Nikita - S03E02 - Innocence


"O intérprete do meu passado, a inspiração pro meu futuro" - Hino Nacional Paquistanês


Mais uma vez, Nikita surpreendeu e me fez tirar o chapéu para o desempenho do Craig (criador da série). Que o seu talento para escrever a série é excelente, todos nós já sabíamos, mas o que chamou minha atenção, dessa vez, foi a capacidade do criador em tecer uma trama totalmente concisa e interligada do começo ao fim. E, assim, não preciso nem mencionar que a escolha do nome para o episódio também não deixou a desejar. “Innocence” conseguiu abarcar um enredo incrível em torno das histórias de Nikita, Alex e da inocente, Liza.

“Alex, can you really see me as a mother?” - Nikita

Nesse sentido, o que tem me surpreendido é justamente essa relação entre a missão/alvo da Division e a vida pessoal dos personagens. O episódio começa com uma cena na qual Alex e Nikita estão em uma joalheria e uma, diga-se de passagem, adorável senhora traz a tona o assunto de gravidez. Este foi o ponto inicial para o desenrolar do episódio, que evidenciou (maravilhosamente!) os pensamentos da nossa protagonista favorita sobre a maternidade. Apesar de bastante relutante no início, Nikita teve provas, durante todo o episódio, de que jamais fracassaria como mãe. O seu desempenho com a Liza e, principalmente, a retomada de toda a história “Salvando Alexandra Udinov”, a meu ver, foram artifícios suficientes para render, ainda mais, esse assunto nos próximos episódios. (E, ah, se não render, ok, pode vir aqui e me adotar, Niki!).

“Now, imagine all my frustration at being the last one to find out and use that to pull the lever.” - Birkhoff 

Fora do enlace “gravidez”, mas enfurecido por ser o último a saber sobre o noivado de Nikita e Michael, Birkhoff (se isso for, sequer, possível) está ainda mais divertido e engraçado do que nas últimas duas temporadas. O ciúme cômico diante da descoberta da aliança marcou o episódio do início ao fim e trouxe mais descontração até para as cenas de batalha (“Exterminate! Exterminate!”). Tá aí um personagem que se desenvolveu bastante desde a segunda temporada, mas que ainda tem muito que nos mostrar. Quem aí mal pode esperar pra entender mais do desentendimento entre a Sonya e ele?

“There was one other girl” – Alex

“I got the last girl. I want you to have this one”- Nikita


Por fim, como se ainda fosse possível, os dois minutos finais foram, talvez, os mais importantes de todo o episódio. Assim como em “3.0” (quem vai esquecer o pedido de noivado?), a última cena foi responsável por toda a carga emotiva do capítulo - além de, obviamente, colocar pra fora toda a minha carga emotiva, né?. Os diálogos entre Alex, Liza e Nikita dentro do carro, os olhares no reencontro entre pais e filha, os olhos marejados da Alex e, não menos importante, a trilha sonora MA-RA-VI-LHO-SA, fizeram desses pequenos minutinhos uma das melhores cenas de toda a série.

“Innocence” teve um tom diferente dos demais capítulos. Não sei se pelo ineditismo de um caso envolvendo uma criança sequestrada ou pela perfeição em encaixar as diversas cenas em um enredo conciso. Só sei que esse caminho seguido tem me agradado cada vez mais, e, mal posso esperar, pra ver o desenrolar da trama. Quanto aos próximos episódios, sinto que a descoberta do passado de Michael está por vir (“What is Michael real last name, anyway?”- Alex). Além disso, permanece uma única dúvida: Onde, diabos, está Amanda?


Como mencionei ali em cima, aqui está o link pra música maravilhosa tocada na cena final:

Never let me go – Florence and the Machine: Aqui!
Tecnologia do Blogger.