Pular para o conteúdo principal

Modern Family - S04E02 - Schooled


Sejamos sinceros, alguém ao fim de 3 temporadas acharia que Haley seria capaz de ingressar na faculdade? A resposta parece fácil. Tão fácil que até a própria família tem dificuldade em acreditar.

Mas se há coisa que Modern Family tem é pais orgulhosos dos seus filhos e Phil e Claire fizeram questão de o demonstrar ao longo do episódio. Claro que Mitch e Cam não poderiam ficar para trás, pedindo, na reunião de família destinada a celebrar a entrada na faculdade de Haley ,que brindassem a Lily por esta ter entrado na creche.
Ma se há outro ensinamento a retirar com esta série é que os adultos são, efectivamente, piores do que as crianças. Os irmãos, Mitch e Claire, lutam por colocar os seus primogénitos na ribalta nem que para isso tenham que lutar, quais crianças, apertando mamilos e puxando cabelos. É no meio desta troca acesa de opiniões que Claire pronuncia algo de um realismo inegável:
" Haley ir para a faculdade é um milagre
A Lily ir para o infantário é a lei"


Antes mesmo da 4ª temporada começar estava convicta que a família Pritchett iria ter um destaque considerável durante os episódios. Se no primeiro episódio essa opinião ainda se manteve minimamente estável, este, em particular, fez-me duvidar desta possibilidade.  Sim, é um facto que a família Pritchett tem vindo a ser a minha preferida ao longo das 4 temporadas, logo veria com bons olhos a possibilidade de a trama da série se desenvolver mais em torno desta. No entanto, e sendo realista, seria um grande contrassenso tendo em conta o historial da série. Ela ganha por isso mesmo - por ter três famílias distintas e igualmente fantásticas com uma quantidade de personagens hilariantes em que se torna muito complicado escolher um preferido. Dito isto, é também verdade que, ultimamente, tenho sentido que a família Dunphy tem perdido fulgor e criatividade. De todas as famílias é a que tem as histórias mais lamechas e um pouco banais. E é de certa forma compreensível. Se por um lado temos a família Tucker-Prtitchett, constituída por um casal gay e a filha adotada oriental; a família Pritchett constituída pelo coroa boa onda e pela latina, 20/30 anos mais nova e deveras sensual, com um filho do primeiro casamento. Resta depois os Dunphy,  e os Dumphy são, à partida, a família normal. Bem, não é fácil ser caracterizada como a família normal. Aliás é um grande desafio.
Contudo, e acho que neste episódio foi notório, esta família recebe as histórias mais sem graça. Agora é Haley que está prestes a ingressar na faculdade e vai mudar-se. Phil e Claire, como pães galinhas que são, querem acompanhar a filha em todos estes momentos de mudança. Phil até faz uma espécie de bíblia de conselhos sobre a vida chamada Phil-osofia. No geral, esta história rendeu poucos momentos de humor, apesar de ter achado carinhosa a despedida de Luke e Haley, tal como o telefonema que Haley fez quando os seus pais regressavam a casa. Mas só isso - carinhoso...
Passando às histórias realmente divertidas deste episódio. A família Tucker-Pritchett arrasou. Lily vai entrar para a creche e Cam, como não poderia deixar de ser, está com as hormonas no auge. Cam é sempre muito expansivo e divertido no que diz respeito à forma como protege Lily e a ida da filha para a creche aumentou este seu lado. O problema foi quando um menino decidiu puxar os cabelos à pequena. Aí Cam virou uma fera e encostou o garoto contra um poste, murmurando e intimidando o rapaz até ser repreendido pelo diretor da escola. 


Mas o hilário aconteceu quando os pais de Connor decidiram ir à escola para defender, também estes, o seu filho. Bem, na verdade os pais...eram mães e começou assim o confronto homossexual que durou grande parte do episódio. Claro que foram imensos os estereótipos que se seguiram, cheios de ideias pré-concebidas, mas mesmo assim rendeu muitas risadas. Desde o diagrama de Venn, às sucessivas picardias de Cam com a sapatão da relação, os dois extremos do estereotipo gay e lésbico. No fim, lá se conseguiram acertar, porque, e com um toque (grande, mas fofinho) de moralismo, as duas crianças, Lily e Connor, gostam uma da outra e são amigas, a ponto de se trancarem no quarto e intimidarem os pais para deixarem a amizade de ambos se desenvolver.

Quanto à minha família preferida,  a Pritchett, continua dividida entre os preparativos para a chegada do novo elemento da família e a tentativa de evitar que Manny tenha um AVC por excesso de preocupação quanto ao futuro da criança aí vem.
Primeiro foi ver Gloria e Jay numa aula de como embrulhar um nenuco de forma a ter o aspeto de um burrito. Parece que Gloria é especialista nisto. Depois foi a vez de Jay receitar uísque para a altura em que os bebés têm os dentes a nascer. E foi desta forma que as aulas terminaram para os dois. Mas a cumplicidade existente é notória, tal como o humor fácil e leve que se desenvolve entre ambos. Ed O' Neill é fantástico e a Sofia Vergara está a ser somente...a Sofia Vergara. Easy!


P.S- Desta vez  o núcleo infanto-juvenil da série não teve o destaque que tem vindo a ter ultimamente. Contudo, de destacar as intervenções de Manny, principalmente no que toca à preocupação que possui quando ao futuro do seu novo irmão. E se este não for tão consciente quanto o próprio? Mas Jay respondeu à altura. Adoro a relação dos dois.

Outro momento alto - Cam e a sapatão mor a fazerem o diagrama de Venn. Nota 10!



Para concluir aqui fica um vídeo, com o apanhado geral de Phil-osofia de Phil Dunphy

   

  Por  Ana Sustelo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Agenda de Séries

Agenda de séries:

Fique por dentro das séries que vão ao ar no dia nos Estados Unidos com essa super agenda.  Dúvidas, críticas elogios... Caso haja algum erro na agenda, mencione-o nos comentários.

Entendendo Game Of Thrones

Game of Thrones é uma série que acaba se tornando bem difícil de explicar, e isso ocorre justamente por causa da complexidade dos personagens, que são muitos, e pela quantidade de subtramas existentes. Então, meu objetivo com esse texto é fazer com que uma pessoa que nunca viu ou que não tenha entendido muito a premissa da série, entenda de forma clara qual a principal narrativa. Nesse texto não vou entrar em detalhes sobre os personagens e subtramas (senão você ficaria horas aqui lendo), apenas vou tentar mostrar a direção e o que a série propõe.
Como todos sabem, a série Game Of Thrones (produzida pela HBO) é a adaptação dos livros de fantasia épica escritos por George R.R. Martin, que são chamados de As crônicas de gelo e fogo. Já se passaram a 1° e 2° temporada, adaptando o primeiro (A guerra dos tronos) e o segundo (A fúria dos reis) livro, respectivamente. E nesse domingo é a estreia da terceira temporada, que irá adaptar a primeira parte do terceiro livro (A tormenta das espadas…

O Fim da Saga Red John em "The Mentalist"

Por Jaqueline Pigatto
Chegou ao fim uma das maiores sagas dos seriados da atualidade. Patrick Jane finalmente colocou as mãos em Red John, o serial killer que matou sua esposa e filha. A série, que teve início há 6 anos, sempre focou na busca do protagonista por vingança, com Red John sempre alguns passos à frente, criando mais perguntas para as poucas respostas que conseguíamos, praticamente entrando na mente de Jane e roubando uma memória feliz, até conseguindo sua lista de suspeitos, revelada ao final da quinta temporada.
A partir dali sabíamos que o momento tão esperado chegaria. A produção confirmou: vamos descobrir nessa temporada quem é Red John. Os 7 suspeitos da lista eram personagens que frequentemente passavam pela série, em sua maioria policiais ou ligados ao governo. Pessoas de poder e influência. Mas poucos fãs acreditavam que realmente seria um daqueles. Sempre teve a teoria de que o Red John seria o próprio Patrick Jane. O bizarro Brett Partridge era uma das principais…

Especial: TOP 5 séries que você não deve assistir com a sua mãe

Olá, leitores! Hoje não é um dia qualquer, não é um simples domingo onde você, caro leitor, comerá um pedaço de pizza do sábado à noite no almoço, porque hoje é o dia das mulheres da vida de cada um de vocês, das mulheres que consideram sagradas. Hoje é dia das mães! O Viciado Em Série não poderia deixar de prestar sua homenagem, contudo, decidido a fazer algo diferente do bom e velho “TOP 5/10 Mães de Séries/Filmes”, segue o "TOP 5 Séries Que Você Não Deve Assistir Com a Sua Mãe".
5º Lugar - Game of Thrones

Uma série da HBO para maiores de 18 anos cheia de nudez, cenas de sexo, incesto, orgias, guerras, violência de todos os tipos, entre outras situações embaraçosas. Game of Thrones, definitivamente, não é o tipo de série para você assistir ao lado da sua querida e sagrada mãe, afinal, qual filho não fica constrangido diante uma cena de sexo em um filme aleatório sendo assistido junto dela? Agora imagina uma cena dessas entre dois irmãos... Pois é, MELHOR NÃO! 
4º Lugar – Tr…

A Fantástica Última Temporada de The Killing

(Com spoilers)

Uma aula de como encerrar uma série.
The Killing recusava a nos deixar. Sofreu dois cancelamentos e foi resgatada duas vezes. Lutou contra os números de audiência, única coisa que interessava para o AMC, e conseguiu sobrevida graças à sua qualidade, prontamente reconhecida pelo Netflix. Ajudou na produção da terceira temporada e bancou sozinha a sua quarta, pois, felizmente, acreditou na série e não nos deixou órfãos, depois daquele excepcional cliffhanger.
Terminamos a terceira temporada presenciando Linden matar cruelmente (e merecidamente) Skinner, aos gritos de "NÃO" de Holder. Tempos depois fomos noticiados que não veríamos mais nada além daquilo, pois o AMC decidiu cancelar a série, fato que trouxe muita tristeza para o seu telespectador. É uma crueldade que fazem com o telespectador, mas é, infelizmente, uma prática comum na TV, pois não respeitam nada além de lucro, e deixam de contar uma história sem mais nem menos, se lixando para seus clientes. 
E a …