Pular para o conteúdo principal

Especial: O Outro Lado de Person Of Interest


"O Outro Lado": nova coluna do Viciado em Série que será composta por críticas referentes àquelas séries aclamadas por 'muitos', mas que também não agrada a todos. Vamos postar textos opinativos escritos por aqueles que não estão satisfeitos com a série em questão.

Série de estreia: Person of Interest

Eu não posso chegar aqui e dizer que Person of Interest é uma péssima série e que ele deveria ser banida da TV. Claro que não. Só um louco diria isso. Acontece que a série não é tudo isso que dizem, principalmente dito por fãs fanáticos por séries policiais mecanizadas pela CBS. A série veio com um grande potencial mas está sendo estragada por estar sendo "comercial" de mais.

A audiência da série continua gigantesca, claro. Séries com essa estrutura procedural tem muito mercado nos Estados Unidos, principalmente na CBS. Sendo assim, sinto que estão tentando alongá-la ao máximo. A sua segunda temporada está sendo procedural demaaaaaaaais, diferente (não muito) da primeira temporada, onde desenvolviam um pouco mais a trama principal (quase inexistente). Esses episódios com "início, meio e fim" deixam-me muito incomodado quando não tocam mais afundo na premissa da série, que, veio para nos dar motivos para assisti-la.

Quando isso não acontece, a série se torna uma clássica série policial. Bandidos versus mocinhos, e como sempre, os mocinhos sempre saindo vencedores.

Muitos dos casos são bons. Apenas bons. Dá pra você se entreter, passar o tempo, vendo umas porradas daqui e boas resoluções dali, mas... só. Person veio com uma premissa espetacular com a "Maquina salvadora de CPFs", mas vai ficar só nisso? Não dá pra ficar 22 episódios assistindo casos e mais casos onde sempre sabemos o que vai dar. Sempre sabemos que Finch e John irão se dar bem no final, salvando vidas, salvando suas peles. Sempre. Eu disse sempre. 

Sempre disse que os casos transpareciam insolucionáveis em certo momento e que sempre somos surpreendidos no final. Nessa atual temporada isso não está acontecendo. Casos óbvios com resoluções óbvias, soando para mim muita, muita "encheção de linguiça" 

Person é uma série muito, mais muito comercial e pela audiência que tem, deverá se tornar ainda mais. Ela pode adquirir novos telespectadores a todo momento, pois, basta a dona CBS montar um vídeo (olha ele aqui!) com alguns minutos recapitulando a série e pronto. Qualquer um pode pegar a série no meio da segunda temporada e entender tudinho.


Você pode assistir episódios aleatoriamente que não faz muita diferença.

Essa grande quantidade de episódios procedurais, quase aleatórios, trazem outro problema: os personagens. Os personagens irrelevantes. Sem pesquisar, duvido que você lembra o nome da doutora que praticamente protagonizou o sétimo episódio da 2ª temporada. Ninguém lembra. Acompanhamos os principais personagens da série e só. Isso não seria problema se o roteiro não fosse baseado em muitas falas expondo demais o nome dos desconhecidos personagens. Poxa, acabamos de conhecer os irrelevantes personagens! Como vamos ficar gravando o nome deles para assimilarmos à trama?

Independente das 'justificativas' mencionadas acima, eu sei que muita gente gosta desse tipo de série. Eu sei que os meus pontos negativos podem ser pontos positivos para alguns. Reitero que a série não é ruim, mas é para um publico específico que gosta de séries policiais, alias, a maioria dos telespectadores americanos são adeptos a esse estilo de série.

Eu fico por aqui. Paro no "Critical" 2x07. Sinto muito Michael Emerson. Interessei-me pela série devido a sua presença. Desculpe-me àqueles que acompanharam as minhas reviews da série aqui no VS na primeira temporada. Não dá pra acompanhar episódios aleatórios 100% à trama principal. A vida é muito curta. 

Postagens mais visitadas deste blog

Agenda de Séries

Agenda de séries:

Fique por dentro das séries que vão ao ar no dia nos Estados Unidos com essa super agenda.  Dúvidas, críticas elogios... Caso haja algum erro na agenda, mencione-o nos comentários.

Entendendo Game Of Thrones

Game of Thrones é uma série que acaba se tornando bem difícil de explicar, e isso ocorre justamente por causa da complexidade dos personagens, que são muitos, e pela quantidade de subtramas existentes. Então, meu objetivo com esse texto é fazer com que uma pessoa que nunca viu ou que não tenha entendido muito a premissa da série, entenda de forma clara qual a principal narrativa. Nesse texto não vou entrar em detalhes sobre os personagens e subtramas (senão você ficaria horas aqui lendo), apenas vou tentar mostrar a direção e o que a série propõe.
Como todos sabem, a série Game Of Thrones (produzida pela HBO) é a adaptação dos livros de fantasia épica escritos por George R.R. Martin, que são chamados de As crônicas de gelo e fogo. Já se passaram a 1° e 2° temporada, adaptando o primeiro (A guerra dos tronos) e o segundo (A fúria dos reis) livro, respectivamente. E nesse domingo é a estreia da terceira temporada, que irá adaptar a primeira parte do terceiro livro (A tormenta das espadas…

O Fim da Saga Red John em "The Mentalist"

Por Jaqueline Pigatto
Chegou ao fim uma das maiores sagas dos seriados da atualidade. Patrick Jane finalmente colocou as mãos em Red John, o serial killer que matou sua esposa e filha. A série, que teve início há 6 anos, sempre focou na busca do protagonista por vingança, com Red John sempre alguns passos à frente, criando mais perguntas para as poucas respostas que conseguíamos, praticamente entrando na mente de Jane e roubando uma memória feliz, até conseguindo sua lista de suspeitos, revelada ao final da quinta temporada.
A partir dali sabíamos que o momento tão esperado chegaria. A produção confirmou: vamos descobrir nessa temporada quem é Red John. Os 7 suspeitos da lista eram personagens que frequentemente passavam pela série, em sua maioria policiais ou ligados ao governo. Pessoas de poder e influência. Mas poucos fãs acreditavam que realmente seria um daqueles. Sempre teve a teoria de que o Red John seria o próprio Patrick Jane. O bizarro Brett Partridge era uma das principais…

Especial: TOP 5 séries que você não deve assistir com a sua mãe

Olá, leitores! Hoje não é um dia qualquer, não é um simples domingo onde você, caro leitor, comerá um pedaço de pizza do sábado à noite no almoço, porque hoje é o dia das mulheres da vida de cada um de vocês, das mulheres que consideram sagradas. Hoje é dia das mães! O Viciado Em Série não poderia deixar de prestar sua homenagem, contudo, decidido a fazer algo diferente do bom e velho “TOP 5/10 Mães de Séries/Filmes”, segue o "TOP 5 Séries Que Você Não Deve Assistir Com a Sua Mãe".
5º Lugar - Game of Thrones

Uma série da HBO para maiores de 18 anos cheia de nudez, cenas de sexo, incesto, orgias, guerras, violência de todos os tipos, entre outras situações embaraçosas. Game of Thrones, definitivamente, não é o tipo de série para você assistir ao lado da sua querida e sagrada mãe, afinal, qual filho não fica constrangido diante uma cena de sexo em um filme aleatório sendo assistido junto dela? Agora imagina uma cena dessas entre dois irmãos... Pois é, MELHOR NÃO! 
4º Lugar – Tr…

A Fantástica Última Temporada de The Killing

(Com spoilers)

Uma aula de como encerrar uma série.
The Killing recusava a nos deixar. Sofreu dois cancelamentos e foi resgatada duas vezes. Lutou contra os números de audiência, única coisa que interessava para o AMC, e conseguiu sobrevida graças à sua qualidade, prontamente reconhecida pelo Netflix. Ajudou na produção da terceira temporada e bancou sozinha a sua quarta, pois, felizmente, acreditou na série e não nos deixou órfãos, depois daquele excepcional cliffhanger.
Terminamos a terceira temporada presenciando Linden matar cruelmente (e merecidamente) Skinner, aos gritos de "NÃO" de Holder. Tempos depois fomos noticiados que não veríamos mais nada além daquilo, pois o AMC decidiu cancelar a série, fato que trouxe muita tristeza para o seu telespectador. É uma crueldade que fazem com o telespectador, mas é, infelizmente, uma prática comum na TV, pois não respeitam nada além de lucro, e deixam de contar uma história sem mais nem menos, se lixando para seus clientes. 
E a …