Pular para o conteúdo principal

American Idol 2012: A semana Hollywood




Mas vá ter gente passando mal assim lá nos infernos.

Acho que essa frase define o que foi a semana Hollywood da 11ª edição de American Idol. Incrível. Não tinha visto coisa igual nas edições que acompanhei. Sempre existiu, claro, mas não nessa magnitude. Esse fato foi responsável por acompanharmos péssimas apresentações. Você salva algumas apresentações, mas em geral, a fase foi uma lástima e quem esteve são e conseguiu lembrar a letra, conseguiu ficar até o final.

A semana Hollywood geralmente é bem tensa e cansativa para os participantes. É muita pressão e pouco descanso. Só fica quem tem culhão mesmo. Nas apresentações à capela, notamos que a fase seria uma espécie de série dramática e pouca música. Até cliffhanger dramático colocaram. Já não bastava a turma passando mal, lá vai um doida e cai do palco. Felizmente não aconteceu nada. Passou de fase, mas não chegou até o fim da semana. A edição focou nesses acontecimentos e cobriu brilhantemente. Não estou reclamando do programa e sim, das pessoas que custam chegar a essa fase e deixam se abater.

Notei que dividiram o foco nos participante de tal maneira que quase não reconhecia. Claro que destacaram algumas pérolas, mas em síntese, não reconhecia quase ninguém. Vi as audições e poucos que acompanhei tiveram destaque nessa fase. Era como estivesse assistindo uma nova edição do programa.


A fase à capela foi uma lástima, a fase de grupos foi uma bagunça (normal) generalizada e musicalmente, a 3ª fase da semana hollywood foi a melhor. A inserção dos instrumentos mostraram a qualidade dos participantes, cujo já menciono, ser inferior ao dá temporada passada.

Ademais, vale destacar que os classificados para Los Angeles foram bem escolhidos. Nenhuma ausência relevante, empolgando-nos para as próximas fases, quando a música deverá ser o foco principal.

Separei uma apresentação que achei fantástica. Um dos poucos momentos musicais emocionantes dessa fase. O rapaz tinha preparado uma coisa, imaginou outra e finalizou outra totalmente diferente. Isso é coisa de gênio musical. Com vocês, Reed Grimm! Fiquem de olho nele.


PS1: Jane Carrey, a filha de Jim Carrey não fez nem boa. Cercada de expectativa, a garota fez uma fraca apresentação e foi eliminada no primeiro dia merecidamente. Saiu chorando e lamentando, porém, o choro pra ela é livre. Papai não gostou.


PS2: Alguém viu pelo menos um segundo de Emily Vasques? Aquela conhecida por sua participação em The Glee Project? Pois é. Ela não foi classificada. Se alguém viu me diz, porque eu não vi nem o cheiro (se é que se pode ver cheiro).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Agenda de Séries

Agenda de séries:

Fique por dentro das séries que vão ao ar no dia nos Estados Unidos com essa super agenda.  Dúvidas, críticas elogios... Caso haja algum erro na agenda, mencione-o nos comentários.

O Fim da Saga Red John em "The Mentalist"

Por Jaqueline Pigatto
Chegou ao fim uma das maiores sagas dos seriados da atualidade. Patrick Jane finalmente colocou as mãos em Red John, o serial killer que matou sua esposa e filha. A série, que teve início há 6 anos, sempre focou na busca do protagonista por vingança, com Red John sempre alguns passos à frente, criando mais perguntas para as poucas respostas que conseguíamos, praticamente entrando na mente de Jane e roubando uma memória feliz, até conseguindo sua lista de suspeitos, revelada ao final da quinta temporada.
A partir dali sabíamos que o momento tão esperado chegaria. A produção confirmou: vamos descobrir nessa temporada quem é Red John. Os 7 suspeitos da lista eram personagens que frequentemente passavam pela série, em sua maioria policiais ou ligados ao governo. Pessoas de poder e influência. Mas poucos fãs acreditavam que realmente seria um daqueles. Sempre teve a teoria de que o Red John seria o próprio Patrick Jane. O bizarro Brett Partridge era uma das principais…

Entendendo Game Of Thrones

Game of Thrones é uma série que acaba se tornando bem difícil de explicar, e isso ocorre justamente por causa da complexidade dos personagens, que são muitos, e pela quantidade de subtramas existentes. Então, meu objetivo com esse texto é fazer com que uma pessoa que nunca viu ou que não tenha entendido muito a premissa da série, entenda de forma clara qual a principal narrativa. Nesse texto não vou entrar em detalhes sobre os personagens e subtramas (senão você ficaria horas aqui lendo), apenas vou tentar mostrar a direção e o que a série propõe.
Como todos sabem, a série Game Of Thrones (produzida pela HBO) é a adaptação dos livros de fantasia épica escritos por George R.R. Martin, que são chamados de As crônicas de gelo e fogo. Já se passaram a 1° e 2° temporada, adaptando o primeiro (A guerra dos tronos) e o segundo (A fúria dos reis) livro, respectivamente. E nesse domingo é a estreia da terceira temporada, que irá adaptar a primeira parte do terceiro livro (A tormenta das espadas…

Especial: TOP 5 séries que você não deve assistir com a sua mãe

Olá, leitores! Hoje não é um dia qualquer, não é um simples domingo onde você, caro leitor, comerá um pedaço de pizza do sábado à noite no almoço, porque hoje é o dia das mulheres da vida de cada um de vocês, das mulheres que consideram sagradas. Hoje é dia das mães! O Viciado Em Série não poderia deixar de prestar sua homenagem, contudo, decidido a fazer algo diferente do bom e velho “TOP 5/10 Mães de Séries/Filmes”, segue o "TOP 5 Séries Que Você Não Deve Assistir Com a Sua Mãe".
5º Lugar - Game of Thrones

Uma série da HBO para maiores de 18 anos cheia de nudez, cenas de sexo, incesto, orgias, guerras, violência de todos os tipos, entre outras situações embaraçosas. Game of Thrones, definitivamente, não é o tipo de série para você assistir ao lado da sua querida e sagrada mãe, afinal, qual filho não fica constrangido diante uma cena de sexo em um filme aleatório sendo assistido junto dela? Agora imagina uma cena dessas entre dois irmãos... Pois é, MELHOR NÃO! 
4º Lugar – Tr…

A Fantástica Última Temporada de The Killing

(Com spoilers)

Uma aula de como encerrar uma série.
The Killing recusava a nos deixar. Sofreu dois cancelamentos e foi resgatada duas vezes. Lutou contra os números de audiência, única coisa que interessava para o AMC, e conseguiu sobrevida graças à sua qualidade, prontamente reconhecida pelo Netflix. Ajudou na produção da terceira temporada e bancou sozinha a sua quarta, pois, felizmente, acreditou na série e não nos deixou órfãos, depois daquele excepcional cliffhanger.
Terminamos a terceira temporada presenciando Linden matar cruelmente (e merecidamente) Skinner, aos gritos de "NÃO" de Holder. Tempos depois fomos noticiados que não veríamos mais nada além daquilo, pois o AMC decidiu cancelar a série, fato que trouxe muita tristeza para o seu telespectador. É uma crueldade que fazem com o telespectador, mas é, infelizmente, uma prática comum na TV, pois não respeitam nada além de lucro, e deixam de contar uma história sem mais nem menos, se lixando para seus clientes. 
E a …