Grey’s Anatomy – 8x23 – Migration


“Não contavam com minha astúcia!” gritou Titia Shonda durante o final do episódio, ou melhor, durante a temporada. Que Grey’s Anatomy fez uma ótima temporada ninguém dúvida, mas sempre duvidamos dos finais de temporada, nada relacionado à qualidade e sim os acontecimentos que marcam tanto os personagens quanto o público, sejam eles emocionais ou fatais.

Evidentemente vamos ter uma finale bombástica, que vai deixar os fãs (principalmente os xiitas) de boca aberta. Esse episódio foi engraçado e em sua medida, sempre pontual de tensão e drama, que mostrou o caminho para o encerramento da temporada. O drama de quem vai e quem fica foi o destaque, interessante ver como todas as dúvidas e escolhas culminaram em uma mudança total na grade de médicos do SG.

O plot de Bailey deveria se chamar “Desventuras em série”, sempre que ela consegue chegar ao seu estado de felicidade vem alguma coisa e toma isso da personagem, como exemplo o tiroteio, esmagou tudo de bom que estava na vida da nossa nazi. Agora, Ben deixá-la só porque ela não quis fazer palavras cruzadas, isso é muita covardia, óbvio que uma proposta de emprego não se recusa, mas conversar com ela antes de aceitar o trabalho faria toda a diferença.

Arizona está em seu conflito interno, que vai deixar marcas assim que seu amigo bater as botas. Eu particularmente acho interessante ver esse lado mais emotivo da personagem, como disse Torres, ela assiste a morte de bebês todos os dias, então a pessoa tem que ter sangue frio, vê-la chorando mostra o quanto está desesperada. Teddy parece já ter se estabilizado, e culpa disso foi sua amizade com Yang, elas se tornaram parceiras assim como Avery e Mark, e para isso continuar ela não quer que Yang vá embora, não só ela, ninguém quer.

Avery ficou mais apagado, querendo consolar Kepner e fazer sua escolha, mas a verdade é que ninguém quer saber dos dois, pelo menos as pessoas de quem li os comentários até hoje, nunca vi um elogio para os personagens. Ri muito de Kepner no início, mas também fiquei triste, enquanto uns recebem telefonemas de proposta de emprego, ela recebe uma avalanche de nãos. Mas o que mais deu pena da personagem foi à demissão do seu atual emprego, me lembrou a demissão de Izzie, não acho que ela vá ser contratada novamente, duas demissões já são o bastante.

Hunt está até a tampa da cabeça de preocupações e dúvidas, até o fim do episódio ele não sabia quem iria ficar, mas nos minutos finais, apagar aquele quadro de nomes foi uma tortura. Por um momento eu pensei que Yang fosse ficar, pensei isso no exato momento em que deu a facada em Mer dizendo que sua alma gêmea é Owen, mas foi ai que me surpreendi ainda mais, depois de matar saudades dos velhos tempos de casada, ela solta a bomba.

Mer e Derek estavam em conflito. Ele queria ir e curar o Alzheimer, mas ela queria ficar porque é o mais perto para visitar Cristina, ela não quer sair de sua zona de conforto, porque sabe que tudo pode sair de controle.

Final do episódio foram facadas e mais facadas no coração, todos os personagens seguindo seu rumo (triste). Não sabemos ao certo se eles vão embora mesmo, mas o que sabemos é que com a queda do avião, tudo muda drasticamente.

OBS1: Cristina imitando Kepner ao telefone é coisa de outro mundo, ri muito. Em pequenos momentos como este que você percebe o quanto Sandra Oh merece prêmios e mais prêmios.

OBS2: Depois que terminei o review fiquei pensando, será que Bailey teria coragem de largar tudo o que tem em Seattle pra ir com Ben?! Fica essa pergunta no ar, espero que não, mas do jeito que a personagem cresceu/mudou não duvido de nada. Espero que nenhum dos originais saia.


Tecnologia do Blogger.