Pular para o conteúdo principal

Arrow: 1x03 "Lone Gunmen"




Acabou a solidão do Arqueiro.

Mais cedo do que a gente esperava, Arrow tratou de arrumar companhia para o Green Arrow. A série faz questão de mostrar que vários personagens estão desconfiados do comportamento de Oliver e que isso pode logo revelar a identidade do vigilante. Portanto, nada mais natural do que fazer com que já no terceiro episódio alguém pudesse compartilhar o segredo.

E ninguém melhor do que Diggle. Tommy não é de confiança, Laurel ainda precisa acertar seu fuso sentimental com Oliver-homem, e Thea não consegue cuidar nem de si mesma. Diggle por outro lado, será de grande ajuda para o patrão nos seus "negócios noturnos", vide seu treinamento e experiência militar. Não sei se ele vai aceitar de imediato o acréscimo de função em seu trabalho, mas mal posso esperar para ver os dois lutando como parceiros.

Falando em luta de parceiros, a cena de Oliver e Tommy apanhando dos seguranças de Max foi o máximo. Claro, Queen se deixou levar pela diversão de apanhar na frente do melhor amigo para evitar olhares especulativos, mas, com isso, ri da entrada triunfal de Laurel achando que salvou o traseiro dos dois rebeldes. Tirando o fato de ela não saber que seu querido ex poderia derrubar todos os homens em questão de segundos, foi bom ver que as aulas de auto-defesa dela estão em dia. Quem sabe aí está a deixa para uma futura participação dela na parte vigilante da série -- de preferência ao lado de Oliver.

Outra pessoa que atraiu a atenção para fazer parte do que seria o grupo do Green Arrow é a funcionária que o ajudou com o notebook baleado: Felicity Smoak. Assim que ela apareceu em cena, me lembrei da Chloe de Smallville, e associei a moça à (futura) Watchtower de Oliver. Daria uma boa combinação, certo? Além do mais, ela engolir a cara de pau dele dizendo que as balas do note vinham da má vizinhança da cafeteria que ele frequenta foi maravilhoso. A presença dela será, sem dúvida alguma, nossa fonte de alívio cômico (e fofura).

Quem não está nada fofa é Thea. Ela conseguiu bater recordes de chatura no terceiro episódio. Que dilema o dela, hein? Ninguém se importa com ela, sua mãe não é sua mãe, seu irmão não é seu irmão e blá blá blá... todo mundo já entendeu o sofrimento da moça e ainda assim ela faz questão de repetir minuto após minuto. Existe o detalhe de que ela é adolescente e isto tem duas implicações: 1) para a CW, ela seria a "pegada teen" de Arrow, que tem como essência uma trama adulta, 2) ela é uma adolescente e, como todos os outros adolescentes do universo, ela tem o direito de ter sua crise de identidade.

Mesmo assim, esses ataques de mimimi são bem cansativos. Por exemplo, vide a cena dela contando para Oliver sobre o rolo de Tommy e Laurel... Vamos dar um desconto para Thea desta vez porque nós bem que queríamos que este momento acontecesse, mas que foi embaraçoso foi. Aliás, adorei a cara de tacho de Laurel. E ela ainda jura que superou o peitoral de Oliver Queen.

Os pombinhos-traíras acabaram resolvendo que vão dar uma chance para o relacionamento, depois de Ollie jurar que não se importa com nada, e Tommy jogar aquele charme básico para Laurel. Obviamente, este namorico vai até o ponto onde Ollie e Lau se lembrarão dos "sentimentos" que ainda existem. A pergunta que fica é: quem vai dar o primeiro passo? Vai ser ele com aquele papo de "preciso de um ombro amigo"? Ou será ela que encontrará seu caminho de volta para ele?

Nesta mesma sintonia, duas pessoas da série parecem estar acertando seus ponteiros: Thea e Moira. Thea, como sempre cheia de birra, conseguiu com suas proezas fazer sua mãe protegê-la de seus próprios atos. A partir daí, acabamos descobrindo que papai e mamãe Queen chegaram a encobrir um assassinato do filho, provando até onde a família está disposta a ir pelos próprios interesses. Neste contexto, dá para lembrar também da descoberta de que o irmão de Diggle morreu, o que me fez pensar se de alguma forma estas duas histórias estão interligadas. Vamos torcer para que não.

No caso da semana tivemos Deadshot, o assassino que usa balas envenenadas. Com isso, tivemos a razão de Green Arrow buscar a ajuda de Lance e de mostrar à Diggle quem ele realmente é. Gostei demais de ver o detetive sendo forçado a colaborar com o Arqueiro, sem contar que aquela "abordagem" que Oliver usou para convencê-lo foi impagável. Queria ter visto Lance narrando o encontro dos dois para seus funcionários.

Quentin também já tem um perfil -- positivo! -- definido do Arqueiro em sua cabeça, vide a certeza dele de que não foi o vigilante que atirou em James Holder, primeiramente porque este não é seu "modus operandi" e porque ele é um justiceiro, não um assassino.

Dentro do caso ainda tivemos Queen se passando por membro da Máfia Russa -- e sendo reconhecido como tal. Aparentemente, ele consegue se passar por Capitão Bravta sem maiores dificuldades, o que espero que seja revelado com mais detalhes o mais cedo possível. Como será que ele conseguiu isto?

Nos flashbacks da ilha deste episódio vemos o encontro, se é que podemos chamar de encontro, entre Oliver e aquele que seria seu mentor. Mais uma vez, é nos confirmado que a ilha não é uma ilha qualquer, chegando a ter até mesmo armadilhas e soldados. Agora não temos que saber apenas como ele sobreviveu em meio hostil, mas também como, neste ambiente, ele pode aprender tanto e se tornar quem é agora. Com certeza, conteúdo para que a série se expanda e cresça não falta. De preferência sem enrolação, como ela está fazendo tão bem agora.


Observações:

- Foi ótima a ideia de Oliver de ter uma boate como álibi para sua vida dupla. Melhor do que inventar que vai ao banheiro e nunca mais voltar...

- Oliver escalando o prédio com aquela facilidade: por que ele não vem fazer o mesmo no meu? Só uma sugestão...

- Bratva é uma das denominações da Máfia Russa e significa "broterhood" (irmandade).

No Universo da DC Comics:



Deadshot (Pistoleiro), codinome de Floyd Lawton, é um mero assassino de aluguel, contratado pelos vilões para matar seus inimigos. Inicialmente ele surgiu em Gotham City como um vigilante, mas foi revelado que, na verdade, era um criminoso quando tentou assumir o lugar de Batman. Quando seu plano deu errado, ele tentou ser um chefão do crime. O Comissário Gordon descobriu seus interesses, e ele acabou sendo preso. Recentemente, foi recrutado por Amanda Waller para fazer parte do Suicide Squad (Esquadrão Suicida), junto com o Capitão Bumerangue, Plastique e outros supervilões que estavam à serviço do governo. Numa das missões do Esquadrão, o filho de Floyd foi raptado, estuprado e assassinado por um pedófilo, com quem mais tarde Floyd reencontraria e mataria. Provavelmente, seu traço mais característico é o de querer morrer em grande estilo: enquanto ele não cometer suicídio, ele simplesmente não se importa se vai morrer.

Postagens mais visitadas deste blog

Agenda de Séries

Agenda de séries:

Fique por dentro das séries que vão ao ar no dia nos Estados Unidos com essa super agenda.  Dúvidas, críticas elogios... Caso haja algum erro na agenda, mencione-o nos comentários.

Entendendo Game Of Thrones

Game of Thrones é uma série que acaba se tornando bem difícil de explicar, e isso ocorre justamente por causa da complexidade dos personagens, que são muitos, e pela quantidade de subtramas existentes. Então, meu objetivo com esse texto é fazer com que uma pessoa que nunca viu ou que não tenha entendido muito a premissa da série, entenda de forma clara qual a principal narrativa. Nesse texto não vou entrar em detalhes sobre os personagens e subtramas (senão você ficaria horas aqui lendo), apenas vou tentar mostrar a direção e o que a série propõe.
Como todos sabem, a série Game Of Thrones (produzida pela HBO) é a adaptação dos livros de fantasia épica escritos por George R.R. Martin, que são chamados de As crônicas de gelo e fogo. Já se passaram a 1° e 2° temporada, adaptando o primeiro (A guerra dos tronos) e o segundo (A fúria dos reis) livro, respectivamente. E nesse domingo é a estreia da terceira temporada, que irá adaptar a primeira parte do terceiro livro (A tormenta das espadas…

O Fim da Saga Red John em "The Mentalist"

Por Jaqueline Pigatto
Chegou ao fim uma das maiores sagas dos seriados da atualidade. Patrick Jane finalmente colocou as mãos em Red John, o serial killer que matou sua esposa e filha. A série, que teve início há 6 anos, sempre focou na busca do protagonista por vingança, com Red John sempre alguns passos à frente, criando mais perguntas para as poucas respostas que conseguíamos, praticamente entrando na mente de Jane e roubando uma memória feliz, até conseguindo sua lista de suspeitos, revelada ao final da quinta temporada.
A partir dali sabíamos que o momento tão esperado chegaria. A produção confirmou: vamos descobrir nessa temporada quem é Red John. Os 7 suspeitos da lista eram personagens que frequentemente passavam pela série, em sua maioria policiais ou ligados ao governo. Pessoas de poder e influência. Mas poucos fãs acreditavam que realmente seria um daqueles. Sempre teve a teoria de que o Red John seria o próprio Patrick Jane. O bizarro Brett Partridge era uma das principais…

Especial: TOP 5 séries que você não deve assistir com a sua mãe

Olá, leitores! Hoje não é um dia qualquer, não é um simples domingo onde você, caro leitor, comerá um pedaço de pizza do sábado à noite no almoço, porque hoje é o dia das mulheres da vida de cada um de vocês, das mulheres que consideram sagradas. Hoje é dia das mães! O Viciado Em Série não poderia deixar de prestar sua homenagem, contudo, decidido a fazer algo diferente do bom e velho “TOP 5/10 Mães de Séries/Filmes”, segue o "TOP 5 Séries Que Você Não Deve Assistir Com a Sua Mãe".
5º Lugar - Game of Thrones

Uma série da HBO para maiores de 18 anos cheia de nudez, cenas de sexo, incesto, orgias, guerras, violência de todos os tipos, entre outras situações embaraçosas. Game of Thrones, definitivamente, não é o tipo de série para você assistir ao lado da sua querida e sagrada mãe, afinal, qual filho não fica constrangido diante uma cena de sexo em um filme aleatório sendo assistido junto dela? Agora imagina uma cena dessas entre dois irmãos... Pois é, MELHOR NÃO! 
4º Lugar – Tr…

A Fantástica Última Temporada de The Killing

(Com spoilers)

Uma aula de como encerrar uma série.
The Killing recusava a nos deixar. Sofreu dois cancelamentos e foi resgatada duas vezes. Lutou contra os números de audiência, única coisa que interessava para o AMC, e conseguiu sobrevida graças à sua qualidade, prontamente reconhecida pelo Netflix. Ajudou na produção da terceira temporada e bancou sozinha a sua quarta, pois, felizmente, acreditou na série e não nos deixou órfãos, depois daquele excepcional cliffhanger.
Terminamos a terceira temporada presenciando Linden matar cruelmente (e merecidamente) Skinner, aos gritos de "NÃO" de Holder. Tempos depois fomos noticiados que não veríamos mais nada além daquilo, pois o AMC decidiu cancelar a série, fato que trouxe muita tristeza para o seu telespectador. É uma crueldade que fazem com o telespectador, mas é, infelizmente, uma prática comum na TV, pois não respeitam nada além de lucro, e deixam de contar uma história sem mais nem menos, se lixando para seus clientes. 
E a …