Dexter: "Dress Code" 8x07


"Nem parece ser a última temporada."

É o que as pessoas dizem o tempo todo nas redes sociais. E tem muita verdade nisso.

Aí eu começo a lembrar de quando oficializaram que essa seria a última temporada de Dexter, em meados de abril desse ano. E a nova temporada estreou pouco mais de dois meses depois. A notícia dizia que a decisão já tinha sido tomada após o fim da 7ª temporada, então demoraram quase quatro meses para divulga-la? Grande mentira.

O que quero dizer é que a última temporada de Dexter não foi tratada inicialmente como última, e agora, após sete episódios exibidos, faltando apenas cinco para o fim da temporada, temos a prova. Começou promissora, mas a temporada tornou-se pífia, indigna à série, cheia de subtramas irrelevantes e uma trama principal que não empolga ninguém. Deverá ter um desfecho sim, mas feito literalmente "nas coxas".

O fim de uma série "consagrada" como Dexter não deveria ser planejada assim. Teria que ser planejada bem antes para que fosse a maiúscula temporada final e não isso que estamos vendo. Deveria tomar o exemplo de LOST, que começou a planejar o fim três anos antes, ou de Breaking Bad, que decidiu que a série deveria terminar dois anos antes.

"Dress Code" foi mais um episódio onde vários aspectos fizeram os fãs da série se revirarem nos túmulos, sim, nós morremos. Hannah esteve de volta, mas com uma inserção mais porca do que nunca. Dexter esqueceu que Hannah tentou matar sua irmã? Sim, esqueceu, por amor. Sim, o amor, sentimento que o bom e velho Dexter nunca teve. Tudo bem, ele (infelizmente) não é o que era antes, mas perdoar um psicopata que tentou matar sua irmã é inadmissível, ainda mais que ela não é de confiança e só voltou para que ele a ajudasse e não porque o amava. Ademais, Dexter esqueceu que ele a colocou atrás das grades.


A dupla está de volta às "1000 maravilhas". Isso nunca poderia acontecer. Até seria um pouco mais plausível se Lumen voltasse, por pior que isso soe, seria menos ruim.

Fico até enojado de comentar sobre a dupla de psicopatas que se formou no episódio passado. Dexter professor, não precisávamos disso. Claro que o aluno faria merda e fez. Agora Dexter terá que matá-lo, mas não conseguirá tão fácil. Mais um que saiu de sua mesa que deveria estar no fundo do oceano.

Quinn, Batista, Jamie, Masuka... Não vamos falar hoje sobre eles, vamos evitar a fadiga.

Pra terminar, infelizmente terei que tocar em um assunto que elogiara em reviews passadas. Vinha dizendo que finalmente a série estava mais atenta aos detalhes e pecava menos na produção e roteiro como em temporadas anteriores. Porém nesse episodio, algumas atrocidades no roteiro foram notadas, trazendo desespero a esse que vos escreve.

Vimos nos primeiros minutos Debra, num diálogo com Dexter:

Dexter:
— Se ela nos envenenou, por que não nos matou?
Debra:
— Quem sabe, Dexter? Talvez consumimos pouco veneno.

Sério? Sério roteirista? Sério Jennifer Yale? Sério que Debra diria uma coisa tão imbecil como essa? Óbvio, extremamente óbvio que Debra nunca pensaria assim, pois caso Hannah quisesse matá-los, não daria a eles uma dose fraca de veneno.

Outro exemplo do roteiro porco foi no diálogo entre D. Volgel - personagem antagonista que veio promissora, mas caiu no desleixo - com Dexter, quando a doutora primeiramente abominava a união de dois psicopatas para depois insistir que Zack é de sua responsabilidade, além de ter motivado essa união. Ah vá...

E a desculpa de Hannah? "Eu disse para a tripulação que Miles foi para Nova York por alguns dias". Que tripulação idiota acreditaria nisso, vindo de uma namorada tida como interesseira? Ah vá...


Dexter é como arbitragem de futebol. Não se pode elogiar antes de terminar o jogo, porque a desconfiança impera durante os 90 minutos, no caso de Dexter, 50 e poucos sofríveis minutos.

Tecnologia do Blogger.