Fringe "Black Blotter" 5x09


"Eu tornei-me a morte, o destruidor dos mundos". Um dia na mente de Walter, ou melhor, dos Walters.

Se for para resumirmos o episódio em trama, evolução de roteiro, poderíamos contá-lo assim: 
"A Resistência continua com o plano para a destruição dos Observadores, seguindo pistas. Dessa vez, não abrem uma nova fita, mas seguem a pista descoberta em fita anterior, o rádio, encontrado no Universo de Bolso. Pista essa que cai em seu colo, quando o mesmo começa a apitar. Anil consegue triangular o sinal que leva nossos heróis a encontrar Michael, o Observer Kid restirado do Universo de Bolso por Donald. Fim."
Mas o episódio foi muito, mas muito mais além disso. A base mencionada acima foi um pouco deixada de lado para aplaudirmos a genialidade exposta nas entrelinhas.

Primeiramente uma salva de palmas lentas de pé à produção de Fringe, principalmente ao roteiro contado nas entrelinhas. Um show de referências a episódios anteriores, um show de referências à obras famosas da literatura, um show de produção. Entramos dentro da mente de Walter e lá, viajamos literalmente. Não sei se é o mesmo sentimento vivido por aqueles que usam uma espécie de LSD de lote especial, mas com certeza não deve chegar aos pés da mente alucinógena de Walter, incrementado por brigas internas.

Brigas essas muito bem simbolizadas pelo bem e o mal, o anjinho e o diabinho, Sininho e sei lá mais quem. A verdade é que dentro da mente de Walter existe um Walter mal, um Walter que ele não quer ser, mas que está agindo em seu interior, muitas vezes sobrepondo o Walter do bem - aquele que se arrepende de ter iniciado uma guerra entre universos, causando todo caos que vemos atualmente, exceto a invasão dos Observadores - fato que considero paralelo aos acontecimentos. 


Na alucinação ilustrada pela Dr. Carla Warren, enxergamos o lado mal da mente de Walter, inserido cirurgicamente em "Letters of Transit", levando Walter a encontrar seu caderno de fórmulas, reascendendo o ego preponderante em seu lado mal, paralelamente servindo para deprimir o lado bom de nosso herói, o levando a depressão culminada pela culpa (olha o glifo!) de ter matado sua assistente, ter causado a briga entre os universos.

Tudo isso ilustrado com passagens de cenas, transições audiovisuais fantásticas. Fantástico, já disse?

Mas as referências não ficaram apenas pelo lado dos Walters. Na busca por Donald, Olivia e Peter, que, finalmente trocaram carinhos, se deparam com cadáveres, um deles identificados como Sam Weiss, psicólogo que interagiu com a Divisão Fringe em outra timeline. Porém, a maior surpresa foi que, ao encontrar o local triangulado, não se depararam com Donald, mas sim, com Michael, o Observer Kid que Olívia interagiu em "Inner Child", 15º episódio da 1ª (!!!) temporada. O pequeno Observer deverá ser a chave para o plano de Walter, assim espero.

Uma despedida emocionante. Fiquei um pouco na pele dos "pais" de Michael. Viver assim com uma criança e ter que entregá-la, não deve ser fácil, mas claro, o bem maior falou mais alto.

"Black Blotter" foi um episódio que veio para dar show, presentear os fãs com referências de episódios de toda a série, além de enaltecer ainda mais o trabalho do fantástico John Noble.

Easter Eggs e Curiosidades:

Como disse no texto, o glifo da semana montou a palavra GUITT, que significa CULPA. Referência direta à culpa que Walter sente pela morte de sua assistente e pelos problemas desencadeados por suas ações, as ações de quando se denominava deus.  


Uma curiosidade refere-se ao ator Kevin Corrigan que interpreta Sam Weiss. Detalhe de que a data vista na carteira de motorista do personagem é a mesma data de nascimento do ator. Sabe o que isso significa? Nada. Brincadeira dos produtores. Apenas curiosidade.


Observer Kid.


Promo com legendas de "Anomaly XB-6783746", 10ª episódio da última temporada que vai ao ar nessa sexta, 21 de Dezembro. Segurem-se! 

  
Tecnologia do Blogger.