Pular para o conteúdo principal

"Renato Russo Sinfônico": Mais um Insulto à Obra de Renato Russo "Exibido" pelo Multishow


Não teria oportunidade melhor para as letras de Renato Russo serem exaltadas. O país passa por grande onda de manifestações e as letras de Renato sempre são usadas para abrir os olhos de uma nação cansada de ser passada para trás. Coincidentemente, o tributo à Renato Russo caiu bem no meio de uma das maiores crises brasileiras nos últimos anos, servindo de estímulo aos artistas que participaram do evento, pena que muitos decepcionaram.

Fabrício Boliveira, ator do filme "Faroeste Caboclo" - aquele filme que insultou a obra de Renato, foi o mestre de cerimônia do tributo intitulado "Renato Russo Sinfônico". Deu início ao espetáculo e anunciou a Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional e a banda formada Fred Nascimento, (guitarra, violão e backing vocals), Fred Castro (bateria), Flavia Couri (baixo) , Marcela Vale (guitarra) e Luciano Lopes (teclados) abrem com "Fábrica". Uma abertura muito boa, levantando o público presente.

Daí vem Sandra de Sá, uma carioca que nunca teve nada a ver com o cenário de Brasília, nada a ver com nada. Pior do que sua presença, foi sua apresentação. Péssima! Cantando Mais do Mesmo, desafinou em vários momentos, errou a letra e saiu como nunca queria estar alí. Não deveria mesmo estar ali.

Para não ficar repetitivo, digo que praticamente todos os artistas convidados não têm nada a ver com o cenário de Brasília, nada a ver com a Legião, nada a ver com Renato Russo. Seus cachês deveriam estar em "liquidação", motivando suas presenças. 


André Gonzalez, vocalista da desconhecida banda "Móveis Coloniais de Acaju", entra depois, canta "Ainda É Cedo" sem nenhuma emoção. Um cover mal produzido.

O tributo acabou perdendo muito em qualidade, então vem Zélia Duncan para tentar melhorar as coisas. Ela até consegue, mas o canal Multishow entra também para a incompetência e começa a apresentar problemas de transmissão, no meio da apresentação de Duncan, onde levava bem a música "Eu Sei". A emissora vai para o comercial e volta exibindo clipes da Legião Urbana.

"Alô, Brasília, essa revolução nasceu aqui! Essa festa só podia ser aqui!", tinha dito Duncan. Pena que a sucessiva incompetência de várias pessoas arruinaram o início do tributo.

Depois de uns quatro ou cinco clipes, o festival é retomado, com Zizi Possi ao lado de sua filha Luiza Possi cantando Pais e Filhos. Duas ótimas cantoras, sem dúvidas. Cantaram bem uma das principais canções de Renato e fizeram um belo... cover. Os problemas técnicos continuavam, mas a emissora seguia levando como dava. 

Basta de ficar comentando apresentação por apresentação. Reitero que os artistas convidados, em sua esmagadora maioria, não são dignos de cantar as canções de Renato Russo e fizeram apenas um cover, quando não erravam a letra. (Praticamente TODOS erraram). Eles vieram apenas para "encher" o show que tinha o intuito de exibir pela primeira vez no Brasil um espetáculo holográfico, com iluminação que apresentaram imagens em três dimensões. Esse é o ponto principal do evento e era o que todos esperavam. O que veio antes foi apenas para aquecer.


Giuliano Manfredini, filho de Renato Russo, foi um dos idealizadores do projeto e não deveria ter deixado alguns artistas que se apresentaram subir ao palco.

Salvo as apresentações instrumentais. Belíssimas, serviram para o público cantar as músicas de Renato sem ninguém no vocal principal atrapalhando. 

Os problemas técnicos fizeram a gente perder a metade da apresentação de Zélia Duncan e a apresentação de Jorge Du Peixe, onde executou a música Soldados, uma das mais revolucionárias da banda. Uma pena. Mais para frente a emissora voltou a ter problemas, no meio de uma das canções mais aguardadas da noite. Alexandre Carlo cantava, com erros na letra, a canção Faroeste Caboclo e nem chegamos a ver como acabou.

Para piorar ainda mais a situação, perdemos o grande momento do show, que seria a exibição da música "Há Tempos" cantada holograficamente por Renato Russo. Quando a emissora voltou, acompanhamos o finalzinho do show, quando os convidados executaram em conjunto o hino Será, com a presença marcante de Renato Rocha, ex-baixista da Legião. Marcante pela sua presença mas péssimo pela sua iniciativa de tentar cantar Que País é Este. Errou a letra toda. Um vexame, literalmente.

Assim termina o tributo que fez Renato Russo remexer em seu caixão e enojou os fãs da Legião. Os problemas não ficaram só por conta do Multishow, que exibiu após o show ao vivo, um VT da apresentação. Mas o maior problema referiu-se ao espetáculo em si. Convidados pífios que erram a letra da Legião, um absurdo. Praticamente todos erraram, reitero. Tanto é que no fim do espetáculo o público pediu Que País é Este, obrigatória pelo momento que vivemos, e ninguém se habilitou a cantar por não saber a letra. Um absurdo, um absurdo, um absurdo. Daí Renato Rocha assumiu os vocais para completar o vexame, como disse. Se colocasse um fã no palco teria feito muito melhor.


Um tributo dispensável, movido pela ótima ideia de holografia, mas que não chegamos a ver. Os fãs da Legião não precisavam de mais esse insulto.

PS: O Multishow exibiu a reprise do show logo após a apresentação ao vivo. Abaixo você confere a apresentação holográfica de Renato Russo cantando a música Há Tempos e tire suas próprias conclusões.

  

Postagens mais visitadas deste blog

Confira as 5 séries mais vistas na Netflix pelo mundo

Nos últimos dez anos, a Netflix transformou a forma como o mundo assiste filmes e programas de TV, fornecendo aos assinantes uma enorme biblioteca de clássicos convencionais  e dezenas de recomendações personalizadas - tudo disponível na ponta dos dedos. Isso é mais do que apenas conveniência,  é a metamorfose da mídia.
Usando os dados do Google Trends, o site highspeedinternet.com classificou os países pelo número de pesquisas relacionadas à Netflix e referenciou as suas classificações com as séries mais procuradas. No mapa acima você confere qual é a TOP de audiência em cada país, e, abaixo você confere quais as 5 séries mais procuradas no serviço de streaming.
TOP 5:

1 - Sherlock
2 - Friends
3 - Narcos
4 - House of Cards
5 - New Girl

Entendendo Game Of Thrones

Game of Thrones é uma série que acaba se tornando bem difícil de explicar, e isso ocorre justamente por causa da complexidade dos personagens, que são muitos, e pela quantidade de subtramas existentes. Então, meu objetivo com esse texto é fazer com que uma pessoa que nunca viu ou que não tenha entendido muito a premissa da série, entenda de forma clara qual a principal narrativa. Nesse texto não vou entrar em detalhes sobre os personagens e subtramas (senão você ficaria horas aqui lendo), apenas vou tentar mostrar a direção e o que a série propõe.
Como todos sabem, a série Game Of Thrones (produzida pela HBO) é a adaptação dos livros de fantasia épica escritos por George R.R. Martin, que são chamados de As crônicas de gelo e fogo. Já se passaram a 1° e 2° temporada, adaptando o primeiro (A guerra dos tronos) e o segundo (A fúria dos reis) livro, respectivamente. E nesse domingo é a estreia da terceira temporada, que irá adaptar a primeira parte do terceiro livro (A tormenta das espadas…

TOP 5 Séries Melhores que Game of Thrones

— Vikings: "Gosto de Game of Thrones porque tem muita luta medieval, sangue..."

As lutas medievais de Vikings são muito mais intensas, extremamente constantes na série. A série também vem de uma adaptação, só que dá história da humanidade, quando exploradores, guerreiros, comerciantes e piratas nórdicos invadiram, exploraram e colonizaram grandes áreas da Europa e das ilhas do Atlântico Norte a partir do final do século VIII. A série também é muito mais viciante, sem a morosidade de diálogos vistos na série da HBO.

— Banshee:  "Gosto de Game of Thrones porque tem muitas cenas de sexo e nudez"

As cenas de sexo de Banshee são extremamente mais explícitas. Nudez é cotidiano na série, inclusive nudez frontal. E a nudez de Banshee não são como em Game of Thrones, que praticamente mostra a nudez de prostitutas, personagens secundários. Em Banshee os atores principais estão nessas cenas. Banshee também ganha no quesito violência, sangue, ação, além de ter roteiro original.

— …

Agenda de Séries

Agenda de séries:

Fique por dentro das séries que vão ao ar no dia nos Estados Unidos com essa super agenda.  Dúvidas, críticas elogios... Caso haja algum erro na agenda, mencione-o nos comentários.

O Fim da Saga Red John em "The Mentalist"

Por Jaqueline Pigatto
Chegou ao fim uma das maiores sagas dos seriados da atualidade. Patrick Jane finalmente colocou as mãos em Red John, o serial killer que matou sua esposa e filha. A série, que teve início há 6 anos, sempre focou na busca do protagonista por vingança, com Red John sempre alguns passos à frente, criando mais perguntas para as poucas respostas que conseguíamos, praticamente entrando na mente de Jane e roubando uma memória feliz, até conseguindo sua lista de suspeitos, revelada ao final da quinta temporada.
A partir dali sabíamos que o momento tão esperado chegaria. A produção confirmou: vamos descobrir nessa temporada quem é Red John. Os 7 suspeitos da lista eram personagens que frequentemente passavam pela série, em sua maioria policiais ou ligados ao governo. Pessoas de poder e influência. Mas poucos fãs acreditavam que realmente seria um daqueles. Sempre teve a teoria de que o Red John seria o próprio Patrick Jane. O bizarro Brett Partridge era uma das principais…