Especial: Cinco Principais Semelhanças entre LOST e Fringe


Às vezes deparo-me com discussões nas redes sociais, onde fãs de Fringe detratam Lost e vice-versa. Democraticamente, cada um tem o direito de expor a sua opinião, mas em se tratando dessas duas séries, fico um pouco estarrecido com tudo isso. Assisti Lost, assisto Fringe, gosto das duas e considero-as séries irmãs.

Sendo assim, resolvi apontar cinco semelhanças importantes que ilustram essa "irmandade" mencionada.

1 - Criação:

Ambas são obras de J.J Abrams. Literalmente irmãs, não é verdade? Abrams é persona conhecida no mundo das séries e do cinema, mas foi em Lost que seu nome tornou-se famoso. Sua história já é vasta e extensa. Quando Fringe surgiu, as comparações com Lost foram grandes, mas Fringe soube caminhar com as suas próprias pernas, saindo dessa de "Novo Lost", tornando-se apenas Fringe. Atualmente, Abrams não tem presença constante em Fringe, tal como também não teve em LOST. Abrams foi Diretor, Produtor e Roteirista em diversos episódios em ambas séries e deixou-as nas mãos de Damon Lindelof, Carlton Cuse (LOST); Jeff Pinkner e Jeff Pinkner (Fringe) o desenvolvimento e finalização das séries.      

2 - Trilha Sonora: 

Ambas orquestradas pelo gênio do meio musical, Michael Giacchino. Considero as trilhas de Giacchino, um personagem a parte. Esteve presente em todas as temporadas de Lost e estará presente em todas as temporadas de Fringe. Giacchino já venceu vários prêmios, como um Emmy, três Grammy, um Golden Globe e um Oscar. Aonde J.J.Abrams vai, Giacchino vai com ele. Tecnicamente os sons não são iguais, óbvio, mas nota-se em vários momentos em cenas de Fringe, a entonação que os fãs de Lost acostumaram a acompanhar. Se tiverem a oportunidade de ouvir as trilhas sonoras separadas dos episódios de ambas as séries, entenderão o que estou dizendo. Muitas vezes, somos incapazes de definir de que série é tal trilha, caso estejamos ouvindo-as aleatoriamente.      


3 - Respostas:

Aí vem o tema mais polêmico. Considero que Lost foi vitima de críticas injustas quanto a isso. Dar respostas é meio complicado no mundo das séries. Todos querem, e quando elas vêm, já não precisavam mais ou julgam irrelevantes. A semelhança nesse quesito é a simplicidade. Ambas trouxeram mistérios instigantes, aguçando nossas curiosidade. Devido a isso, teorias eram criadas aos montes e independente da resposta dada, sempre haveria gente reclamando. Muitos esperavam algo mirabolante ou de outro mundo e outros muitos, não aceitavam a simplicidade. Vou citar dois exemplos:
  • Lost - A resposta dada aos mistérios dos sussurros: Hurley, em um diálogo com Michael, após a sua volta "espírita" a ilha, revelando que os sussurros eram barulhos emitidos pelos "espíritos" que passaram por ela (6ª temporada).
  • Fringe - O Obervador September em um diálogo com Peter, revelou que eles estavam na time-line de sempre e que a Olívia da ocasião, era mesmo a Olívia de sua vida. (4ª temporada).
Claro que existiram momentos em que as respostas foram complexas, mas em um todo, tanto Lost quanto Fringe, trouxeram respostas simples aos principais mistérios

4 - Presente, Passado e Futuro:

É a marca do trabalho de J.J.Abrams. Não foi ele quem inventou (óbvio), mas seu trabalho em Lost e em Fringe foi baseado no claro presente, passado e futuro. Há um adendo em Fringe que é os universos paralelos, porém, o presente só faz sentido na série se juntarmos o passado da trama, somado com o futuro já mostrado. Em Lost, víamos a trama sendo desenvolvida através do passado dos personagens, levando a um final ilustrado pelo o que todos eles buscavam. Em Fringe, o passado dos personagens revelaram inúmeros mistérios, contudo, após o fim da 4ª temporada, a série tende-se a desvendar-se no futuro. Esses aspectos são base de ambas as séries, principal fonte para o delírio do espectador, fazendo-nos viciar por ambas.  


5 - Forma de assistir:

Só Lost e Fringe para mudar o jeito do telespectador de assistir TV. Acontece com menos intensidade com Fringe do que aconteceu com Lost, acredite, mas o estilo é o mesmo. Você assiste os episódios de forma alucinada, pausando, voltando, parando, pensando, respirando. Impossível você assistir o episódio apenas uma vez. Lost fez com que o telespectador, após assistir o episódios, corressem para a internet para debater os principais assuntos; ler reviews alucinadamente, comentando com veemência os assuntos defendidos; ouvir podcasts especializados; e por aí vai. O episódio não duravam 40 minutos. Duravam uma semana. Fringe resgatou um pouco o legado que Lost deixou, mas não conseguiu obter a metade da "guerra" online que a série estabeleceu, porém, mesmo assim, também ajudou na mudança estrutural de assistir TV. Lost e Fringe não fariam sucesso sem a internet.

Sendo assim, qualquer post Lost versus Fringe é contraditório. Ambas são séries que ficarão para a história, devido a esses quesitos mencionados acima, além de muitos outros. É como se fosse numa família, onde exista duas irmãs que seguiram o mesmo rumo, mas cada um enaltecendo o que tem de melhor, sem deixar de honrar as suas origens.  
   
Tecnologia do Blogger.