Pular para o conteúdo principal

The Voice (US) "The Knockouts - Parte 1" 04x11

Nessa décima primeira noite de espetáculo musical, temos o início da rodada dos Knockouts.

É uma fase “nova” que surgiu na 3ª temporada. Ela é como uma battle, mas cada participante canta sozinho, uma música de sua escolha e só descobre seu concorrente na hora, em que o técnico decide quem vai contra quem.

Essa fase foi criada para cortar os times pela metade. Ela é uma das que eu menos gosto, mas fico curiosa para saber quem será emparelhado com quem por cada técnico e quando eu gosto muito de dois participantes e eles vão juntos para o nocaute, eu me desespero!

Nessa noite, os times que participaram foram o Team Adam e o Team Shakira. E os nocautes começaram pelo time do vocalista do Maroon 5. Os primeiros emparelhados foram Amber Carrington, a menina que virou apenas a cadeira do Adam sendo a última a entrar para seu time, e Midas Whale uma dupla muito diferente que virou as 4 cadeiras. Porém, ir contra pessoas que viraram 4 cadeiras não é um problema para Amber já que derrotou Sasha Allen nas battles.

Amber cantou “I’m with you” da Avril Lavigne e impressionou com sua potência e sua forma de sentir a música, porém eu achei que ela fez uma apresentação comum e que nas blinds auditions e nas battles ela foi bem melhor. Já a dupla Midas Whale cantou “Higher Ground” do Stive Wonder e eles detonaram com uma harmonia muito boa e uma energia contagiante, porém não foi suficiente para vencer a carismática cantora country Amber Carrington que avança para as Apresentações Ao Vivo.

A próxima competição vem do time Shakira e é entre Garrett Gardner e Tawnya Reynolds. Um detalhe que eu reparei é que os dois tocaram violão e se sentiram confortáveis com isso. O garoto Garret que retornou após ter sido rejeitado nas blinds de uma temporada passada, cantou “Too Close” que já tinha sido cantada no programa por Melanie Martinez na 3ª temporada pelo time Adam em uma de suas playoffs. Garrett fez uma apresentação bem explosiva.

Tawnya cantou “Hell on Heels”. Para mim, sua voz é tão gostosa de ouvir, tão única e tão melodiosa que eu achei injusto Garrett ser o vencedor, mesmo que ele tenha uma voz bem poderosa e cheia de rosnado.

Pelo time do Adam, Amy Whitcomb que virou apenas a cadeira do seu técnico é pareada com Caroline Glaser que foi derrotada por Danielle no time Blake e teve Usher e Adam Levine brigando pelo seu roubo. Amy com sua música “House of the Rising Sun” fez uma incrível performance com uma última nota muito alta e poderosa. Durante a música, ela fez Caroline ficar preocupada e pudemos observar isso em sua face, bem como a de Adam Levine passar de pura admiração a preocupação durante suas notas. Caroline cantou “Littles Talks” do Of Monsters and Man e sua voz única é capaz de arrebatar qualquer um que ouça com atenção. Amy durante a música da adversária esteve se divertindo e ao final, antes do veredito do técnico, se abraçaram amistosamente porque eram melhores amigas.

Na hora de dar as opiniões, Blake defendeu a ex-membro de sua equipe, Caroline, enquanto Usher preferiu Amy. Mas a única opinião que contava era a do coach Adam que escolheu Caroline Glaser, o que, na minha opinião, foi a escolha perfeita, visto a mágica qualidade de sua voz e suas notas suaves.

Shakira coloca agora Kris Thomas, que surpreendeu os técnicos com sua voz parecida com a de uma mulher, contra Mary Miranda que cantou em espanhol na blind e na battle. Kris cantou “What a Wonderful World” que foi cantada na 2ª temporada por um fortíssimo candidato, Jesse Campbel, do time Xtina. Cantando pela primeira vez em inglês, Mary escolheu uma música do The Police, “Every Breath You Take”. Apesar da sua super poderosa voz, eu acho que não conseguiria ouvir um álbum inteirinho dela, porque ela usa as mesmas técnicas e variações vocais em todas as músicas e eu achei enjoativo.

Usher ficou impressionadíssimo com a apresentação simples, mas cheia de altas notas de Kris Thomas e disse que discordava de Adam (que preferia Mary) e de Blake (que achou que os dois se igualavam). Shakira, que tinha o poder de decisão, foi pela a opinião do Usher e me deixou bem contente.
Judith Hill, que virou todas as 4 cadeiras e foi a primeira a entrar para o Team Adam, cantou “Always on my mind” e impressionou bastante Blake Shelton apenas na sua primeira frase. Ela cantou muito bem e terminou, surpreendendo-me, com uma nota grave!

Já o seu adversário nos Knockouts, Orlando Dixon, foi derrotado por Ryan Innes, pelo time Usher e ganhou uma chance nova com o steal do Adam. Ele cantou “All my Life” de uma forma diferente e singular, mas que não foi capaz de impressionar-me o bastante.
Entre candidatos a dar um soco na cara do Blake e declarações de amor entre ele e Usher (e ciúmes do Adam), tivemos um vencedor: a incrível Judith Hill.

A penúltima dupla pelo time da Shakira é Karina Iglesias e Monique Abbadie. A primeira fez uma blind audition explosiva e virou, no último segundo as cadeiras de Adam e Blake. Escolheu o rockeiro do Maroon 5 e acabou perdendo para Judith Hill nas batalhas. Já Monique, cantou uma música da própria técnica, Shakira, e virou as 4 cadeiras, e depois de apelos comoventes dos outros 3 técnicos para que ela se juntasse a Shakira (sim, eles pediram que ela fosse para o time da loira), ela escolheu seu grande ídolo, a colombiana Shakira.

Do Lenny Kravitz, “Are you gonna go my way”, foi a música escolhida por Karina Iglesias. Apesar de não ter me entusiasmado por ela nas blinds, me senti bem surpresa com a performance dela que pôs o rock lá em cima e detonou o local. Já Monique fez uma escolha arriscada e cantou Celine Dion: “The power of love” e simplesmente arrebentou! Mesmo com alguns problemas de afinação, que o Adam apontou muito bem, ela foi ótima, porém, para Shakira não o suficiente, pois a vitória foi concedida a Karina.

Adam deixou dois cantores MARAVILHOSOS para se enfrentarem por último e até agora estou tentando entender qual a lógica de colocar esses dois juntos. Warren Stone, um bombeiro, foi a vitória mais saborosa de Adam durante as blinds porque ele conseguiu um artista country do Blake Shelton. Ele escolheu cantar “I Just Died in Your Arms” porque tem muita emoção contida aí, coisa que o Adam disse que ele era capaz de transmitir facilmente ao público. Bem como Sarah Simmons, sua adversária que virou 4 cadeiras. Ela tem uma voz única e poderosa que é capaz de te envolver emocionalmente e para os Knockouts ela escolheu “Wild Horses” da banda querdinha Rolling Stones. Que apesar de ter tido um pequeno problema de afinação (eu percebi isso), fez uma apresentação inacreditável e tocante e por isso, levou a melhor e a vaga no time do Adam.

As duas últimas apresentações da noite são de cantoras poderosas vindas do Team Shakira em um Knockout preocupante. Sasha Allen resolveu cantar “At Last”. Ela, que é mãe de dois filhos, virou 4 cadeiras e escolheu fazer parte do Team Adam. Porém, perdeu a batalha para Amber Carrington. Felizmente, Usher e Shakira viram quão boa cantora ela é e apertaram seus botões querendo roubá-la. Ela preferiu fazer parte do time da latina Shakira (sua filinha gritou “Shakira, Mom”, aposto que isso ajudou!) e por isso teve que enfrentar Shawna P. que virou a cadeira da Shakira e do Adam nas audições às cegas. Ela decidiu cantar “Maybe I’m amazed” porque queria mostrar seu lado mais gospel.

Com um vestido branco provocante, Sasha fez sua técnica aplaudi-la de pé e foi ovacionada pela plateia pela belíssima música e Adam admitiu ser um idiota (e Blake, como sempre, concordou) por ter deixado que ela fosse para outro time. Shawna P. fez uma apresentação sólida, mas dentro do comum. E por ter se arrepiado duas vezes durante a apresentação da ex-integrante da equipe do Adam Levine, a mentora Shakira escolheu Sasha Allen.

Foi uma noite maravilhosa de performances apaixonantes e incríveis. Dois técnicos cumpriram sua missão de selecionar os melhores dos melhores. Após esses knockouts, o time do Adam Levine virou um paraíso para ele: apenas mulheres e belas mulheres. E mais que isso! Cantoras talentosíssimas: Amber Carringnton, Caroline Glaser, Judith Hill e Sarah Simmons. Eu sinceramente acho que ele é um técnico que tem uma ótima visão e fez as quatro melhores escolhas que poderia fazer.

Shakira não ficou atrás, montou um time forte e mandou os meninos sentados ao seu lado tomarem cuidado. Com dois homens e duas garotas, seu time é composto de Garrett Gardner, Kris Thomas, Karina Iglesias e Sasha Allen. Os quatro selecionados são ótimos, mas eu teria escolhido Tawnya e Monique no lugar de Garrett e Karina, mas estou ansiosa para ver o que eles farão nas apresentações ao vivo.

Bom, eu sou Kévilin, nova integrante da equipe do blog, e estarei aqui postando sobre o The Voice que é um dos meus programas musicais preferidos! Eu adorei o Time do Adam ao fim desse episódio e fiquei meio em dúvida quanto ao da Shakira, mas e vocês o que acharam desses knockouts?

Para quem estão torcendo? Qual seu time preferido? Contem-me!

Postagens mais visitadas deste blog

Entendendo Game Of Thrones

Game of Thrones é uma série que acaba se tornando bem difícil de explicar, e isso ocorre justamente por causa da complexidade dos personagens, que são muitos, e pela quantidade de subtramas existentes. Então, meu objetivo com esse texto é fazer com que uma pessoa que nunca viu ou que não tenha entendido muito a premissa da série, entenda de forma clara qual a principal narrativa. Nesse texto não vou entrar em detalhes sobre os personagens e subtramas (senão você ficaria horas aqui lendo), apenas vou tentar mostrar a direção e o que a série propõe.
Como todos sabem, a série Game Of Thrones (produzida pela HBO) é a adaptação dos livros de fantasia épica escritos por George R.R. Martin, que são chamados de As crônicas de gelo e fogo. Já se passaram a 1° e 2° temporada, adaptando o primeiro (A guerra dos tronos) e o segundo (A fúria dos reis) livro, respectivamente. E nesse domingo é a estreia da terceira temporada, que irá adaptar a primeira parte do terceiro livro (A tormenta das espadas…

O Fim de Sons of Anarchy

"Papa's Goods" 7x13 [Series Finale] (Com spoilers)
Quando a morte é a última e única saída.
E Jax encontrou na morte a solução para tudo, mas Sons of Anarchy continuará viva, até em breve criarem um remake, ou até mesmo, continuar com a série, pois margem de sobra deixaram pra isso.
O fim de Sons of Anarchy tratou de mostrar o fim de Jax Teller, aquele se tornou protagonista da série, mas nem sempre foi assim. As primeiras temporadas eram comandadas por Clay, que revesava o papel principal com Jax, mas nem de longe as ações que ambos exerciam eram o mais importante da série.
Sons se destacou pelo conjunto de personagens e por ações em conjunto, alinhado às situações nada pacíficas da família Teller. Portanto, com o fim de Jax Teller, a série termina, mas, diferente da maioria das séries, o enredo sobreviveria "tranquilamente" sem Jax.
Ademais, a saída para "resolver" tudo foi a morte. Jax "morreu", mas foi para o "outro mundo" de a…

Agenda de Séries

Agenda de séries:

Fique por dentro das séries que vão ao ar no dia nos Estados Unidos com essa super agenda.  Dúvidas, críticas elogios... Caso haja algum erro na agenda, mencione-o nos comentários.

O Fim da Saga Red John em "The Mentalist"

Por Jaqueline Pigatto
Chegou ao fim uma das maiores sagas dos seriados da atualidade. Patrick Jane finalmente colocou as mãos em Red John, o serial killer que matou sua esposa e filha. A série, que teve início há 6 anos, sempre focou na busca do protagonista por vingança, com Red John sempre alguns passos à frente, criando mais perguntas para as poucas respostas que conseguíamos, praticamente entrando na mente de Jane e roubando uma memória feliz, até conseguindo sua lista de suspeitos, revelada ao final da quinta temporada.
A partir dali sabíamos que o momento tão esperado chegaria. A produção confirmou: vamos descobrir nessa temporada quem é Red John. Os 7 suspeitos da lista eram personagens que frequentemente passavam pela série, em sua maioria policiais ou ligados ao governo. Pessoas de poder e influência. Mas poucos fãs acreditavam que realmente seria um daqueles. Sempre teve a teoria de que o Red John seria o próprio Patrick Jane. O bizarro Brett Partridge era uma das principais…

Especial: TOP 5 séries que você não deve assistir com a sua mãe

Olá, leitores! Hoje não é um dia qualquer, não é um simples domingo onde você, caro leitor, comerá um pedaço de pizza do sábado à noite no almoço, porque hoje é o dia das mulheres da vida de cada um de vocês, das mulheres que consideram sagradas. Hoje é dia das mães! O Viciado Em Série não poderia deixar de prestar sua homenagem, contudo, decidido a fazer algo diferente do bom e velho “TOP 5/10 Mães de Séries/Filmes”, segue o "TOP 5 Séries Que Você Não Deve Assistir Com a Sua Mãe".
5º Lugar - Game of Thrones

Uma série da HBO para maiores de 18 anos cheia de nudez, cenas de sexo, incesto, orgias, guerras, violência de todos os tipos, entre outras situações embaraçosas. Game of Thrones, definitivamente, não é o tipo de série para você assistir ao lado da sua querida e sagrada mãe, afinal, qual filho não fica constrangido diante uma cena de sexo em um filme aleatório sendo assistido junto dela? Agora imagina uma cena dessas entre dois irmãos... Pois é, MELHOR NÃO! 
4º Lugar – Tr…