Pular para o conteúdo principal

Primeiras Impressões - The White Queen


O Reino Unido é o lugar mais épico do mundo. Fato!  É quase impossível encontrar algum outro lugar no planeta Terra com uma história tão rica e que foi palco de boa parte dos acontecimentos mais importantes da história mundial. E desde os primórdios suas histórias e sua cultura inspiraram obras literárias, teatrais, cinematográficas e, o que nos importa agora, televisivas. E vamos falar de mais uma representante dessa lista: The White Queen, a nova minissérie da BBC.

Primeiro vamos falar um pouco sobre a minissérie em si: The White Queen é a adaptação da série literária The Cousin's War, da autora britânica Philippa Gregory, considerada uma das maiores romancistas históricas da atualidade, que também já teve adaptado o livro A Irmã de Ana Bolena, primeiro livro de sua série sobre os Tudor, que foi adaptado para o cinema com o filme A Outra, estrelado por Natalie Portman e Scarlett Johansson. Em The Cousin's War, ela retrata de forma romantizada a famosa Guerra das Rosas, conflito do século XV entre os Yorks (representados pela rosa branca) e os Lancasters (representados pela rosa vermelha), dois lados da mesma dinastia que durante 30 anos lutaram pelo trono da Inglaterra.

A história começa em 1464, nono ano da guerra, e é focada em três mulheres que foram peças-chave durante o período: Elizabeth Woodville (The White Queen) viúva camponesa que se casa com Edward IV, da casa dos Yorks, quando este é coroado rei da Inglaterra; Margaret Beaufort (The Red Queen), uma mulher extremamente religiosa da casa dos Lancasters que sonha em tornar seu filho Henry rei; e Anne Neville (The Kingmaker's Daughter) filha de Lord Warwick, que deseja fazer uma aliança com Richard, Duque de York, irmão mais novo do rei, casando-o com sua filha e visando colocá-lo no trono. É nesse cenário tempestuoso que The White Queen dá início.

Margaret, Elizabeth e Anne, respectivamente
Dos 10 episódios encomendados para a minissérie, 2 já foram ao ar, e já podemos afirmar que está aprovadíssima. Dramas históricos são um verdadeiro fetiche para os britânicos, e não há quem os faça melhor que eles, e mais uma vez eles acertaram. Locações belíssimas (interior da Bélgica), roteiro brilhantemente escrito, conseguindo unir realidade e ficção e ainda assim continuar verossímil, como por exemplo a mãe de Elizabeth, Jacquetta Rivers, que usa a magia de seus ancestrais para prever o futuro, e um elenco afiadíssimo, que em apenas 2 episódios já mostraram a que vieram. Destaque para Amanda Hale (Margaret) e Janet McTeer (Jacquetta) que dão uma verdadeira aula de atuação, e Max Irons (Edward IV) que surpreende com seu talento por ser tão jovem e ter em seu currículo alguns filmes, digamos, vergonhosos, como A Garota da Capa Vermelha e A Hospedeira. Vamos torcer para que ele continue fazendo coisa de qualidade, pois talento ele tem.

Minha única ressalva é quanto ao título da minissérie. The White Queen é o título do primeiro livro da série, e retrata o ponto de vista de Elizabeth. Então por que colocaram esse título sendo que ele corresponde a apenas uma parte da história? Como não li a série não posso afirmar o quanto Elizabeth é importante na história durantes os outros livros, mas acho difícil ela continuar sendo o foco da história, ainda mais levando em conta os fatos reais ocorridos. Mas ainda teremos 8 episódios e isso pode muito bem ser esclarecido mais para frente. E mesmo que não seja, não vai atrapalhar a qualidade da série de forma alguma.

A minissérie é a segunda parceria da BBC com o canal a cabo americano Starz, que já haviam trabalhado juntos na produção da 4a temporada de Torchwood, intitulada Miracle Day, que foi sem dúvida a temporada mais bem-sucedida da série, com uma produção de altíssimo nível e que ainda apresentou a série ao público americano. E pelo que parece essa parceria deverá se tornar frequente, agora que perceberam que dá certo. Assim como Torchwood: Miracle Day, The White Queen está sendo exibida simultaneamente no Reino Unido (pela BBC) e nos Estados Unidos (pelo Starz)

Para os que já conferiram, aguardem as reviews dos próximos episódios, e para quem ainda não conferiu, corre e não perca a oportunidade de ver mais uma excelente produção da BBC (que na minha humilde opinião é o melhor canal do mundo, principalmente por terem criado Doctor Who) que é um prato cheio para quem curte dramas históricos (como eu). Para os que ainda não viram confiram o trailer oficial abaixo:


Postagens mais visitadas deste blog

Entendendo Game Of Thrones

Game of Thrones é uma série que acaba se tornando bem difícil de explicar, e isso ocorre justamente por causa da complexidade dos personagens, que são muitos, e pela quantidade de subtramas existentes. Então, meu objetivo com esse texto é fazer com que uma pessoa que nunca viu ou que não tenha entendido muito a premissa da série, entenda de forma clara qual a principal narrativa. Nesse texto não vou entrar em detalhes sobre os personagens e subtramas (senão você ficaria horas aqui lendo), apenas vou tentar mostrar a direção e o que a série propõe.
Como todos sabem, a série Game Of Thrones (produzida pela HBO) é a adaptação dos livros de fantasia épica escritos por George R.R. Martin, que são chamados de As crônicas de gelo e fogo. Já se passaram a 1° e 2° temporada, adaptando o primeiro (A guerra dos tronos) e o segundo (A fúria dos reis) livro, respectivamente. E nesse domingo é a estreia da terceira temporada, que irá adaptar a primeira parte do terceiro livro (A tormenta das espadas…

O Fim da Saga Red John em "The Mentalist"

Por Jaqueline Pigatto
Chegou ao fim uma das maiores sagas dos seriados da atualidade. Patrick Jane finalmente colocou as mãos em Red John, o serial killer que matou sua esposa e filha. A série, que teve início há 6 anos, sempre focou na busca do protagonista por vingança, com Red John sempre alguns passos à frente, criando mais perguntas para as poucas respostas que conseguíamos, praticamente entrando na mente de Jane e roubando uma memória feliz, até conseguindo sua lista de suspeitos, revelada ao final da quinta temporada.
A partir dali sabíamos que o momento tão esperado chegaria. A produção confirmou: vamos descobrir nessa temporada quem é Red John. Os 7 suspeitos da lista eram personagens que frequentemente passavam pela série, em sua maioria policiais ou ligados ao governo. Pessoas de poder e influência. Mas poucos fãs acreditavam que realmente seria um daqueles. Sempre teve a teoria de que o Red John seria o próprio Patrick Jane. O bizarro Brett Partridge era uma das principais…

Agenda de Séries

Agenda de séries:

Fique por dentro das séries que vão ao ar no dia nos Estados Unidos com essa super agenda.  Dúvidas, críticas elogios... Caso haja algum erro na agenda, mencione-o nos comentários.

O Fim de Sons of Anarchy

"Papa's Goods" 7x13 [Series Finale] (Com spoilers)
Quando a morte é a última e única saída.
E Jax encontrou na morte a solução para tudo, mas Sons of Anarchy continuará viva, até em breve criarem um remake, ou até mesmo, continuar com a série, pois margem de sobra deixaram pra isso.
O fim de Sons of Anarchy tratou de mostrar o fim de Jax Teller, aquele se tornou protagonista da série, mas nem sempre foi assim. As primeiras temporadas eram comandadas por Clay, que revesava o papel principal com Jax, mas nem de longe as ações que ambos exerciam eram o mais importante da série.
Sons se destacou pelo conjunto de personagens e por ações em conjunto, alinhado às situações nada pacíficas da família Teller. Portanto, com o fim de Jax Teller, a série termina, mas, diferente da maioria das séries, o enredo sobreviveria "tranquilamente" sem Jax.
Ademais, a saída para "resolver" tudo foi a morte. Jax "morreu", mas foi para o "outro mundo" de a…

TOP 5 Séries Melhores que Game of Thrones

— Vikings: "Gosto de Game of Thrones porque tem muita luta medieval, sangue..."

As lutas medievais de Vikings são muito mais intensas, extremamente constantes na série. A série também vem de uma adaptação, só que dá história da humanidade, quando exploradores, guerreiros, comerciantes e piratas nórdicos invadiram, exploraram e colonizaram grandes áreas da Europa e das ilhas do Atlântico Norte a partir do final do século VIII. A série também é muito mais viciante, sem a morosidade de diálogos vistos na série da HBO.

— Banshee:  "Gosto de Game of Thrones porque tem muitas cenas de sexo e nudez"

As cenas de sexo de Banshee são extremamente mais explícitas. Nudez é cotidiano na série, inclusive nudez frontal. E a nudez de Banshee não são como em Game of Thrones, que praticamente mostra a nudez de prostitutas, personagens secundários. Em Banshee os atores principais estão nessas cenas. Banshee também ganha no quesito violência, sangue, ação, além de ter roteiro original.

— …