Pular para o conteúdo principal

Doctor Who: "The Rings of Akhaten" 7x07


E aí Viciados! Tudo tranquilo? Prontos para mais uma review do nosso Time Lord preferido? Então vamos logo porque temos muito o que comentar sobre esse episódio que foi um colírio para os olhos nerds. Então, sem mais delongas, vamos falar sobre "The Rings of Akhaten".

Uma grande característica de Doctor Who é a variedade de temas que a série consegue abordar. Por ser sobre viagem no tempo e espaço, podemos ver literalmente de tudo, ou como o próprio Doctor gosta de dizer: "All of time and space, everything that ever happened or ever wil...". Dessa forma, os episódios podem abordar temas totalmente variados. Mas de uma coisa eu tenho certeza: os episódios preferidos da grande maioria (e meus também) são os que se passam em planetas aliens distantes. Todo bom nerd vibra com essa ideia de vastidão, de poder alcançar o infinito, ver lugares e coisas inimagináveis, e esse episódio foi um prato cheio, com um planeta simplesmente exuberante, aliens de todas as raças para todos os lados... Enfim, o tipo de aventura que Doctor Who sempre nos proporciona de tempos em tempos.


Nesse episódio, Clara está ansiosíssima para ver as maravilhas de se viajar a bordo da TARDIS, a nave mais sexy do Universo (literalmente), então o Doctor resolve levá-la aos Anéis de Akhaten, uma enorme estrela onde orbitam sete planetas e rodeada por grandes anéis de asteroides habitados, e em um desses asteroides está acontecendo o Festival de Ofertas, uma grande feira em que se usa o método de psicometria, ou seja, os produtos comercializados devem ser pagos com algo de valor sentimental para o comprador. Com isso, aliens de todo o sistema se encontram lá para fazer suas ofertas, e nessa confusão, Clara conhece Merry Gejelh, a mais nova Rainha dos Anos, que se prepara para a cerimônia em que ela deve cantar a Longa Canção para o velho deus Akhaten. Mas durante a cerimônia Merry é arrastada pela força da estrela e o Doctor e Clara descobrem que ela na verdade é um sacrifício para Akhaten, que se alimenta das histórias de quem se sacrifica, suas memórias vividas. Se não se alimentar, ele irá se expandir e engolir todos os planetas do sistema e depois de todo o universo.


Falem a verdade: todos estavam ansiosos por um episódio assim! Eu sei que eu estava. Uma trama super sci-fi ambientada em um planeta fantástico e com um vilão monstruoso e colossal com poder de destruir todo o universo. É de fazer qualquer nerd derramar lágrimas de emoção. A produção foi impecável: figurino de primeira e super de acordo com o contexto da história, maquiagem deslumbrante (os aliens estavam dignos de franquias como Star Wars e Star Trek), e a trilha sonora épica como sempre, evidenciada pela Longa Canção cantada por Merry, que confesso me deu arrepios, ainda mais por ter sido tão divinamente cantada por ela. Mas, sem dúvida, o mais impressionante nesse episódio foram os efeitos visuais espetaculares! Foi-se o tempo em que Doctor Who era uma série de nível B com efeitos baratos. A beleza da estrela, a vastidão e nitidez dos anéis em volta, foi simplesmente belíssimo. Tudo a nível de cinema. Todos os episódios dessa temporada podem ser vistos na tela grande, tamanho o espetáculo.


As atuações também foram dignas de nota. Emilia Jones fez uma excelente Rainha-Mirim, ela conseguiu transmitir todo o peso da responsabilidade de salvar seu povo do deus parasita, além de ser uma cantora e tanto, a performance dela da Longa Canção foi emocionante. Mas o show mesmo foi da nossa dupla dinâmica. Matt Smith entregou uma performance estupenda mais uma vez, no diálogo final com Akhaten, digno de aplausos. Seu 11th Doctor pode não ser considerado o melhor Doctor, mas ele sem dúvida é um dos melhores atores na história da série, tanto que foi o primeiro intérprete do Doctor a ser indicado ao BAFTA, o Oscar britânico. Agora que ele está despontando em Hollywood, sem dúvida irá consolidar uma carreira brilhante. E Jenna-Louise Coleman, que estava um tanto contida em The Bells of Saint John, nesse episódio pode mostrar mais a que veio, cada vez mais firmando a personalidade de Clara, trazendo até um bordão para a personagem: "Oh, my stars!" que era sempre dito por sua mãe (impossível não lembrar da Samantha de A Feiticeira). Foi possível ver toda sua vulnerabilidade por ter perdido a mãe, sua insegurança com relação a deixar as lembranças irem, principalmente no final, em que ela abre mão da folha responsável pela união dos seus pais para salvar o Doctor e todo o universo , pois segundo ela, aquela era "a folha mais importante da humanidade, cheia de contos e história, e cheia de um futuro que nunca foi vivido. Dias que deveriam existir e não existiram. Feita não apenas de passado, mas de todo um futuro que nunca aconteceu. Bilhões de dias não vividos por cada um vivido. Uma infinidade, todos os dias que não existiram." Menção especial ao roteirista Neil Cross, por ter criado diálogos tão perfeitos, que fizeram dessa cena tão linda de se ver.


Agora vamos aos easter-eggs: como eu disse na última review, a lembrança dos Pond ainda vai nos rodear por um bom tempo, como o fato do Doctor ter oficializado o uso dos óculos de Amy, levando-os para todo lugar. Além também da menção indireta do próprio Doctor à eles e todos os outros que ele já perdeu, quando ele dialoga com Akhaten e fala sobre ter sofrido perdas que ele nunca entenderia. Claro que ele falava de todos em geral, mas a ferida da perda dos Pond é a mais recente, e com certeza ainda não se fechou por completo. Outro easter-egg foi a menção de Susan, a neta do Doctor e também primeira companion da história da série, quando o Doctor conta à Clara que já esteve em Akhaten acompanhado de sua neta. Será que isso é uma indicação de que ela poderá aparecer futuramente?  A atriz Carole Ann Ford não demonstrou muito interesse em voltar, devido à problemas com a equipe de produção da época, mas isso não impede o retorno da personagem, pois ela também é uma Time Lady, e pode muito bem se regenerar. Não vamos criar conclusões precipitadas, só nos resta esperar para ver se vai mesmo acontecer ou se a menção à ela foi apenas mais uma homenagem à série clássica.

Agora é contar os dias para o próximo episódio que promete ser um dos mais épicos desse restante de temporada, pois haverá o tão esperado retorno dos Ice Warriors, um dos vilões mais marcantes da série clássica, e que pela imagens estão hiper fiéis à versão original. Fiquem com a promo do episódio e até a próxima. GERONIMOOO!!!





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Agenda de Séries

Agenda de séries:

Fique por dentro das séries que vão ao ar no dia nos Estados Unidos com essa super agenda.  Dúvidas, críticas elogios... Caso haja algum erro na agenda, mencione-o nos comentários.

O Fim da Saga Red John em "The Mentalist"

Por Jaqueline Pigatto
Chegou ao fim uma das maiores sagas dos seriados da atualidade. Patrick Jane finalmente colocou as mãos em Red John, o serial killer que matou sua esposa e filha. A série, que teve início há 6 anos, sempre focou na busca do protagonista por vingança, com Red John sempre alguns passos à frente, criando mais perguntas para as poucas respostas que conseguíamos, praticamente entrando na mente de Jane e roubando uma memória feliz, até conseguindo sua lista de suspeitos, revelada ao final da quinta temporada.
A partir dali sabíamos que o momento tão esperado chegaria. A produção confirmou: vamos descobrir nessa temporada quem é Red John. Os 7 suspeitos da lista eram personagens que frequentemente passavam pela série, em sua maioria policiais ou ligados ao governo. Pessoas de poder e influência. Mas poucos fãs acreditavam que realmente seria um daqueles. Sempre teve a teoria de que o Red John seria o próprio Patrick Jane. O bizarro Brett Partridge era uma das principais…

Entendendo Game Of Thrones

Game of Thrones é uma série que acaba se tornando bem difícil de explicar, e isso ocorre justamente por causa da complexidade dos personagens, que são muitos, e pela quantidade de subtramas existentes. Então, meu objetivo com esse texto é fazer com que uma pessoa que nunca viu ou que não tenha entendido muito a premissa da série, entenda de forma clara qual a principal narrativa. Nesse texto não vou entrar em detalhes sobre os personagens e subtramas (senão você ficaria horas aqui lendo), apenas vou tentar mostrar a direção e o que a série propõe.
Como todos sabem, a série Game Of Thrones (produzida pela HBO) é a adaptação dos livros de fantasia épica escritos por George R.R. Martin, que são chamados de As crônicas de gelo e fogo. Já se passaram a 1° e 2° temporada, adaptando o primeiro (A guerra dos tronos) e o segundo (A fúria dos reis) livro, respectivamente. E nesse domingo é a estreia da terceira temporada, que irá adaptar a primeira parte do terceiro livro (A tormenta das espadas…

Especial: TOP 5 séries que você não deve assistir com a sua mãe

Olá, leitores! Hoje não é um dia qualquer, não é um simples domingo onde você, caro leitor, comerá um pedaço de pizza do sábado à noite no almoço, porque hoje é o dia das mulheres da vida de cada um de vocês, das mulheres que consideram sagradas. Hoje é dia das mães! O Viciado Em Série não poderia deixar de prestar sua homenagem, contudo, decidido a fazer algo diferente do bom e velho “TOP 5/10 Mães de Séries/Filmes”, segue o "TOP 5 Séries Que Você Não Deve Assistir Com a Sua Mãe".
5º Lugar - Game of Thrones

Uma série da HBO para maiores de 18 anos cheia de nudez, cenas de sexo, incesto, orgias, guerras, violência de todos os tipos, entre outras situações embaraçosas. Game of Thrones, definitivamente, não é o tipo de série para você assistir ao lado da sua querida e sagrada mãe, afinal, qual filho não fica constrangido diante uma cena de sexo em um filme aleatório sendo assistido junto dela? Agora imagina uma cena dessas entre dois irmãos... Pois é, MELHOR NÃO! 
4º Lugar – Tr…

A Fantástica Última Temporada de The Killing

(Com spoilers)

Uma aula de como encerrar uma série.
The Killing recusava a nos deixar. Sofreu dois cancelamentos e foi resgatada duas vezes. Lutou contra os números de audiência, única coisa que interessava para o AMC, e conseguiu sobrevida graças à sua qualidade, prontamente reconhecida pelo Netflix. Ajudou na produção da terceira temporada e bancou sozinha a sua quarta, pois, felizmente, acreditou na série e não nos deixou órfãos, depois daquele excepcional cliffhanger.
Terminamos a terceira temporada presenciando Linden matar cruelmente (e merecidamente) Skinner, aos gritos de "NÃO" de Holder. Tempos depois fomos noticiados que não veríamos mais nada além daquilo, pois o AMC decidiu cancelar a série, fato que trouxe muita tristeza para o seu telespectador. É uma crueldade que fazem com o telespectador, mas é, infelizmente, uma prática comum na TV, pois não respeitam nada além de lucro, e deixam de contar uma história sem mais nem menos, se lixando para seus clientes. 
E a …