American Idol 11: A América tem um novo ídolo!


Os americanos escolheram o seu 11º ídolo. Justo ou não, foi democrático. Aliás, essa é a única forma de escolher entre dois fenômenos da música americana. Foram 132 milhões de votos que definiram o vencedor. 

Jessica e Phillip foram os meus favoritos desde o início, mas outros também tinham condição de chegar à final. Sempre digo que na competição têm que matar um leão por semana. Ambos chegaram a final com condições de ganhar. Depois de uma noite onde apresentaram seus novos singles e executaram outras duas belíssimas canções cada, qualquer resultado era aceitável. 

Acredito que Jessica saiu-se vencedora do Top2. Apesar de seu single ser bem inferior ao executado por Phillip, a culpa não foi dela. Ela executou perfeitamente. A música que é ruim mesmo. As canções que executou anteriormente foram belíssimas e perfeitas. Simon Fuller escolheu canções previsíveis, mas bem escolhidas, enaltecendo o gênero de cada um.

Eu vejo as apresentação de Phillip e digo: "Putz, ele é bom de mais!". Depois vem Jessica e solto o mesmo comentário. É difícil escolher, mas dá pra tirar algo para distinguir-os, mesmo com o gênero totalmente diferente. Phillip é ótimo, mas se ele fosse menos preguiçoso e mais ousado, não teria pra ninguém. Mas ele tem um jeito de apresentar bem confortável para nossos olhos. Ele tem um timbre único e envolvente. Ótimo cantor, musico, compositor, artista completo. Caso ouse mais em sua carreira, com certeza obterá sucesso. 

Já falta ousadia é uma frase que não faz parte do vocabulário de Jessica. Não tem medo de interpretar os maiores sucessos da música mundial, como provou ao longo da temporada. Excelente cantora, indiscutível. Perfeita? Não. Mas ela só tem 16 anos. Mantendo a ousadia e adquirindo experiência, não tenho dúvidas que será a nova diva da música mundial, desde que... consiga uma equipe de produção para dar-lhe-a músicas que tem a sua cara e não como a do péssimo single apresentado no Top2. 

A grande final foi uma tradicional festa, como todo ano acontece em American Idol. Podiam inovar um pouco em alguns aspectos, mas foi bom. É sempre bom. Destaque para a boa apresentação de Rihanna, para a ótima apresentação de Jennifer Lopez, além da magnífica presença de Aerosmith. Como sempre acontece, duetos entre artistas com participantes foram bem vindos. Mata um pouco nossa saudade daqueles que foram. Momentos "bloopers" sempre são engraçados. Destaque para Jimmy e suas mancadas na hora de dar bronca nos jurados.

A festa nos deu um presente. Um fantástico dueto dirigido por Jessica Sanchez e Jennifer Holliday. Simplesmente sensacional!


Outro ponto alto da noite, foi a bela homenagem a Robin Gibb, integrante da lendária banda Bee Gees, morto essa semana aos 62 anos. Os meninos fizeram bonito.

Mas o que todo mundo queria saber mesmo é quem seria o grande vencedor da 11ª edição do American Idol. Ryan Seacrest, no melhor jeito "após 132 milhões de votos" declarou o vencedor da edição. Não tem o que dizer mais a não ser, parabéns Phillip Phillips! Merecido!

 
PS: Acredito que as críticas que os jurados deram à Jessica na apresentação de seu single no Top2, foram preponderantes para a derrota da cantora. Jessica sempre esteve a frente de Phillip na opinião popular. Considero as críticas recebidas um pouco injustas e fortes. O ovacionamento do single de Phillip também foi exagerado. Ele nem apresentou o que tem de melhor no Top2. Mas como disse, não considero injusta. No balanço final, ficou de bom tamanho.
Tecnologia do Blogger.