Fringe "A Short Story About Love" 4x15


Um bom episódio. Pena que muito pouca gente viu.

Pouca gente, digo americanos que fizeram com que a série amargasse a pior marca de toda a série. Justo agora que as esperanças se renovaram após declarações de que a série teria 70% de chance de ser renovada. Espero que isso não atrapalhe.

Falando então do episódio, não foi um dos melhores da série, principalmente devido ao "caso semanal" não estar ligado diretamente a trama principal e serviu apenas como paralelo, mostrando as várias facetas do amor. Bem conduzido, mas com pouca relevância e emoção, além de ser resolvido de forma óbvia, pois de cara, sabíamos que a casa onde a divisão Fringe estava armando uma tocaia, não era a casa onde o "assassino do amor" iria atacar. Quando assistimos cenas desse caso, já torcendo para que volte as outras sub-tramas do episódio, é um mal sinal.

Mas o que faltou no "caso semanal, sobrou na trama principal. Como cansei de escrever nas reviews e também comentamos no podcast Fringe, Peter não precisava voltar para sua time line. Ele já está nela. Acho que nem precisava ser dito com todas as letras por September, cujo descobrimos que está "vivinho da silva" e esteve aprisionado pelos outros observadores. "Astuciamente", como sempre, Walter descobriu um objeto que estava escondido no olho de Peter, que levava à casa de September.

Falando em Walter, reparei como ele trabalha. Só nesse episódio ele estava com o caso do "assassino do amor", com Peter e o mistério de September e ainda teve que arrumar tempo para Olívia, prometendo que iria ajudá-la, mas nesse quesito, ele não pode fazer nada.

Como Olívia estava tristinha no início do episódio, repararam? Deu até dó. Dor de cotovelo estampada na cara. Olivia passou o episódio trabalhando na divisão Fringe, mas com a cabeça voltada a Peter. Nina - cujo ainda acho ser uma  shapeshifter - consolou-a, mas ainda considero que tenha algum interesse por trás. Acredito que devem mostrar seu verdadeiro objetivo em breve. David Jones ainda anda por aí. Lembrando que um shapeshifter não é criado sem que a pessoa "copiada" morra. Pra mim, a verdadeira Nina está morta.


Se para mim, estava claro que Peter não tinha que ir a lugar algum, foi importante a revelação jogada em sua cara. Assim, pode receber Olívia sem nenhum remorso. Com uma cena linha, romântica e emocionante, encerra-se o episódio, cujo mostrou em vários pontos o que Fringe tem de melhor mas que também deixou um gostinho de quero mais, felizmente não haveremos mais hiatos até o final da temporada.

Um fato que sempre esqueço de comentar, é a parte técnica da série. Tal como produção, roteiro, atuações, entre outros, queria destacar a excelente trilha sonora apresentada na série, trazendo suspense quando exige e emoção idem. Salva de palmas para Michael Giacchino.

Para terminar, dois recados: #SaveFringe sempre e ouçam o nosso podcast dedicado a série. Sem querer   "me gabar", adiantamos, sem saber de spoilers, muita coisa que aconteceu nesse episódio, além de pitacos sobre o que vem por aí. Imperdível!

Não esqueçam de deixar comentários e teorias abaixo. Leio e respondo todas.

Os glyph codes da semana formaram a palavra QUILL. A palavra pode ter vários significados, dependendo de onde é empregada. Guidão de bicicleta, luto, pena,... Essa eu vou deixar para vocês.

Tecnologia do Blogger.