Pular para o conteúdo principal

The Following - 01x02: Chapter Two


Um episódio dedicado a Denise

Sabe aquelas séries que possuem o dom de serem boas, seja pela sua produção, sua equipe, seu roteiro, pois é, The Following é aquela série de TV aberta que consegue ter uma produção excelente, um roteiro magnífico  e uma direção interessante. Certo, ainda estamos no segundo episodio, mas isso não interfere diretamente na qualidade em que a série vem possuindo, atributos que merecem e devem ser elogiados, afinal, pode ter saído da mente de Kevin Williamson, mas a equipe não é formada por apenas ele.

No segundo episódio, The Following, vem com a mesma proposta inicial, mas tirando um pouco o foco de Joe e passando a se concentrar nos seus seguidores e o verdadeiro motivo deles estarem o venerando. E uma explicação lógica surgiu a partir daí. Joe recolhe pessoas fracas, com problemas, machucadas ou feridas pela situação em que se encontram e as tratam como se elas fossem especiais. Pode ser meio estranho, contudo para alguém solitário, esta, talvez, seja a coisa mais amorosa.

A série revelou um pouco sobre a vida de Denise, ou melhor, de Emma, uma menina que tinha que se contentar com a sua própria mãe a depreciando, até que aparece o homem que a trata diferente e ainda a apresenta a um sonho, que para Emma eram inalcançáveis. A atitude da garota parte então, de uma provável infância e adolescência tentando se sentir alguém melhor, encontra nas obras de Joe e no próprio autor, um motivo para, como ele mesmo diz viver. Era por então, de se imaginar que a menina se encantasse com o escritor.

E a série continua ganhando pontos na formação da mente dos seus personagens, que são bastante complexos, e não é apenas Joe ou Ryder. O próprio grupo da seita possuem mentes um tanto confusa, embora o flashback de Emma tenha sido o primeiro, é de se esperar que com o tempo venha ocorrendo vários outros. E talvez seja muito importante, porque neste episódio, mesmo após ter matado a própria mãe, Emma conseguiu causar, pelo menos, uma  pequena comoção.

E apostar em vilões já uma característica de Kevin Williamson, que sempre os trás de forma carismática, não como alguém comum, mas alguém que desenvolve uma personalidade muito mais humana, do em várias outras séries, Joe e Emma foram a representação desse modelo. O próprio Jordy, em sua total falta de experiência e normalidade, consegue passar muito mais pena, do que o próprio sentimento de ódio.

Outra coisa interessante é observar que Joe é totalmente destemido e frio, isso transparece em sua expressão, mesmo até quando Carrie revela que o “trocou” por outro homem, pior, quando agarra a ex-mulher que ele dizia amar pelo pescoço em uma mera tentativa de matá-la. Além disso, Carrol está realmente tentando contar a história de Ryder, programando uma sequencia, até chegar no clímax que foi o sequestro, ou quase, de Carrie.

Está mais que óbvio que Ryder se preocupa com a ex-mulher de Joe, e com qualquer vitima que tenha passado pelas mãos de Joe. E é por isso que Carrol brinca com o ex-agente,  porque sabe que em sua mente, querendo ou não, Ryder sempre tentará ser o herói da história. O importante, é que Ryder realmente traz um lado heroico, ao mesmo tempo que traz um outro que se esconde atrás das frustrações e das bebidas.

Partindo para revelações, algo muito estranho ocorreu quando eu vi a cabeça se movendo, algo parecido com um grito, mas não foi um, foi um ruído de susto que surtiu da minha garganta. E como não? Se o suspense continua perfeitamente aliado com o lado policial do episódio, o que é importante, The Following não apenas deixar você preso na tela, como causa apreensão pelo destino dos seus personagens.

A outra revelação foi da agente que, até então, mostrou-se traidora. Como não foi algo explanado, é bem prematuro dizer que ela fez parte da seita, ou apenas tenta ganhar a confiança de Joe, se for a segunda opção, eu acredito na impossibilidade da missão, porque o Joe conhece muito bem a mente humana.

Por fim, Billy, que mesmo depois de termos descoberto que não era gay, continua tendo uma atitude um tanto duvidosa neste quesito, já que o seu ciúmes vive aflorando por causa da pobre Denise. O que se torna um problema, um covil de psicopatas, um sentindo algo ruim sobre o outro, não pode vim coisa boa daí.

The Following fez dois episódios excelentes, embora o ritmo do segundo tenha sido mais calmo do que o primeiro, isso não interfere, de forma alguma, no desenvolvimento da série que continua sendo bastante surpreendente, The Following faz muito bem o que propôs e ainda um pouco mais, não é a toa então, que tenha sido a série mais aguardada da Mid Season.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Agenda de Séries

Agenda de séries:

Fique por dentro das séries que vão ao ar no dia nos Estados Unidos com essa super agenda.  Dúvidas, críticas elogios... Caso haja algum erro na agenda, mencione-o nos comentários.

O Fim da Saga Red John em "The Mentalist"

Por Jaqueline Pigatto
Chegou ao fim uma das maiores sagas dos seriados da atualidade. Patrick Jane finalmente colocou as mãos em Red John, o serial killer que matou sua esposa e filha. A série, que teve início há 6 anos, sempre focou na busca do protagonista por vingança, com Red John sempre alguns passos à frente, criando mais perguntas para as poucas respostas que conseguíamos, praticamente entrando na mente de Jane e roubando uma memória feliz, até conseguindo sua lista de suspeitos, revelada ao final da quinta temporada.
A partir dali sabíamos que o momento tão esperado chegaria. A produção confirmou: vamos descobrir nessa temporada quem é Red John. Os 7 suspeitos da lista eram personagens que frequentemente passavam pela série, em sua maioria policiais ou ligados ao governo. Pessoas de poder e influência. Mas poucos fãs acreditavam que realmente seria um daqueles. Sempre teve a teoria de que o Red John seria o próprio Patrick Jane. O bizarro Brett Partridge era uma das principais…

Entendendo Game Of Thrones

Game of Thrones é uma série que acaba se tornando bem difícil de explicar, e isso ocorre justamente por causa da complexidade dos personagens, que são muitos, e pela quantidade de subtramas existentes. Então, meu objetivo com esse texto é fazer com que uma pessoa que nunca viu ou que não tenha entendido muito a premissa da série, entenda de forma clara qual a principal narrativa. Nesse texto não vou entrar em detalhes sobre os personagens e subtramas (senão você ficaria horas aqui lendo), apenas vou tentar mostrar a direção e o que a série propõe.
Como todos sabem, a série Game Of Thrones (produzida pela HBO) é a adaptação dos livros de fantasia épica escritos por George R.R. Martin, que são chamados de As crônicas de gelo e fogo. Já se passaram a 1° e 2° temporada, adaptando o primeiro (A guerra dos tronos) e o segundo (A fúria dos reis) livro, respectivamente. E nesse domingo é a estreia da terceira temporada, que irá adaptar a primeira parte do terceiro livro (A tormenta das espadas…

Especial: TOP 5 séries que você não deve assistir com a sua mãe

Olá, leitores! Hoje não é um dia qualquer, não é um simples domingo onde você, caro leitor, comerá um pedaço de pizza do sábado à noite no almoço, porque hoje é o dia das mulheres da vida de cada um de vocês, das mulheres que consideram sagradas. Hoje é dia das mães! O Viciado Em Série não poderia deixar de prestar sua homenagem, contudo, decidido a fazer algo diferente do bom e velho “TOP 5/10 Mães de Séries/Filmes”, segue o "TOP 5 Séries Que Você Não Deve Assistir Com a Sua Mãe".
5º Lugar - Game of Thrones

Uma série da HBO para maiores de 18 anos cheia de nudez, cenas de sexo, incesto, orgias, guerras, violência de todos os tipos, entre outras situações embaraçosas. Game of Thrones, definitivamente, não é o tipo de série para você assistir ao lado da sua querida e sagrada mãe, afinal, qual filho não fica constrangido diante uma cena de sexo em um filme aleatório sendo assistido junto dela? Agora imagina uma cena dessas entre dois irmãos... Pois é, MELHOR NÃO! 
4º Lugar – Tr…

A Fantástica Última Temporada de The Killing

(Com spoilers)

Uma aula de como encerrar uma série.
The Killing recusava a nos deixar. Sofreu dois cancelamentos e foi resgatada duas vezes. Lutou contra os números de audiência, única coisa que interessava para o AMC, e conseguiu sobrevida graças à sua qualidade, prontamente reconhecida pelo Netflix. Ajudou na produção da terceira temporada e bancou sozinha a sua quarta, pois, felizmente, acreditou na série e não nos deixou órfãos, depois daquele excepcional cliffhanger.
Terminamos a terceira temporada presenciando Linden matar cruelmente (e merecidamente) Skinner, aos gritos de "NÃO" de Holder. Tempos depois fomos noticiados que não veríamos mais nada além daquilo, pois o AMC decidiu cancelar a série, fato que trouxe muita tristeza para o seu telespectador. É uma crueldade que fazem com o telespectador, mas é, infelizmente, uma prática comum na TV, pois não respeitam nada além de lucro, e deixam de contar uma história sem mais nem menos, se lixando para seus clientes. 
E a …