Fringe: "The Bullet That Saved The World" 5x04


OMG! Traumatizante.

Finalmente um episódio que poderemos chamar de Perfeito. Apesar dos pesares, "The Bullet That Saved The World" mostrou o que Fringe tem de melhor - um sci-fi de tirar o fôlego, onde heróis fardados ou não, combatem um inimigo infinitamente superior, além de enigmático, tentando salvar a humanidade e evitando uma provável extinção.

Mas se isso ainda não bastasse, a carga emocional do episódio esteve acima da média de toda a série. Arrisco dizer que nunca tivemos uma carga emotiva tão grande como tivemos. Fringe não costuma matar personagens queridos, mas talvez por se tratar da última temporada, a série demostrou já no quarto episódio que tudo, tudo mesmo poderá acontecer.

Eu entendo, mas não aceito a morte de Etta. Em Fringe nada acontece por acaso e a morte de Etta foi importante para a parte técnica, para os produtores traçarem o rumo da temporada, colocando as coisas em seus devidos lugares. Eles quiseram exaltar o tamanho da maldade que existe dentro dos Observadores, principalmente, em Windmark. Olhamos para o rosto ócuo de Windmark, proferimos adjetivos diabólicos a seu respeito. Era isso que os produtores queriam e conseguiram. Todos odeiam Windmark.

Por outro lado, existia o 'problema' da 'ausência' de Olívia na série. Reclamei em reviews passadas o excesso de coadjuvação da principal personagem da série. Querendo ou não, Etta comandava as ações nesse princípio de temporada e caso ela ainda continuasse com o grupo, isso não poderia ser mudado, devido ao instinto da personagem. Agora, nosso quarteto fantástico terá que buscar alternativas para extinguirem os Observadores do universo sem a orientação de seu guia, fator que deverá ser muito interessante e desafiador, alavancando a guerra que existe naquele futuro.

Acredito que voltarão com algo que satisfaça os fãs da série nesse sentido familiar, que possa preencher esse vazio criado por eles. Fizeram-nos apaixonar por Etta e tiraram-a de nós, mas como disse, em Fringe tudo pode acontecer.

Mas até chegar a esse desfecho traumatizante, vimos nossos heróis continuarem com a busca incessante pelo plano para eliminar os Observadores. Está uma verdadeira caça ao tesouro e nossa equipe conseguiu resgatar um importante plano, desvendado pela fita, que os ajudarão na sequência. O mais espetacular nisso tudo, foi descobrirmos que Walter guardava um arquivo morto no sub-solo do laboratório, criando uma nostalgia incrível ao telespectador fã da série. Mas não apenas mostraram e sim, utilizaram-a. Como o próprio Walter disse: "Houve uma época na qual resolvíamos casos Fringe. Agora acho que é hora de criarmos os nossos." Espero que utilizem mais das armas que tanto as combateram, agora para destruir esses carecas infernais.

Ele está de volta: Phillip Broyles. Todos sentiam a falta do comandante, mas sua presença, trouxe muita emoção a princípio para esse que vos escreve. Sabia que haveria uma morte traumatizante nesse episódio e com o retorno de Broyles, dava como certo que ele estava nos deixando. Seu reencontro emocionante com Olivia e cia, teve peso ainda mais emotivo para mim devido a isso. Mas como vimos, Broyles não morreu. Ele está firme e forte trabalhando com a Resistência. É uma peça importantíssima para os planos fringeanos. Deverá ser o 'cavalo de tróia' daquele universo. Se eles não conhecem beisebol, filmes históricos também não devem conhecer.


É o fim de um arco importante da história. ''A bala que salvou o mundo'' simbolizará o fim da transição entre as temporadas da série. Nossos heróis, apesar de uma importante baixa, estão fortalecidos. Já têm um bom conhecimento sobre aquele mundo, um plano semi-pronto (faltando 'apenas' ser desvendado), a adição de um importante velho parceiro e armas biológicas à disposição. O ódio e a vingança também os estimularão. A guerra ainda está no começo e tende-se a ficar incontrolável na sequência. A temporada final dá indícios que fechará a série de forma digna, relevante, espetacular e emocionante.

Olha que September ainda nem apareceu.

Easter Eggs e Curiosidades:

Os Glyphs Code do episódio formaram a palavra WOUND, que significa FERIDA. Acredito que os glifos não vieram para especular o futuro, mas sim, para marcar a ferida que o episódio trouxe. A morte de Etta é uma ferida que não será curada tão cedo na série, se é que vai.


Promo com legendas de "An Origin Story", próximo episódio de Fringe que vai ao ar na próxima sexta-feira nos EUA.

   

RIP Etta


"Losing Your Memory". Desidratem.

  
Tecnologia do Blogger.