Fringe: "Five-Twenty-Ten" 5x07


"The Man Who Sold the World" - O homem que vendeu o mundo: 
David Bowie? Nirvana? Não. Willian Bell.

Já não bastava colocar Walter no manicômio, trair seus amigos, ainda roubou um dos discos preferidos de Walter. Esse Willian Bell...

Brincadeiras a parte, "Five-Twenty-Ten", episódio intitulado pelos códigos "secretos" de Bell, não veio para causar impacto, mas desenvolveu muito, muito bem a trama da última temporada, além de desvendar inúmeros mistérios, sem jogar simplesmente na cara do telespectador e sim, incrementá-los às cenas.

A partir do momento em que Peter inseriu aquele objeto em sua nuca, uma enxurrada de respostas começaram a surgir. Muitos fãs cobravam mais informações sobre os Observadores e elas estão surgindo de forma fantástica. Estão sendo mostradas na prática e não em diálogos longos e confusos, como é de costume vermos por aí. Já conhecíamos as suas origens e como se movimentam no espaço, costumes e objetivos. Agora nós e Peter estamos descobrindo seu poderes, para então entendermos como eles agem, montando uma arapuca para a extinção do mesmo, usando armas biológicas que sempre combateram. Fantástico.

Enquanto isso, acompanhamos o drama sci-fi procedural que essa última temporada adotou. Fringe sempre foi assim, mesclando episódios com "casos individuais" dando pinceladas à trama principal, com outros episódios que focam direto na trama principal da temporada. Não há espaço para esses casos semanais nessa última temporada e a expectativa era que todos os episódios focariam na trama principal, mas não é bem isso que estamos vendo. Eles ainda estão mantendo uma estrutura procedural, não dando apenas pinceladas, mas aprofundando bem no propósito maior. Os casos semanais foram substituídos pelas "fitas da semana", presa no âmbar.

A fita da vez levou a Resistência ao esconderijo de Willian Bell, onde encontraram os cilindros que os invasores usam para localizar pontos no espaço. A empreitada foi bem sucedida, graças a perspicácia de Peter ao despistar os carecas, matando alguns, mas principalmente devido a uma querida personagem que reaparece na série: Nina Sharp.

Nina veio para ajudar seus velhos amigos e também para jogar na cara de Walter a pessoa que está se transformando. O amor não é capaz de diminuir a aceleração maligna de Walter, mas o amor nunca deixa de existir quando é um amor verdadeiro, como o que Bell sentia por Nina e vice-versa. É o amor. Basta ver agora se Nina ajudará Walter a ser o amável Walter que conhecemos, ou ele seguirá sua evolução Walternativa. Primeira opção, é claro.

Falando em amor... Peter finalmente revela o que tem passado à Olívia. Não podia passar desse episódio, pois, a loira já estava mais do que desconfiada e ficar fazendo ela de idiota não dá. Mas Peter escolheu um bom momento, porque Olívia não iria querer apenas palavras e sim, provas. Peter segue com o plano de vingar sua filha a todo custo, mas não seguiu o conselho de sua amada, simplesmente, voltando para ela. Peter não entendeu que, para a Olívia, sua vingança será em vão caso tenha que dar sua morte em troca.

Vamos imaginar: Peter consegue matar todos os principais Observadores. Ótimo. Como viver naquele mundo? Ok, temos que ver no que vai dar as fitas que estão sendo retiradas do âmbar, que, provavelmente definirá a série. Como? 

Isso e muito mais só no oitavo episódio da série, daqui a três semanas, talvez, com Peter bem carequinha.

Nota 10/10


Começando com os tradicionais glifos, que formaram a palavra TRUST, que significa CONFIANÇA. Referência direta ao drama vivido por Olívia, que, está perdida em relação ao 'novo' Peter. Aquele que ela confiava ao extremo e que agora está tendo problemas.


Pode ser também o drama de Walter, que não pode confiar em si mesmo ou então, a dúvida em confiar ou não em  William Bell.

Algumas curiosidades:

Acompanhamos cartazes de Etta por toda a parte. Entre alguns deles, vemos desenhado na parede um espécie de tulipa branca, um dos símbolos da série. Sinal de que a Resistência nunca desistirá? Sim.


Nesse futuro você pode comprar o C02 em garrafas.


Peter reascende a nostalgia da série ao usar "armas biológicas" para destruir aqueles Observadores. Detalhe de que eles tiveram que combater "terroristas" no episódio piloto da série que usaram da mesma artimanha. Não é a primeira vez que eles utilizam as armas que combateram contra os Observadores. Aguardando por novos momentos assim.


Walter entra no "esconderijo" de Bell e a primeira coisa que reclama é sobre o roubo de um de seus discos preferidos, no caso, o "The Man Who Sold the World" de David Bowie, lançado em 1970. A curiosidade é que o nome verdadeiro de David Bowie é David Robert Jones, nome dado a um dos principais personagens do "mal" que vimos na série.


No fim do episódio, Walter nos presenteia com a belíssima canção, "The Man Who Sold the World" na voz de Bowie, mais conhecida pelo público jovem na voz de Kurt Kobain. Reveja a cena:

  

Promo com legendas do próximo episódio, intitulado "The Human Kind" 

   
Tecnologia do Blogger.