Awake: 1x02 - The Little Guy




Muitas das criticas que leio sobre a série é que muitos não conseguem acompanhar as freqüentes mudanças de realidades, pois a série não se dá ao trabalho de ficar mostrando em qual realidade está, diferente de Alcatraz que fala em qual ano e local está toda hora que volta ao tempo (o que é chatíssimo e subestima a inteligência do espectador). Awake não dá sinal claro de qual realidade está, porém, há um modo simples de saber e quem prestou um pouco de atenção nos episódios já percebeu de cara. A luz ambiente muda de acordo com a realidade.
Na realidade onde o filho de Britten sobreviveu a ‘luz’ tem um tom mais obscuro e sombrio. Já na realidade onde a esposa sobreviveu é tudo mais claro, como se fosse mais alegre.
Não sei se há alguma explicação lógica pra isso ou se é só um artifício dos produtores para que o telespectador não se perca durante as mudanças de realidade que são freqüentes no episódio. Artifício esse que para mim funciona perfeitamente, mas para muitos é difícil acompanhar, o que justifica a queda na audiência.
Dito isso, vamos ao episódio:

Os dois casos da semana foram interessantes, mas não pelos crimes em si, mas sim pela forma como se interligaram, assim como no primeiro episódio.
O fato de ter duas pessoas completamente diferentes, um mendigo e um doutor de inseminação, com o mesmo nome em diferentes realidades reforça a minha teoria de que ele realmente está vivendo em duas realidades diferentes, porém, o final do episódio me deixou intrigado e me fez pensar que o que está acontecendo com ele não é por causa do acidente e sim por algum experimento militar ou coisa do gênero.
O que por si só já derruba teorias de que tudo que ele está vivendo é um sonho e que ele está em coma ou que ele próprio tenha morrido no acidente e isso só torna a série mais interessante em minha opinião.
Sobre os casos em si, não há muito que comentar. Porém, uma coisa me chamou a atenção: O fato dos casos que chamam sua atenção aparentemente estarem ligados com o, seja lá o que, está acontecendo com ele.
Principalmente no final onde a diretora pergunta se o cara que ‘estava no lugar’ era uma pessoa baixa, já que Britten estava procurando uma ligação entre pessoas baixas e os casos.

Gosto muito da dinâmica dos psiquiatras que tornam o drama muito mais crível. Uma incentiva Britten a continuar com seus passeios pelo ‘subconsciente’ e até chega a se divertir imensamente com tudo isso.
O outro, mais sério, acredita que isso tudo é só o modo que Britten encontrou para conseguir superar a morte da esposa.
É legal ver duas opiniões tão distintas, mas completamente críveis e que faz imaginar um pouco do que ele está passando e o quão confuso deve ser.

Outro extremo que a série trabalha bem é a relação de Britten com os seus parceiros, ambos distintos também. Um é mais velho (Isaiah Freeman), mais experiente e já trabalhava com Britten há algum tempo, então já tem certa confiança e não questiona tanto as intuições de Britten com a freqüência que Richard Vega questiona.
Já o outro é novato (Richard Vega) e foi posto ali para vigiar o detetive, batendo de frente com ele em muitas ocasiões e tornando a dinâmica entre eles mais interessante.

A série tem um grande potencial e vejo diversas possibilidades, pois o fato de que alguns casos estão diretamente ligados com o mistério central deixa as coisas mais interessantes, mas isso requer muita atenção dos roteiristas, já que isso pode acabar sendo um tiro no próprio pé se não for bem trabalhado.
Tecnologia do Blogger.