Comentando: The Good Wife



Relutei bastante para ver The Good Wife. Apesar de ser uma produção elogiada o fato de ser um procedural da CBS sempre foi um fator negativo, visto que as produções da emissora não presam por um compromisso com a “mitologia” da série e constantemente desviam o foco de suas tramas e se acomodam em uma formula de sucesso. Portanto, fico feliz em relatar que The Good Wife foge de todas as formulas simplistas das series da emissora e ainda que seja um procedural (não convencional, é importante ressaltar) tem uma trama envolvente e competente. 

A série começa quando Alicia Florrick (Julianna Margulies) é traída por seu marido e promotor do condado de Cook, Peter Florrick (Chris Noth), o que gera um escândalo político que resulta na prisão de Peter, obrigando Alicia a tomar responsabilidade pelo sustento de sua família voltando a exercer advocacia firma “Stern, Lockhart & Gardner”. 

Naturalmente temos a velha formula de casos semanais, a diferença é que aqui eles não conduzem a trama e apesar de evidenciarem uma forte critica ao sistema jurídico americano, alguns deles chegam a ser mal resolvidos, o foco da série está nos conflitos dos personagens que são desenvolvidos ao longo de toda temporada, alem disso os personagens não são estáticos e têm seus valores e opiniões mudados no decorrer de todas as temporadas (alguns mais que outros, naturalmente, entretanto já é um grande avanços quando falamos de uma série da CBS). 

A série é ágil e as tramas acabam sendo fechadas antes mesmo do fim da temporada. É evidente que a primeira temporada tem um enfoque maior nos casos semanais do que as posteriores e ainda sim eles contribuem para reflexões dos personagens tanto no âmbito profissional quanto em suas vidas privadas, elemento que só contribui para a evolução da série como um todo. O modo único como os casos são desenvolvidos logo na primeira temporada acaba “pescando” o publico logo no inicio. 


Outro aspecto interessante de The Good Wife é que a série é sobre mulheres, as suas personagens mais fortes são as mulheres, começando é claro por Alicia, a boa esposa do titulo é uma mulher forte que tem que se desdobrar no papel de mãe e advogada, é ótima em ambos e contudo encontra obstáculos que a obrigam a ser adaptar e tomar atitudes nada convencionais. Outro grande destaque é Kalinda Sharma (Archie Panjabi) investigadora da “Stern, Lockhart & Gardner”, Kalinda é bastante reservada e ainda sim é uma das personagens mais fascinantes da série desde o inicio e a medida que a série vai se desenvolvendo conhecemos melhor a personagem e gradualmente conhecemos seus segredos e aflições e mesmo agora no início da 4ª temporada descobrimos novos aspectos da personagem. E por fim o núcleo feminino se consolida com Diane Lockhart (Christine Baranski) sócia sênior do escritório que embora comece apagada cresce bastante na 2ª e 3ª temporadas e se mostra uma mulher forte no comando da firma. 

Alem disso a série é recheada de participações especiais incluindo Chritina Ricci (Pan Am), Morena Baccarin (Firefly, Homeland), Denis O'Hare (True Blood, American Horror Story), Dylan Baker (Homem-Aranha 2), Matthew Perry (Friends, Go On) e Carrie Preston (Arlene de True Blood) em um dos papeis mais interessantes da série. Atualmente em sua 4ª temporada The Good Wife coleciona muito acertos e faz jus aos prêmios que recebeu até o momento (incluindo ai o Globo de Ouro de Melhor Atriz em Série Dramática para Julianna Margulies).

Naturalmente a série escorregou em alguns momentos, mas nada que seja alarmante. Aos que ainda não viram, sugiro que dê uma chance à série e aos que já acompanham, a partir da próxima semana faremos reviews semanais começando a partir do 4.04.

The Good Wife é exibida aos domingos pelo canal CBS.
Tecnologia do Blogger.