Primeiras Impressões - Under the Dome


"As estrelas estão caindo... As estrelas estão caindo em linha"

O primeiro episódio de Under the Dome nos apresenta a trama de Stephen King, o rei do mistério e terror. A série, como todos já sabem, é baseada em seu livro de mesmo nome que foi lançado em 2009 (mas só chegou ano passado no Brasil). Estava receosa de assistir a série, sempre existem mudanças e, devo admitir, eu sou um pouco chata em aceitar certas adaptações.

Vou tentar não comparar a história do livro com a série, às vezes vai ser difícil, mas nessa primeira review vou comparar sim, principalmente os personagens, assim vocês podem ter uma dimensão maior das coisas (na verdade, é porque fica mais fácil escrever comparando os dois). Ah sim, só vou dizer isso sobre a história em geral: tem gente se tornou parente na série que não é no livro, tem gente que mudou de profissão, tem personagens "importantes" que não estão na série, tem gente fazendo o que não faz, tem a rádio que foi transformada em rádio rock (no livro é uma rádio religiosa), tem personagem que não tem no livro, tem gente que morre logo nas primeiras páginas e na série está vivo (pelo menos por enquanto).

Agora vamos aos personagens, não vou falar de todo mundo, apenas dos mais importantes (na verdade, todo mundo tem um papel importante, mas esses são os que participam mais ativamente).

Duke: Sim, eu sei que você fez cara de "POR QUE, MEU DEUS?" quando ele morreu. Foi o que eu senti no livro... Ele era um amor e o único que contestava o Big Jim Rennie, no livro, pelo menos, ele continua sendo um nome recorrente na história, espero que seu legado continue na série também. Confesso que, com tantas mudanças nos personagens, torci pra ele ficar vivo na série. R.I.P. Duke.

Barbie: O nome dele, na verdade, é Dale Barbara (daí o apelido Barbie), e sim, ele é mega importante na história. Arrisco dizer que é um dos personagens principais. A cena dele enterrando o marido da Julia Shumway não existe no livro, pelo menos até onde li, mais ou menos metade, ele não enterra ninguém, ele é um quase típico mocinho, acho que essa jogada da série é pra dar ares e anti-herói que todo mundo adora, então estou muito curiosa pra saber o que levou ele a fazer isso. Na série dá a entender que ele estava de passagem na cidade, mas no livro ele morava em Chester's Mill e trabalhava de chapeiro no restaurante de Rose. Quando a redoma apareceu ele estava indo embora da cidade, por motivos totalmente diferentes. Sim, você irá amar ele. Lembram que ele disse que era oficial do exército? Guardem essa informação.

Julia Shumway: Repórter/editora do jornal local. No livro ela não é casada, seu único companheiro é Horace, seu corgi de estimação. Quero muito saber o porque eles trouxeram esse personagem. Será que vão rolar alguns flashbacks? Como podem notar ela ficou interessada na história do Barbie. Aí surge uma parceria muito empolgante.

Big Jim Rennie: Não sei como irá funcionar isso na série, mas no livro ele é o segundo vereador (a cidade tem 3 e não tem prefeito), mas na verdade é ele quem manda e desmanda por lá. Isso já fica claro logo no começo. Sim você irá odiá-lo.

Junior: Sim, você irá odiá-lo também. Não tenho o que falar dele sem spoilers, mas nesse primeiro episódio já fica claro que ele tem um certo desequilibrio mental.

Joe: Na série ele se torna irmão da Angie, mas no livro eles não são parentes. Ele é um garoto esperto (geek) que, no livro, tem grandes ideias e ajuda Barbie às vezes. Na série ele tem aquela convulsão falando sobre as estrelas, mas no livro quem tem as convulsões são crianças que não existem na série (elas seriam filhas da policial Linda com Rusty, que no livro é paramédico e não bombeiro e ele fica dentro da redoma).

Redoma: No fim das contas ela se torna um personagem. Notei uma diferença entre a redoma da série e do livro, a do livro você consegue conversar com as pessoas que estão do outro lado e micropartículas conseguem atravessar a redoma (notamos isso quando bombeiros jogam água na redoma do lado de fora, e do lado de dentro temos aquele efeito arco-irís, quando partículas de água refletem o sol) e há sinal de celular, embora as linhas fiquem congestionadas no começo.

Agora vamos falar do contexto geral. Eu adorei! Mesmo com todas as mudanças e tudo mais, eu achei que, pelo menos a princípio, estão fazendo um bom trabalho de adaptação, mesmo quem leu o livro quer assistir e descobrir as diferenças da história. Sobre as crianças (que não são tão crianças assim) com convulsões falando coisas sobre estrelas caindo, ainda é um mistério, que no livro foi apresentado depois de um tempo e achei justo colocaram logo no começo da série, desperta o interesse e te faz pensar que a série é sobre mais coisas do que apenas um ataque terrorista. Há outros "episódios" de convulsões e outras coisas são ditas durante eles, na verdade, o lance das estrelas caindo só acontecem depois das primeiras convulsões, mas não vou dizer o que as crianças disseram na primeira vez que isso ocorreu, porque podem dizer isso mais pra frente.

Outra coisa intrigante são os carregamentos de propano. No livro há casos de roubo de propano, não de excesso. Também quero saber o porque Big Jim estava estocando gás antes da redoma. Vindo dele, não é nada bom e eu posso apenas especular a respeito. E também tem as vozes que Dodee captou naquele rádio, como ela conseguiu sinal e o que aquela estática (que podem ser alienígenas ou a Björk) quer dizer?

A série tem tudo pra dar certo e tem muitos mistérios pra explorar. Só sei que, vindo de Stephen King, nenhum final feliz será prometido.


Ps: Eu AMEI a cena da vaca! Sério, foi melhor do que o livro. No livro é uma marmota. Vamos combinar que uma vaca causa muito mais impacto. Só não curti a vaca escorregar pela redoma e não deixar um rastro de sangue.
Tecnologia do Blogger.