Pular para o conteúdo principal

House: O Series Finale na opinião de quem nunca assistiu nada da série


Exato. Existe um "viciado em série" que nunca assistiu um episódio sequer de House.

É inegável que House é/foi uma das séries mais importantes dos últimos anos. Mesmo quem nunca assistiu-a, sempre ouve falar, sempre absorve um comentário aqui e outro ali. Particularmente, acompanhava a série pelas notícias, mas nunca "consegui" assistir um episódio da série, porém, era uma das séries mais propensas para eu iniciar uma maratona, contudo, com o fim anunciado, fiquei confuso de iniciá-la ou não.

Resolvi então assistir o series finale, sem ao menos ter assistido nada da série. Sabia que não seria nada impossível, mas também não seria fácil. O gênero "hospitalar" nunca foi meu favorito, principalmente recheados por casos procedurais típicos americanos - aqueles que baseiam um paciente por episódio. Esse é um dos motivos pelo qual eu ainda não ter iniciado a série, adicionado pela imensidão de episódios. Maratona de 8 temporadas completas, não é fácil. Contudo, nunca descartei-a.

Comecei vendo o series finale e de cara deparei-me com House abrindo os olhos e pensei: "Putz! Referência a LOST em House? Porque não tinha assistido essa série ainda?" Se é referência ou não, sei lá, mas veio-me essa ideia, apesar de que não foi LOST que inventou isso, mas com certeza foi a série que disseminou.

O episódio foi muito bem construído. Achei que deram um bom fim a série, mesmo nunca ter assistido-a. Assisti sem nenhum tipo de emoção, é claro, mas foi bom para analisar o episódio imparcialmente. De cara já simpatizei-me pelo protagonista. Aquele jeitão grosseiro, mas com bom coração. Um médico fodão, mas capaz de tudo para conseguir seus objetivos, mesmo agindo contra a lei. Foi a minha vaga impressão e é claro, especialistas em House, corrijam-me se estiver errado.


Vimos House chapadão, dentro de uma casa pegando fogo, tendo que tomar a decisão da vida ou da morte. House devia ter muitos motivos para morrer, mas suas alucinações fizeram com que pensasse melhor, decidindo viver, forjando sua morte e vivendo "feliz para sempre" com seu amigo a beira da morte.

Achei uma finalização fantástica e emocionante. Felizmente, não vieram com a "grande" artimanha de matar o protagonista no fim da série, como vemos outras diversas. Dá pra fazer um bom final sem matar a pessoa mais amada da série. House provou que dá. Adorei. 

O tom cômico foi bem adicionado. As palavras de Wilson em seu funeral fizeram-me ir do inferno ao céu. Começou com um discurso forçado, escondendo a sua principal opinião, mas não aguentou e sentou a garganta, lamentando a desistência de vida de seu amigo. O "cala boca idiota" foi hilario! Adorei. A série termina com um "feliz para sempre" tradicional, mas não forçado. 

"Câncer é chato" A última frase de House, sentando em sua moto ao lado de seu amigo também motorizado, foi curta mais com inúmeros significados. No bom estilo "Motoqueiros Selvagens" partirão rumo ao que resta de suas vidas, mas vivendo-as intensamente. 

O episódio despertou-me uma curiosidade imensa de conhecer a série, mas não a ponto de sair loucamente comprando os DVDs. Mas prometo que um dia verei. Antes de morrer, eu assisto.  

Comentários

  1. O melhor de tudo é ler essa review enquanto ouço a música tema dos Oceanic 6, de Lost.
    Devo dizer que essa referência a Lost mencionada no texto também passou pela minha cabeça. House não é muito de fazer referências, mas se rolou até "Dead Poets' Society", por que não Lost também?
    Não vou esconder que esperava mais do final, mas me emocionei mesmo assim com a despedida de uma das primeiras séries que tive contato na vida. E, pra quem não viu nenhum episódio, tua review tá ótima e o House é exatamente desse jeito que vc descreveu! Hahahaha

    ResponderExcluir
  2. Cuidado com o "antes de morrer, eu assisto", lembra da música final do epódio? rs
    O House é mais ou menos isso que descreveu, não diria que ele tem um "bom coração". Wilson tem um bom coração, House é um canalha, egoísta e viciado. Em remédios e quebra cabeças. Ele pouco se importava com o paciente, ele precisava descobrir a doença... As poucas pessoas que ele se importava eram as que estavam ao seu redor. Se importava com Wilson, principalmente.
    O jeito torto e estranho dele demonstrar afeição foi bem retratado no último episódio, ele fazia o que achava melhor para a pessoa, mesmo que a maneira que ele fizesse isso fosse um pouco torta. House era torto. Ele vivia com dor e isso o transformou no que ele é. Foi a dor que o mandou para o centro psiquiatrico, foi a dor que o mandou pra cadeia...
    Ele era sim capaz de amar, mas ele não amava a humanidade como o Wilson. Wilson queria salvar as pessoas. House queria descobrir a causa.
    O nome do último episódio também não poderia ser melhor. "Everybody Dies", um trocadilho com o lema de House, frase recorrente em toda a série "Everybody Lies". No penultimo episódio fiquei agoniada com a ideia de House ir preso e não acompanhar os últimos dias de Wilson, queria saber como ele iria sair dessa. manipulador como ele é, tentou fazer Wilson e Foreman assumissem a culpa de seus atos, coisa que não rolou. Sensacional ver os dois batendo de frente com ele e não cedendo as chantagens e manipulações.
    Senti falta da Cuddy no episódio, ela sim seria um bom "fantasma" para aparecer pro House quando ele estava prestes a morrer. Kutner aparecer foi sensacional. O amigo suicida aparecendo pro House quando ele estava cogitando a ideia de se matar.
    A Cameron aparecer me fez ver como ela é uma ótima atriz. Adoro ela em Once Upon a Time, mas em House eu a detesto.
    Outra coisa que eu preciso comentar: Colocar o Chase no lugar do House na equipe médica foi fantástico! Comentei isso com o Rogério no penultimo episódio, que se o House saísse ou morresse, deveriam colocar o Chase no lugar. Afinal, ele foi quem mais trabalhou com House, quem ficou mais tempo ao lado dele...
    O funeral foi ótimo, todo mundo fazendo discursos tocantes de como House as ajudou ou mudou suas vidas, aí chega o Wilson, o melhor amigo, e fala quem House realmente era. E a mensagem no celular foi o melhor, me fez rir muito. Já estava começando a pensar que House estava imaginando o próprio velório...
    Resumindo: Adorei o final. A única coisa que mudaria é que colocaria Cuddy, pelo menos fazendo discurso no velório.

    ResponderExcluir
  3. Ps: Não acho que foi referência a Lost. House já usou algumas vezes esse lance de abrir os olhos
    Ps 2: O Rogério pirou quando eu falei que Wilson é o garoto suicida de Sociedade dos Poetas Mortos

    ResponderExcluir
  4. Boa Camila, valeu por ajudar entender um pouco sobre House. Ajudou mesmo! Comecei a gostar mais da série, depois de seu comentário. Abraço ;)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Agenda de Séries

Agenda de séries:

Fique por dentro das séries que vão ao ar no dia nos Estados Unidos com essa super agenda.  Dúvidas, críticas elogios... Caso haja algum erro na agenda, mencione-o nos comentários.

Entendendo Game Of Thrones

Game of Thrones é uma série que acaba se tornando bem difícil de explicar, e isso ocorre justamente por causa da complexidade dos personagens, que são muitos, e pela quantidade de subtramas existentes. Então, meu objetivo com esse texto é fazer com que uma pessoa que nunca viu ou que não tenha entendido muito a premissa da série, entenda de forma clara qual a principal narrativa. Nesse texto não vou entrar em detalhes sobre os personagens e subtramas (senão você ficaria horas aqui lendo), apenas vou tentar mostrar a direção e o que a série propõe.
Como todos sabem, a série Game Of Thrones (produzida pela HBO) é a adaptação dos livros de fantasia épica escritos por George R.R. Martin, que são chamados de As crônicas de gelo e fogo. Já se passaram a 1° e 2° temporada, adaptando o primeiro (A guerra dos tronos) e o segundo (A fúria dos reis) livro, respectivamente. E nesse domingo é a estreia da terceira temporada, que irá adaptar a primeira parte do terceiro livro (A tormenta das espadas…

Especial: TOP 5 séries que você não deve assistir com a sua mãe

Olá, leitores! Hoje não é um dia qualquer, não é um simples domingo onde você, caro leitor, comerá um pedaço de pizza do sábado à noite no almoço, porque hoje é o dia das mulheres da vida de cada um de vocês, das mulheres que consideram sagradas. Hoje é dia das mães! O Viciado Em Série não poderia deixar de prestar sua homenagem, contudo, decidido a fazer algo diferente do bom e velho “TOP 5/10 Mães de Séries/Filmes”, segue o "TOP 5 Séries Que Você Não Deve Assistir Com a Sua Mãe".
5º Lugar - Game of Thrones

Uma série da HBO para maiores de 18 anos cheia de nudez, cenas de sexo, incesto, orgias, guerras, violência de todos os tipos, entre outras situações embaraçosas. Game of Thrones, definitivamente, não é o tipo de série para você assistir ao lado da sua querida e sagrada mãe, afinal, qual filho não fica constrangido diante uma cena de sexo em um filme aleatório sendo assistido junto dela? Agora imagina uma cena dessas entre dois irmãos... Pois é, MELHOR NÃO! 
4º Lugar – Tr…

O Fim da Saga Red John em "The Mentalist"

Por Jaqueline Pigatto
Chegou ao fim uma das maiores sagas dos seriados da atualidade. Patrick Jane finalmente colocou as mãos em Red John, o serial killer que matou sua esposa e filha. A série, que teve início há 6 anos, sempre focou na busca do protagonista por vingança, com Red John sempre alguns passos à frente, criando mais perguntas para as poucas respostas que conseguíamos, praticamente entrando na mente de Jane e roubando uma memória feliz, até conseguindo sua lista de suspeitos, revelada ao final da quinta temporada.
A partir dali sabíamos que o momento tão esperado chegaria. A produção confirmou: vamos descobrir nessa temporada quem é Red John. Os 7 suspeitos da lista eram personagens que frequentemente passavam pela série, em sua maioria policiais ou ligados ao governo. Pessoas de poder e influência. Mas poucos fãs acreditavam que realmente seria um daqueles. Sempre teve a teoria de que o Red John seria o próprio Patrick Jane. O bizarro Brett Partridge era uma das principais…

A Fantástica Última Temporada de The Killing

(Com spoilers)

Uma aula de como encerrar uma série.
The Killing recusava a nos deixar. Sofreu dois cancelamentos e foi resgatada duas vezes. Lutou contra os números de audiência, única coisa que interessava para o AMC, e conseguiu sobrevida graças à sua qualidade, prontamente reconhecida pelo Netflix. Ajudou na produção da terceira temporada e bancou sozinha a sua quarta, pois, felizmente, acreditou na série e não nos deixou órfãos, depois daquele excepcional cliffhanger.
Terminamos a terceira temporada presenciando Linden matar cruelmente (e merecidamente) Skinner, aos gritos de "NÃO" de Holder. Tempos depois fomos noticiados que não veríamos mais nada além daquilo, pois o AMC decidiu cancelar a série, fato que trouxe muita tristeza para o seu telespectador. É uma crueldade que fazem com o telespectador, mas é, infelizmente, uma prática comum na TV, pois não respeitam nada além de lucro, e deixam de contar uma história sem mais nem menos, se lixando para seus clientes. 
E a …