Pular para o conteúdo principal

"Renato Russo Sinfônico": Mais um Insulto à Obra de Renato Russo "Exibido" pelo Multishow


Não teria oportunidade melhor para as letras de Renato Russo serem exaltadas. O país passa por grande onda de manifestações e as letras de Renato sempre são usadas para abrir os olhos de uma nação cansada de ser passada para trás. Coincidentemente, o tributo à Renato Russo caiu bem no meio de uma das maiores crises brasileiras nos últimos anos, servindo de estímulo aos artistas que participaram do evento, pena que muitos decepcionaram.

Fabrício Boliveira, ator do filme "Faroeste Caboclo" - aquele filme que insultou a obra de Renato, foi o mestre de cerimônia do tributo intitulado "Renato Russo Sinfônico". Deu início ao espetáculo e anunciou a Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional e a banda formada Fred Nascimento, (guitarra, violão e backing vocals), Fred Castro (bateria), Flavia Couri (baixo) , Marcela Vale (guitarra) e Luciano Lopes (teclados) abrem com "Fábrica". Uma abertura muito boa, levantando o público presente.

Daí vem Sandra de Sá, uma carioca que nunca teve nada a ver com o cenário de Brasília, nada a ver com nada. Pior do que sua presença, foi sua apresentação. Péssima! Cantando Mais do Mesmo, desafinou em vários momentos, errou a letra e saiu como nunca queria estar alí. Não deveria mesmo estar ali.

Para não ficar repetitivo, digo que praticamente todos os artistas convidados não têm nada a ver com o cenário de Brasília, nada a ver com a Legião, nada a ver com Renato Russo. Seus cachês deveriam estar em "liquidação", motivando suas presenças. 


André Gonzalez, vocalista da desconhecida banda "Móveis Coloniais de Acaju", entra depois, canta "Ainda É Cedo" sem nenhuma emoção. Um cover mal produzido.

O tributo acabou perdendo muito em qualidade, então vem Zélia Duncan para tentar melhorar as coisas. Ela até consegue, mas o canal Multishow entra também para a incompetência e começa a apresentar problemas de transmissão, no meio da apresentação de Duncan, onde levava bem a música "Eu Sei". A emissora vai para o comercial e volta exibindo clipes da Legião Urbana.

"Alô, Brasília, essa revolução nasceu aqui! Essa festa só podia ser aqui!", tinha dito Duncan. Pena que a sucessiva incompetência de várias pessoas arruinaram o início do tributo.

Depois de uns quatro ou cinco clipes, o festival é retomado, com Zizi Possi ao lado de sua filha Luiza Possi cantando Pais e Filhos. Duas ótimas cantoras, sem dúvidas. Cantaram bem uma das principais canções de Renato e fizeram um belo... cover. Os problemas técnicos continuavam, mas a emissora seguia levando como dava. 

Basta de ficar comentando apresentação por apresentação. Reitero que os artistas convidados, em sua esmagadora maioria, não são dignos de cantar as canções de Renato Russo e fizeram apenas um cover, quando não erravam a letra. (Praticamente TODOS erraram). Eles vieram apenas para "encher" o show que tinha o intuito de exibir pela primeira vez no Brasil um espetáculo holográfico, com iluminação que apresentaram imagens em três dimensões. Esse é o ponto principal do evento e era o que todos esperavam. O que veio antes foi apenas para aquecer.


Giuliano Manfredini, filho de Renato Russo, foi um dos idealizadores do projeto e não deveria ter deixado alguns artistas que se apresentaram subir ao palco.

Salvo as apresentações instrumentais. Belíssimas, serviram para o público cantar as músicas de Renato sem ninguém no vocal principal atrapalhando. 

Os problemas técnicos fizeram a gente perder a metade da apresentação de Zélia Duncan e a apresentação de Jorge Du Peixe, onde executou a música Soldados, uma das mais revolucionárias da banda. Uma pena. Mais para frente a emissora voltou a ter problemas, no meio de uma das canções mais aguardadas da noite. Alexandre Carlo cantava, com erros na letra, a canção Faroeste Caboclo e nem chegamos a ver como acabou.

Para piorar ainda mais a situação, perdemos o grande momento do show, que seria a exibição da música "Há Tempos" cantada holograficamente por Renato Russo. Quando a emissora voltou, acompanhamos o finalzinho do show, quando os convidados executaram em conjunto o hino Será, com a presença marcante de Renato Rocha, ex-baixista da Legião. Marcante pela sua presença mas péssimo pela sua iniciativa de tentar cantar Que País é Este. Errou a letra toda. Um vexame, literalmente.

Assim termina o tributo que fez Renato Russo remexer em seu caixão e enojou os fãs da Legião. Os problemas não ficaram só por conta do Multishow, que exibiu após o show ao vivo, um VT da apresentação. Mas o maior problema referiu-se ao espetáculo em si. Convidados pífios que erram a letra da Legião, um absurdo. Praticamente todos erraram, reitero. Tanto é que no fim do espetáculo o público pediu Que País é Este, obrigatória pelo momento que vivemos, e ninguém se habilitou a cantar por não saber a letra. Um absurdo, um absurdo, um absurdo. Daí Renato Rocha assumiu os vocais para completar o vexame, como disse. Se colocasse um fã no palco teria feito muito melhor.


Um tributo dispensável, movido pela ótima ideia de holografia, mas que não chegamos a ver. Os fãs da Legião não precisavam de mais esse insulto.

PS: O Multishow exibiu a reprise do show logo após a apresentação ao vivo. Abaixo você confere a apresentação holográfica de Renato Russo cantando a música Há Tempos e tire suas próprias conclusões.

  

Postagens mais visitadas deste blog

Entendendo Game Of Thrones

Game of Thrones é uma série que acaba se tornando bem difícil de explicar, e isso ocorre justamente por causa da complexidade dos personagens, que são muitos, e pela quantidade de subtramas existentes. Então, meu objetivo com esse texto é fazer com que uma pessoa que nunca viu ou que não tenha entendido muito a premissa da série, entenda de forma clara qual a principal narrativa. Nesse texto não vou entrar em detalhes sobre os personagens e subtramas (senão você ficaria horas aqui lendo), apenas vou tentar mostrar a direção e o que a série propõe.
Como todos sabem, a série Game Of Thrones (produzida pela HBO) é a adaptação dos livros de fantasia épica escritos por George R.R. Martin, que são chamados de As crônicas de gelo e fogo. Já se passaram a 1° e 2° temporada, adaptando o primeiro (A guerra dos tronos) e o segundo (A fúria dos reis) livro, respectivamente. E nesse domingo é a estreia da terceira temporada, que irá adaptar a primeira parte do terceiro livro (A tormenta das espadas…

O Fim da Saga Red John em "The Mentalist"

Por Jaqueline Pigatto
Chegou ao fim uma das maiores sagas dos seriados da atualidade. Patrick Jane finalmente colocou as mãos em Red John, o serial killer que matou sua esposa e filha. A série, que teve início há 6 anos, sempre focou na busca do protagonista por vingança, com Red John sempre alguns passos à frente, criando mais perguntas para as poucas respostas que conseguíamos, praticamente entrando na mente de Jane e roubando uma memória feliz, até conseguindo sua lista de suspeitos, revelada ao final da quinta temporada.
A partir dali sabíamos que o momento tão esperado chegaria. A produção confirmou: vamos descobrir nessa temporada quem é Red John. Os 7 suspeitos da lista eram personagens que frequentemente passavam pela série, em sua maioria policiais ou ligados ao governo. Pessoas de poder e influência. Mas poucos fãs acreditavam que realmente seria um daqueles. Sempre teve a teoria de que o Red John seria o próprio Patrick Jane. O bizarro Brett Partridge era uma das principais…

O Fim de Sons of Anarchy

"Papa's Goods" 7x13 [Series Finale] (Com spoilers)
Quando a morte é a última e única saída.
E Jax encontrou na morte a solução para tudo, mas Sons of Anarchy continuará viva, até em breve criarem um remake, ou até mesmo, continuar com a série, pois margem de sobra deixaram pra isso.
O fim de Sons of Anarchy tratou de mostrar o fim de Jax Teller, aquele se tornou protagonista da série, mas nem sempre foi assim. As primeiras temporadas eram comandadas por Clay, que revesava o papel principal com Jax, mas nem de longe as ações que ambos exerciam eram o mais importante da série.
Sons se destacou pelo conjunto de personagens e por ações em conjunto, alinhado às situações nada pacíficas da família Teller. Portanto, com o fim de Jax Teller, a série termina, mas, diferente da maioria das séries, o enredo sobreviveria "tranquilamente" sem Jax.
Ademais, a saída para "resolver" tudo foi a morte. Jax "morreu", mas foi para o "outro mundo" de a…

Agenda de Séries

Agenda de séries:

Fique por dentro das séries que vão ao ar no dia nos Estados Unidos com essa super agenda.  Dúvidas, críticas elogios... Caso haja algum erro na agenda, mencione-o nos comentários.

Especial: TOP 5 séries que você não deve assistir com a sua mãe

Olá, leitores! Hoje não é um dia qualquer, não é um simples domingo onde você, caro leitor, comerá um pedaço de pizza do sábado à noite no almoço, porque hoje é o dia das mulheres da vida de cada um de vocês, das mulheres que consideram sagradas. Hoje é dia das mães! O Viciado Em Série não poderia deixar de prestar sua homenagem, contudo, decidido a fazer algo diferente do bom e velho “TOP 5/10 Mães de Séries/Filmes”, segue o "TOP 5 Séries Que Você Não Deve Assistir Com a Sua Mãe".
5º Lugar - Game of Thrones

Uma série da HBO para maiores de 18 anos cheia de nudez, cenas de sexo, incesto, orgias, guerras, violência de todos os tipos, entre outras situações embaraçosas. Game of Thrones, definitivamente, não é o tipo de série para você assistir ao lado da sua querida e sagrada mãe, afinal, qual filho não fica constrangido diante uma cena de sexo em um filme aleatório sendo assistido junto dela? Agora imagina uma cena dessas entre dois irmãos... Pois é, MELHOR NÃO! 
4º Lugar – Tr…