Pular para o conteúdo principal

Person of Interest "Flesh and Blood" 1x19



Mais um desse e eu largo Person Of Interest. 

Comecei assistir o episódio muito animado, devido aos elogios que li nas redes sociais. Quebrei a cara feio. Resolvi assistir esse episódio de Person com mais dedicação, atentando-me aos mínimos detalhes. Não sei se esse problema é costumeiro na série, pois, sempre assisti-la com o intuito de entreter-me, ver boas brigas e tentar desvendar a trama principal da temporada. Aquela quase que inexistente. 

A premissa foi muito boa. Cinco CPF´s escolhidos pela máquina, pertencentes a cinco seres humanos dispensáveis na sociedade. Já dava pra perceber que eles não iriam salvar todos e a morte de alguns seriam inevitáveis. As duas primeiras mortes foram bem construídas, digna do que a série sempre mostrou. O envolvimento da HR em favor de Elias foi outro ponto positivo e trouxe instigação ao episódio, mas infelizmente parou por aí. 

O início, meio e fim do episódio foi ok, mas a forma como construíram isso foi deplorável. Primeiro, não é possível que Reese até hoje acha que a máquina escolhe os CPF´s aleatoriamente. Sempre desconfiava da manipulação de Finch, mas agora, tenho certeza. Escolher cinco CPF´s de uma só vez? Cinco chefes de famílias criminosas de Nova York. Qualquer um aceitaria o conselho de Reese e deixariam-os lavarem suas próprias roupas sujas. Aposto que tem gente inocente correndo risco de vida por lá, mas não! Finch prefere intrometer na guerra dos concorrentes de Elias. Porquê? Dinheiro não é. É o quê então? Isso é uma das coisas que prendem-me até hoje na série. 

Os detalhes que incomodaram-me muito. 


Reese abrindo o peito e indo em direção a uma metralhadora? Aí não, né Reese? Você não tem colete no rosto. 

A cena de Elias jovem matando aqueles dois capangas foi péssima! Papinho de herói e de repente ele detona aqueles dois capangas? Tudo bem ele ter saído vivo, mas os roteiristas poderiam ter criado uma forma menos forçada. 

Fiquei revoltado com Carter não ter recebido Elias e seus capangas a bala assim que eles derrubaram aquela porta. A porta caiu e eles começaram a conversar?! Ridículo! 

Tão como o velho traidor desarmando Fusco antes do acontecido. Pra quê aquilo naquele momento?

Totalmente forçada a prisão de Elias. Simples assim? Um telefonema, reforços "confiáveis" e eles abaixaram as metralhadoras tranquilamente. Isso é o tal crime organizado diferente? 

Peraí? O prisioneiro fazendo uma chamada via telefone móvel durante sua ida para a cela? Onde é que existe isso? 

Pra não falarem que só falei mal do episódio, concordo que houve coisas boas, mas as ruins, superaram e muito. Adorei a trilha sonora, principalmente nas cenas de ação de Reese. Fusco é o ótimo alívio cômico da série, paralelamente com Finch.

O episódio focou-se em Elias, desvendando sua mentalidade, ilustrado com flashsback que quase fizeram-nos ter dó do sujeito. Acabou que mesmo com seus planos fracassados, ele acabou rindo por último. Espero não vê-lo mais na série e que os últimos episódios da série foquem nos mistérios que envolvem Finch, porque se não,...tchau.

Nota: 5/10

Comentários

  1. Meu, acho que você deve fazer
    exatamente o que você disse no começo e no final da tua review... larga a série
    e para de fazer a review! Cara, que porcaria de texto é esse, parece coisa de
    hater, pelo amor! Você tem todo o direito de não gostar do que viu e criticar,
    mas acho que você não deve esquecer que você escreve para um público que
    acompanha e gosta da série e essa agressividade toda pega muito mal pra quem
    lê, sinceramente, não parece coisa de quem diz que gosta da série não. Um
    exemplo bem besta, mas que serve bem aqui, quando um amigo da gente pisa na
    bola e a gente precisa dar uma dura no cara, a gente mede as palavras e mesmo
    assim diz o que tem que tem que ser dito, né? Pois então, você podia xingar
    tudo o você viu, mas acho que você não soube dosar a coisa. Cara, eu vim ler a
    review pra  me distrair, ver opiniões,
    dar risada e sinceramente, fiquei deprimido, incomodado e até assustado com
    esse texto hater. Você deu 5 pro episódio, eu dou 0 pra você pela sua falta de
    tato em saber lidar com seus próprios leitores, porque sinceramente, essa
    review não me serviu pra nada porque até agora não consegui entender o teor “puro
    ódio” dele, as críticas perderam toda a força perto dele, é só o teor hater que
    se sobressai, bastante,  infelizmente. Já
    vi review de muita série que não anda bem, TAHM por exemplo, e nos episódios
    ruins os caras que escrevem reclamam, reclamam mas dá pra ver que mesmo
    reclamando, eles curtem e se lembram de que, quem está lendo, gosta da série e
    não ficam ameaçando que vão abandona-lá se tiver mais um episódio ruim, caramba!!
    Tem coisa mais chata do que hater enchendo o saco em comentário de review? Tem,
    quando o próprio autor da review se comporta como hater. Você não é crítico de
    televisão, você é reviewer. Crítico gosta de torrar o saco e não liga pra quem
    está lendo, já um reviewer, teoricamente tem ligação com seus leitores e com a
    série que ele acompanha. Não precisa esperar outro episódio como esse, começa
    pelo episódio de hoje mesmo, não assiste não, deixa prá lá e continua com as
    reviews das séries que você gosta de verdade, porque certamente quando aparecer
    um episódio de uma delas que você não gostou, você vai saber fazer suas críticas
    com tons mais amenos e agradáveis de se ler e provavelmente não vai ameçar de
    abandoná-las. Comecei a ver a série a pouco tempo, tô doidinho atrás de blogs e
    reviews dela e me deparo com um troço desabonador desses, tá louco...

    ResponderExcluir
  2. Olha meu amigo. Desculpe ter te decepcionado, mas é a minha opinião. Não sou hater de Person, pelo contrário. Sempre gostei da série. Amo Michael Emerson e amo J.J Abrams - criador da série. Sempre elogiei a série. Você pode conferir nas reviews dos episódios anteriores, mas tem coisa que não dá pra fingir que não estou vendo. Você criticou superficialmente, mas poderia ter argumentado os problemas - principalmente técnicos - que abordei na review. Como mencionei, não lago-a ainda devido alguns mistérios que deixam-me curioso, mas se o nível cair como caiu nesse episódio, isso deverá acontecer. Não posso engolir as bizarrices mencionadas acima, cujo considero típicas de séries japonesas como Jaspion, por exemplo. Foi crítica foi boa. Não concordo, mas obrigado por mantê-la sem ofensas. 

    ResponderExcluir
  3. Bom, não vejo sentido no Finch manipular os resultados.
    Não entendi a ligação dos 5 CPF's com o Finch e o que você viu nisso para afirmar que Finch manipula os resultados.
    Apareceu 5 CPF's, porque os 5 estavam em perigo por causa do Elias.
    Não vi nenhuma forçada na cena dos Elias e os capangas, ele já entrou no grupo do pai com intenções de mata-lo, logo, era de se esperar que ele já fosse treinado.
    Se ela mata o Elias... Quem vai ser o vilão da série?
    Outra, começar a atirar neles, beleza... Mas você acha que eles não iam revidar? Eles estavam em maior numero.
    Cara, acho que você não entendeu o episódio... O cara desarmou Fosco, porque ele era o traidor. Ele que deu a localização deles para o Elias.
    Também não vi nada de forçado na prisão do Elias, ele até poderia resistir, mas com grandes chances de ser morto durante a fuga. Para que ele iria fazer tal esforço se preso ele continua comandando tudo?
    Ele tem metade da policia no bolso e pode sair dali quando quiser.
    Como eu te disse, ele tem a policia no bolso, com suborno ele consegue falar num celular facilmente, consegue coisa pior se quiser.
    Se não quer mais ver ele, acho melhor abandonar a série mesmo... Porque ele é o vilão da temporada, com certeza vai voltar.
    Não vejo futuro na série se ela continuar só mostrando um pouco do passado do Reese e do Finch e ficar nos casos semanais. Uma hora o passado vai acabar, eai? Todo procedural tem um vilão principal, Person não poderia ser diferente.
    E nem digo que Elias é um vilão, ele está mais para um antagonista.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  4. ô Felipe! "Me ajuda!" kkkk

    Acho que você não entendeu os pontos que descordou. 
    A escolha dos CPF´s estão seguindo uma sequência quase que lógica. Como disse Reese, poderiam ter deixados pra lá. Era um favor a sociedade. Sendo assim, minha SUSPEITA de Finch estar manipulando-a, pois ele insistiu.
    A cena forçada de que comentei foi a do flashback do Elias jovem. Você não achou forçado aquilo? Tudo bem. Eu achei cena típica de Jaspion.
    Na cena onde eles derrubam a porta, o que impediria Elias de entrar atirando? Nesses casos é de quem atirar primeiro, ainda mais que eles estavam em maioria. A porta caiu, eles ficaram ali batendo papo, chegou a polícia,... simples assim? Isso que não gostei.
    Sobre o desarme de Fusco, é claro que entendi que ele era o traidor, mas porque essa ação naquele momento? Serviu para o velho levar uma bala. A sua atitude que condenei. Foi muita idiotice 
    A série não é sobre o Elias, é sobre Finch e sua máquina. Se ficar apenas com casos semanais, não dá! Se Elias morrer, a série não vai acabar. Vilões sempre aparecerão

    ResponderExcluir
  5. Ok, mas concorda que se eles não tentassem salvar os cinco, poderia ter "efeitos colaterais", uma pessoa passando no lugar errado e tudo mais.
    Outra coisa, se eles deixassem Elias matar os cinco, Elias teria o controle de todas as mafias, e ai complicaria.
    E outra, no começo da série já foi explicado que Finch não tem acesso a máquina, afinal, para o governo, ele nunca existiu e quem projetou a máquina foi o amigo dele.
    O que ele fez antes de sumir foi jogar um comando da máquina para que ela enviasse as "ameaças menores" para ele no final do dia, pois a máquina exclui essas ameaças e só deixa as que colocam em risco o pais.
    Nunca assisti Jaspion, não é da minha época, foi mal vovô kkkkkk
    Brincadeira rs.
    Vai ver ele é carente e queria conversar... kkkk
    E se eu não me engano, o Reese ainda não tinha salvado o menino, ou tinha?
    Concordo, mas temos que saber mais sobre Elias, eles tem que desenvolver o personagem.
    Agora já mostraram tudo sobre ele, então, acredito que não terá muito mais flashbacks do Elias.

    ResponderExcluir
  6. Efeitos colaterais? Era um favor a sociedade. Não precisa me explicar a premissa da série. É o que dizem, mas é apenas uma suspeita a hipótese de Finch estar manipulando a máquina. Reese já tinha salvado a criança, mas Carter ainda não sabia. Quanto a Jaspion, vai no You Tube pra ver que merda que é, seu fanfarrão kkkkk

    ResponderExcluir
  7. Mas poderia morrer gente inocente no caminho.
    E como disse, se o Elias conseguisse eliminar toda essa mafia, ele iria tomar conta. Ia ficar pior.
    Bom, vamos ver se tem mais alguma coisa que indique isso nos próximos episódios, mas acho dificil.
    kkkkkkkkkkk
    Pior que é ruim mesmo kkkkkk

    ResponderExcluir
  8. Ih, Fábio, tô com  o Felipe, achei o episódio ótimo, um dos melhores da temporada. Acho o personagem do Elias fantástico, um puta vilão legal e  concordo com o Felipe que série não é sobre o passado de Reese e Finch. Uma hora os mistérios acabam e a série tem que ter pra onde ir.. .Por isso vilões como Elias, Root (a hacker), Snow, FBI, o Scarface são importantes, eles dão corpo a série e não a deixam a mercê apenas da Machine.

    Mas tem uma coisa que eu não concordo com o Felipe: velho é a sua vó, tá? Eu também assistia Jaspion... kkk

    ResponderExcluir
  9. Bom,
    eu confesso que achei o tom da review muito dura mesmo, masssss... vou levantar
    uns pontos aqui: concordo com o Felipe, acho que Finch não manipula os dados
    porque ele não tem acesso a máquina em si... quando os CPS’s surgem, ele nem
    sabe de quem é até pesquisar. É simples entender porque Finch optou por tentar
    preservar os mafiosos e porque Reese queria que eles se explodissem: É uma
    questão de observar, primeiro, a personalidade dos dois, Reese é frio e se
    puder matar bandido, mata mesmo, já Finch é mais humano e sofreu na pele por sua
    opção de ignorar no passado os nºs irrelevantes, daí ele pensar que todos merecem
    uma proteção sem discriminação agora seja natural, a polícia que se vire com
    eles depois. Além do mais que ele não estava totalmente errado na sua justificativa
    pra Reese, guerra entre mafiosos, a população pode levar a pior também, o que é
    mostrado na cena da explosão do carro que eles ocupavam. Carter também teve o
    mesmo raciocínio de Finch e foi atrás dos mafiosos. Outra questão, sobre a
    postura de Elias ao ser preso: Puxe pela memória o primeiro episódio em que ele
    aparece, “Whitness”... ele não é do tipo atirador, que parte pra cima de todo
    mundo, ele tem gente que faz esse serviço. Ele certamente teria morrido naquele
    cerco se não fosse a intervenção de Reese, que chega até compará-lo com Finch
    nesse episódio, de tão manso e formal que ele é rsrsrs... sempre ficou claro nos
    outros episódios em que ele apareceu que, Elias é sim, um bandido de papo e que
    não suja as próprias mãos, deixando toda a ação pro seus capangas, então porque
    ele ia entrar atirando?! Mudança de personalidade repentina aí que ia ficar
    ruim e forçada, não foi à toa que ele disse pra Carter que ele era a evolução
    do crime organizado, ele é diferente dos outros e justamente essa é a graça
    dele... eu gosto disso em POI, todos os personagens sempre mantém seu padrão de
    comportamento então na hora de analizar alguma questão não é muito difícil se
    puxar por episódios anteriores... Elias preferiu o que era certo pra ele
    naquele momento, sair vivo daquela cituação já que os policiais da HR já tinham
    dado no pé, ele não contava mais com apoio dos corruptos, não ali naquele
    momento, ele e seus capangas estavam em menoria. E não vi nada demais aparecer
    policiais pra cobrir a Carter, afinal de contas, realmente nem todo mundo é
    corrupto e o serviço da polícia precisa aparecer senão fica até mal pra NYDP,
    né? Só a Carter é boazinha e honesta? Tenha dó, seria outra forçação rsrs... bem,
    eu gostei muuuito de episódio, de um modo geral ele teve muitos pontos
    positivos e pra mim a trilha sonora que você citou é o menos importante. A cena
    do Reese invadindo o cativeiro de Taylor foi espetacular, toda a ação
    envolvendo as negociações de Finch com a HR, gente, o que foi aquilo, Michael
    Emerson no melhor momento do episódio! Outra cena que vale a pena citar é
    quando Finch percebe que não poderia ajudar Reese no resgate de Taylor. Observe
    bem Finch naquele momento e me diz se Michael Emerson não é grande mesmo? A
    participação de Fusco e da Carter foram excelentes também. Esses aí são os
    momentos que eu tô lembrando de cabeça mas no geral achei o episódio ótimo. Erros
    TODAS as séries tem, mas sinceramente não vi nada de tão grande assim não para
    que Person seja desmerecida e abandonada quando apresenta um episódio que suspostamente
    foi insatisfatório no seu ponto de vista. Concordo que a série não é sobre o
    passado, mas é sobre Reese e Finch. O procedural e vilões de plantão fazem
    parte dessa história, dão uma encorporada legal, toda semana tem um caso bacana,
    mas o que sempre fica é a dupla e as sua motivações. Abraços, desculpa aí o
    texto gigante rsrsrs!

    ResponderExcluir
  10. Agn, Felipe e cia: Claro que foi mostrado no início da série que Finch não manipula a máquina, mas eu não ponho a minha mão no fogo e acredito que tem coisa por trás disso. É especulação. Caso isso não se confirme, sua tese (humana) prevalecerá, mas eu sempre tento comentar analisando o que virá pela frente. A construção do episódio "Whitness" foi muito boa. Infinitamente superior a esse. Ao assistir a série, tento estabelecer um paralelo com a realidade. Em ações de bandidos e policiais, isso nunca aconteceria. Claro que é ficção, mas não pode ultrapassar muito a lógica, como ultrapassou e muito quando Reese abriu o peito e foi pra cima do cara com uma metralhadora, apenas com colete de peito. O que ele é? Robocop? Bandido indo com celular para a cela também não tem lógica. A entrada atirando é uma defesa Reese usa muito isso, apesar de que muitas vezes, seria errado, pois, existe reféns. Mas como ele é muito acima do normal, dá pra relevar. A porta caiu e eles foram bater papo? Pra mim não dá!  
    Eu gostei do episódio e eu sempre gostei de Person, mas não consigo engolir esses detalhes, que justificaram a nota baixa. Todos tem razões em muito do que disseram aqui, mas não quer dizer que esteja errado. É MEU ponto de vista. Abraço e valeu pela participação

    ResponderExcluir
  11.  Véio, agora eu entendi o porque dessa review tão azeda, tu fica comparando realidade com uma série de ficção, aí tá procurando pêlo em ovo! Não vi nada de tão abusrdo assim pra você detonar o episódio não, nenhuma série é perfeita, POI é excelente, muito acima da média. Largar a série por causa de um episódio é sinistro. Não gostei da review, mas gostei dos comentários que foram bem bacanas, os colegas analizaram muito bem o episódio e até os personagens. Abraço e vê o episódio novo mais descontraído que tu vai gostar, foi muito bom!

    ResponderExcluir
  12. Que review mais esquisita , naum gostei , acho que voce naum viu o mesmo episodio que eu ou naum entendeu como o Felipe disse. Review onde os comments estaum melhores tem coisa errada. Voce disse que gostou do episodio , entaum imagina se naum tivesse gostado , se ateh tah dizendo que vai parar de ver a serie. 

    ResponderExcluir
  13. Só tenho uma coisa a dizer sobre essa review: irrelevente =]
    Brincadeirinha.
    Cara, acho que você não assiste a mesma série e episódio que eu.

    1) Reese de peito aberto indo pra cima do Scarface e outro capanga.
    Desde o começo a série é apresentada no estilo de histórias em quadrinhos (o que geralmente incomoda as pessoas) - lembrems-se que o Jonathan Nolan é diretor e roteirista do Batman. Em "Wolf and Cub" ele é comparado pelo moleque com personagens de Mangá. Além disso, Reese é um personagem Bondiano (Você já viu o Bond levando tiro?)
    Finch e Reese são heróis e, como heróis, eles são inatingíveis - mesmo que metem o peito num tiroteio  e mesmo que levem tiro de vez em quando.

    2) A forma como Elias conseguiu se sair dos capangas eu também achei tosca, mas a cena em si é muito boa!

    3) Elias e Carter trocando tiros quando ele arromba a porta. Tu realmente não conheces os personagens da série. Elias nunca faria isso. Ele nunca deu tiro em ninguém.

    4) Se você reparar, Elias devolve o celular pro policial antes do fim da cena. Obviamente uma cena pra demonstrar até onde suas mãos chegam. Se você é poderos, você consegue um celular na cadeia e até sinal da tim =]

    Esse episódio é um dos melhores pra mim. Acho que porque Elias é um dos melhores vilões que já vi (tanto na tv quanto nos quadrinhos).

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Entendendo Game Of Thrones

Game of Thrones é uma série que acaba se tornando bem difícil de explicar, e isso ocorre justamente por causa da complexidade dos personagens, que são muitos, e pela quantidade de subtramas existentes. Então, meu objetivo com esse texto é fazer com que uma pessoa que nunca viu ou que não tenha entendido muito a premissa da série, entenda de forma clara qual a principal narrativa. Nesse texto não vou entrar em detalhes sobre os personagens e subtramas (senão você ficaria horas aqui lendo), apenas vou tentar mostrar a direção e o que a série propõe.
Como todos sabem, a série Game Of Thrones (produzida pela HBO) é a adaptação dos livros de fantasia épica escritos por George R.R. Martin, que são chamados de As crônicas de gelo e fogo. Já se passaram a 1° e 2° temporada, adaptando o primeiro (A guerra dos tronos) e o segundo (A fúria dos reis) livro, respectivamente. E nesse domingo é a estreia da terceira temporada, que irá adaptar a primeira parte do terceiro livro (A tormenta das espadas…

Agenda de Séries

Agenda de séries:

Fique por dentro das séries que vão ao ar no dia nos Estados Unidos com essa super agenda.  Dúvidas, críticas elogios... Caso haja algum erro na agenda, mencione-o nos comentários.

O Fim da Saga Red John em "The Mentalist"

Por Jaqueline Pigatto
Chegou ao fim uma das maiores sagas dos seriados da atualidade. Patrick Jane finalmente colocou as mãos em Red John, o serial killer que matou sua esposa e filha. A série, que teve início há 6 anos, sempre focou na busca do protagonista por vingança, com Red John sempre alguns passos à frente, criando mais perguntas para as poucas respostas que conseguíamos, praticamente entrando na mente de Jane e roubando uma memória feliz, até conseguindo sua lista de suspeitos, revelada ao final da quinta temporada.
A partir dali sabíamos que o momento tão esperado chegaria. A produção confirmou: vamos descobrir nessa temporada quem é Red John. Os 7 suspeitos da lista eram personagens que frequentemente passavam pela série, em sua maioria policiais ou ligados ao governo. Pessoas de poder e influência. Mas poucos fãs acreditavam que realmente seria um daqueles. Sempre teve a teoria de que o Red John seria o próprio Patrick Jane. O bizarro Brett Partridge era uma das principais…

Especial: TOP 5 séries que você não deve assistir com a sua mãe

Olá, leitores! Hoje não é um dia qualquer, não é um simples domingo onde você, caro leitor, comerá um pedaço de pizza do sábado à noite no almoço, porque hoje é o dia das mulheres da vida de cada um de vocês, das mulheres que consideram sagradas. Hoje é dia das mães! O Viciado Em Série não poderia deixar de prestar sua homenagem, contudo, decidido a fazer algo diferente do bom e velho “TOP 5/10 Mães de Séries/Filmes”, segue o "TOP 5 Séries Que Você Não Deve Assistir Com a Sua Mãe".
5º Lugar - Game of Thrones

Uma série da HBO para maiores de 18 anos cheia de nudez, cenas de sexo, incesto, orgias, guerras, violência de todos os tipos, entre outras situações embaraçosas. Game of Thrones, definitivamente, não é o tipo de série para você assistir ao lado da sua querida e sagrada mãe, afinal, qual filho não fica constrangido diante uma cena de sexo em um filme aleatório sendo assistido junto dela? Agora imagina uma cena dessas entre dois irmãos... Pois é, MELHOR NÃO! 
4º Lugar – Tr…

A Fantástica Última Temporada de The Killing

(Com spoilers)

Uma aula de como encerrar uma série.
The Killing recusava a nos deixar. Sofreu dois cancelamentos e foi resgatada duas vezes. Lutou contra os números de audiência, única coisa que interessava para o AMC, e conseguiu sobrevida graças à sua qualidade, prontamente reconhecida pelo Netflix. Ajudou na produção da terceira temporada e bancou sozinha a sua quarta, pois, felizmente, acreditou na série e não nos deixou órfãos, depois daquele excepcional cliffhanger.
Terminamos a terceira temporada presenciando Linden matar cruelmente (e merecidamente) Skinner, aos gritos de "NÃO" de Holder. Tempos depois fomos noticiados que não veríamos mais nada além daquilo, pois o AMC decidiu cancelar a série, fato que trouxe muita tristeza para o seu telespectador. É uma crueldade que fazem com o telespectador, mas é, infelizmente, uma prática comum na TV, pois não respeitam nada além de lucro, e deixam de contar uma história sem mais nem menos, se lixando para seus clientes. 
E a …