Pular para o conteúdo principal

Dallas: "Battle Lines" 2x01 [Season Première]


A família mais gananciosa e turbulenta da TV está de volta, e não poderia ter retornado de forma mais triunfal.

Dallas sempre foi uma série sinônimo de sucesso, prova disso é a longevidade da série original, que teve início no final da década de 70 e terminou no início da década de 90, com um total de 14 temporadas. As intrigas familiares, os jogos de poder, as paixões avassaladoras... Sempre deixavam os fãs com os olhos vidrados na TV quando estava no ar. A notícia de que a TNT iria fazer um revival da série trouxe muita felicidade aos fãs, que teriam a oportunidade de ver a nova geração dos Ewing. A primeira temporada fez um sucesso tremendo com o público e a crítica, sendo a série de TV por assinatura com maior audiência em 2012 nos EUA e com renovação garantida. E agora damos início à segunda temporada, que já começou prometendo ser épica.

O episódio começou mostrando a nova fase da Ewing Oil, que agora atende por Ewing Energies, com John Ross e Christopher à frente da empresa. Christopher está tentando investir ao máximo no metano que vem se mostrando uma grande promessa, já John Ross continua botando toda sua fé no petróleo, que é um mercado estável e com o qual já está familiarizado. Os dois continuam no costumeiro pé de guerra, sempre discordando um do outro. A grande novidade é que dessa vez John Ross está mais ganancioso e inescrupuloso que nunca, disposto a tudo para conseguir o poder completo sobre a Ewing Energies, até mesmo fazendo um acordo com Rebecca, que agora sabemos que é na verdade Pamela Rebecca Barnes, filha de Cliff, o arqui-inimigo dos Ewing. Nem mesmo J.R. na sua pior fase foi capaz de se aliar aos Barmes para conseguir o que queria, por aí já podemos ver que de John Ross podemos esperar qualquer coisa. A descoberta sobre Pamela Rebecca foi o grande momento do episódio, que com certeza fez os fãs mais velhos de Dallas vibrarem de entusiasmo. Logo veremos mais e mais personagens famosos retornando à nova série, talvez até mesmo a primeira Pamela Barnes, que é até hoje uma das mais queridas pelos fãs.

As coisas não estão menos turbulenta para os Ewing mais velhos. Annie descobriu que Emma, sua filha perdida desde criança, está viva, mas para vê-la teve seguir as chantagens de seu ex-marido Harris, que só deixaria ela ir ver a filha se entregasse a ele a fita que prova seu esquema de lavagem de dinheiro, que estava sob posse de Sue Ellen, que a usava como proteção contra Harris para que ele não revelasse sobre a chantagem que ela fez a um médico legista para forjar os resultados de exame que incriminavam John Ross. Complicado não? Mas com essa família sempre é assim, sujeira atrás de sujeira, e agora as coisas só tem a piorar, pois o tal médico legista resolveu revelar ao mundo sobre a chantagem de Sue Ellen, o que coloca em risco sua candidatura a governadora do Texas, e a filha perdida de Annie, Emma, não está nem um pouco feliz com o surgimento de sua mãe biológica, a rejeitando por completo, deixando Annie totalmente abalada. Como não ser viciado em uma série que nunca deixa o espectador descansar? Simplesmente impossível.

Essa temporada sem dúvida começou com o pé direito, nos entregando um roteiro excelente e atuações de tirar o chapéu (no caso, chapéu de cowboy). É claro que o estilo novela continua, e sempre vai continuar pois é o padrão da série, e pode incomodar o público mais seleto que queira começar a ver agora e esteja meio receoso por causa disso, mas eu garanto que isso é apenas um detalhe. Todos os clichês não se comparam à grandiosidade dessa série que é um verdadeiro marco. Se você é desses que tem desânimo de ver pelos motivos que eu citei, esqueça tudo isso e trate de assistir logo, pois você está perdendo este que é, sem dúvida alguma, o grande drama familiar da TV mundial.


E é claro, não poderia terminar essa review sem antes fazer uma homenagem ao grande, supremo, magnífico Larry Hagman, nosso eterno J.R. Ewing, o grande responsável pelo tremendo sucesso de Dallas. O que seria dessa série sem este que é um dos vilões mais queridos da história? Um homem ganancioso, sagaz, vingativo, desleal, mas que era capaz de conquistar qualquer um com o seu charme inigualável? E que não poderia ter sido melhor interpretado pelo nosso querido Larry. Foi um verdadeiro baque a notícia de sua morte, ainda mais agora com o retorno triunfal da série e do personagem, que nos prometia ainda grandes momentos. Muitos questionaram o que seria da série sem ele, mas eu tenho certeza de que ainda será um sucesso, prova disso é a série original, que eventualmente perdia algum ator e sempre criavam uma solução genial para a saída do personagem. Claro que nenhum tão importante quanto J.R., mas são roteiristas extremamente talentosos, e sem dúvida será uma despedida épica. Nos resta aproveitar os seus últimos momentos e prestar as devidas homenagens a esse grande ícone da TV. Meus parabéns Larry Hagman, ou melhor, John Ross Ewing Jr.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Agenda de Séries

Agenda de séries:

Fique por dentro das séries que vão ao ar no dia nos Estados Unidos com essa super agenda.  Dúvidas, críticas elogios... Caso haja algum erro na agenda, mencione-o nos comentários.

Entendendo Game Of Thrones

Game of Thrones é uma série que acaba se tornando bem difícil de explicar, e isso ocorre justamente por causa da complexidade dos personagens, que são muitos, e pela quantidade de subtramas existentes. Então, meu objetivo com esse texto é fazer com que uma pessoa que nunca viu ou que não tenha entendido muito a premissa da série, entenda de forma clara qual a principal narrativa. Nesse texto não vou entrar em detalhes sobre os personagens e subtramas (senão você ficaria horas aqui lendo), apenas vou tentar mostrar a direção e o que a série propõe.
Como todos sabem, a série Game Of Thrones (produzida pela HBO) é a adaptação dos livros de fantasia épica escritos por George R.R. Martin, que são chamados de As crônicas de gelo e fogo. Já se passaram a 1° e 2° temporada, adaptando o primeiro (A guerra dos tronos) e o segundo (A fúria dos reis) livro, respectivamente. E nesse domingo é a estreia da terceira temporada, que irá adaptar a primeira parte do terceiro livro (A tormenta das espadas…

Especial: TOP 5 séries que você não deve assistir com a sua mãe

Olá, leitores! Hoje não é um dia qualquer, não é um simples domingo onde você, caro leitor, comerá um pedaço de pizza do sábado à noite no almoço, porque hoje é o dia das mulheres da vida de cada um de vocês, das mulheres que consideram sagradas. Hoje é dia das mães! O Viciado Em Série não poderia deixar de prestar sua homenagem, contudo, decidido a fazer algo diferente do bom e velho “TOP 5/10 Mães de Séries/Filmes”, segue o "TOP 5 Séries Que Você Não Deve Assistir Com a Sua Mãe".
5º Lugar - Game of Thrones

Uma série da HBO para maiores de 18 anos cheia de nudez, cenas de sexo, incesto, orgias, guerras, violência de todos os tipos, entre outras situações embaraçosas. Game of Thrones, definitivamente, não é o tipo de série para você assistir ao lado da sua querida e sagrada mãe, afinal, qual filho não fica constrangido diante uma cena de sexo em um filme aleatório sendo assistido junto dela? Agora imagina uma cena dessas entre dois irmãos... Pois é, MELHOR NÃO! 
4º Lugar – Tr…

O Fim da Saga Red John em "The Mentalist"

Por Jaqueline Pigatto
Chegou ao fim uma das maiores sagas dos seriados da atualidade. Patrick Jane finalmente colocou as mãos em Red John, o serial killer que matou sua esposa e filha. A série, que teve início há 6 anos, sempre focou na busca do protagonista por vingança, com Red John sempre alguns passos à frente, criando mais perguntas para as poucas respostas que conseguíamos, praticamente entrando na mente de Jane e roubando uma memória feliz, até conseguindo sua lista de suspeitos, revelada ao final da quinta temporada.
A partir dali sabíamos que o momento tão esperado chegaria. A produção confirmou: vamos descobrir nessa temporada quem é Red John. Os 7 suspeitos da lista eram personagens que frequentemente passavam pela série, em sua maioria policiais ou ligados ao governo. Pessoas de poder e influência. Mas poucos fãs acreditavam que realmente seria um daqueles. Sempre teve a teoria de que o Red John seria o próprio Patrick Jane. O bizarro Brett Partridge era uma das principais…

A Fantástica Última Temporada de The Killing

(Com spoilers)

Uma aula de como encerrar uma série.
The Killing recusava a nos deixar. Sofreu dois cancelamentos e foi resgatada duas vezes. Lutou contra os números de audiência, única coisa que interessava para o AMC, e conseguiu sobrevida graças à sua qualidade, prontamente reconhecida pelo Netflix. Ajudou na produção da terceira temporada e bancou sozinha a sua quarta, pois, felizmente, acreditou na série e não nos deixou órfãos, depois daquele excepcional cliffhanger.
Terminamos a terceira temporada presenciando Linden matar cruelmente (e merecidamente) Skinner, aos gritos de "NÃO" de Holder. Tempos depois fomos noticiados que não veríamos mais nada além daquilo, pois o AMC decidiu cancelar a série, fato que trouxe muita tristeza para o seu telespectador. É uma crueldade que fazem com o telespectador, mas é, infelizmente, uma prática comum na TV, pois não respeitam nada além de lucro, e deixam de contar uma história sem mais nem menos, se lixando para seus clientes. 
E a …