Banshee - S01E02 - The Rave


Mantendo o disfarce da pior forma possível.

O episódio começa com Carrie, agora corretora de imóveis, mostrando uma casa para um cliente. E, pra variar, Lucas aparece mostrando interesse na casa e deixando claro que não tem intenção de ir embora de Banshee, e os dois são quase pegos aos beijos. Mas essa "discrição exemplar" é só o começo de um festival de atos inconsequentes.

Job informa a Hood que seu disfarce é seguro, pois o verdadeiro Lucas Hood não tinha parente ou amigos próximos, o que de fato faria com que a identidade do xerife se mantivesse secreta. Mas, pra compensar o sucesso do disfarce, o xerife faz uma besteira atrás da outra. Primeiro destrata o policial Brock, que já está disconfiado, e pra aumentar as suspeitas na força policial, se mostra totalmente perdido ao preencher formulários policiais. Se continuar nesse ritmo, não vai demorar para desmascararem o xerife impostor.

Fora da delegacia, a situação é ainda pior. Lucas aparece no velório do homem que matara no dia anterior e insiste em ficar por lá, chamando a atenção dos irmãos Moody e armando uma confusão sem motivo aparente. Além disso, para se infiltrar na rave, ele tira o uniforme de xerife (atitude que os outros policias o alertam por ser ilegal) e vai apagando cada bandido, até avistar o chefe do esquema. Em meio a tanta idiotice e imprudência, a única atitude que eu achei coerente foi deixar de perseguir o Hanson, o traficante,  para ajudar a suposta filha, Deva, e o namorado. Mas em seguida, temos a cena da perseguição dos bandidos, com mais situações nada justificáveis para um policial de verdade e nada sutis para manutenção do disfarce. 

Kai Proctor, que está metido em todas os esquemas criminosos de Banshee, obviamente estava ligado ao esquema de tráfico da rave também.  Depois de não ter sucesso na tentativa de comprar o xerife, Proctor é ainda mais contrariado quando sabe das prisões de seus capangas e morte do filho do senador (Reed, namorado de Deva), o que arruinou parte de seu esquema milionário e Proctor não deixa barato. Após tirar o mindinho de Hanson na faca e dar como petisco para Preacher, o rottweiler, ele literalmente solta o cachorro pra cima do capanga incompetente. A cena foi tão absurda que eu adorei o resultado. Lembrando que a estranha que Lucas transa no episódio provavelmente é parente de Proctor (será irmã?), fato que não vai agradar o mafioso de Banshee quando, em um futuro próximo, ele descobrir essa relação.

Banshee apresentou um episódio com um bom ritmo e, apesar das imprudências do protagonista, estou muito ansioso para entender o passado dele e ver também o desenrolar da trama atual.

Observações:
  • A abertura de Banshee não poderia ser menos do que ótima, vendo que se trata de uma série com Alan Ball envolvido (vide aberturas de True Blood e Six Feet Under).
  • A cena de Job realmente funcionou como alívio cômico e foi aí que tivemos a melhor tirada do episódio: "Caiam fora, vão engravidar!".
  • Atentem-se para as cenas pós créditos, que fui perceber só nesse episódio. Na cena em questão, Proctor e o capanga carregam um corpo para o matadouro e ligam uma espécie de serra para cortar o defunto em pedaços. Fica evidente que o corpo é de Hanson (ou o resto que sobrou dele após o ataque de Preacher).
  • A cena pós-créditos do primeiro episódio, caso queiram saber, é somente Lucas olhando para uma fotografia da nova família de Carrie.
Tecnologia do Blogger.