feita, quando Saul 'tirou' a família de Javadi de seus braços, dando entendimento às ações finais do terrorista, que já tinha descoberto a localidade de sua família, orquestrando uma cena cruel, sanguinária, demostrando a perversidade do personagem.

O plano, mais uma vez, foi muito bem orquestrado, mas ficou claro no espanto de Carrie, que Saul agiu acima do que podia, passando dos limites, pois colocou a vida de Carrie em risco, como todos sabiam, mas até Carrie ficou perplexa em saber o tanto de risco que correu, que não estava sendo vigiada na totalidade do tempo da missão. Javadi mencionou, pertinentemente, que Saul mais uma vez arrisca a vida de inocentes, e que pagou caro por isso no passado. Claro, sabemos que Carrie não morrerá tão cedo, mas não brinque assim como nossos corações, Saul! Você ainda há de pagar por essas atitudes, sem sombra de dúvidas, e a inserção mais direta de Mira, sua amada, mesmo sem entrar a fundo, transparece que algo de ruim poderá acontecer com ela, ainda mais que está dando motivos para isso.


'Still Positive' foi um episódio competente, que deu prosseguimento ao excelente enredo adotado para essa temporada. Chegamos à sua metade, e muito ainda estar por vir, devendo conseguir fechar a história com chave de ouro, e disso não tenho dúvidas. Homeland continua empolgante, prendendo o telespectador na série, instigando-o a continuar, com grande dose de curiosidade ilustrada com grande elenco. Claro, precisamos separar e jogar fora, se possível, o que tem de ruim na temporada, e tem, mas o principal, a premissa que dá significância à série, continua intacta. Que venha 'Gerontion'.

PS: CARRIE GRÁVIDA?! OMG!
Tecnologia do Blogger.