American Idol 2012: A semana Hollywood




Mas vá ter gente passando mal assim lá nos infernos.

Acho que essa frase define o que foi a semana Hollywood da 11ª edição de American Idol. Incrível. Não tinha visto coisa igual nas edições que acompanhei. Sempre existiu, claro, mas não nessa magnitude. Esse fato foi responsável por acompanharmos péssimas apresentações. Você salva algumas apresentações, mas em geral, a fase foi uma lástima e quem esteve são e conseguiu lembrar a letra, conseguiu ficar até o final.

A semana Hollywood geralmente é bem tensa e cansativa para os participantes. É muita pressão e pouco descanso. Só fica quem tem culhão mesmo. Nas apresentações à capela, notamos que a fase seria uma espécie de série dramática e pouca música. Até cliffhanger dramático colocaram. Já não bastava a turma passando mal, lá vai um doida e cai do palco. Felizmente não aconteceu nada. Passou de fase, mas não chegou até o fim da semana. A edição focou nesses acontecimentos e cobriu brilhantemente. Não estou reclamando do programa e sim, das pessoas que custam chegar a essa fase e deixam se abater.

Notei que dividiram o foco nos participante de tal maneira que quase não reconhecia. Claro que destacaram algumas pérolas, mas em síntese, não reconhecia quase ninguém. Vi as audições e poucos que acompanhei tiveram destaque nessa fase. Era como estivesse assistindo uma nova edição do programa.


A fase à capela foi uma lástima, a fase de grupos foi uma bagunça (normal) generalizada e musicalmente, a 3ª fase da semana hollywood foi a melhor. A inserção dos instrumentos mostraram a qualidade dos participantes, cujo já menciono, ser inferior ao dá temporada passada.

Ademais, vale destacar que os classificados para Los Angeles foram bem escolhidos. Nenhuma ausência relevante, empolgando-nos para as próximas fases, quando a música deverá ser o foco principal.

Separei uma apresentação que achei fantástica. Um dos poucos momentos musicais emocionantes dessa fase. O rapaz tinha preparado uma coisa, imaginou outra e finalizou outra totalmente diferente. Isso é coisa de gênio musical. Com vocês, Reed Grimm! Fiquem de olho nele.


PS1: Jane Carrey, a filha de Jim Carrey não fez nem boa. Cercada de expectativa, a garota fez uma fraca apresentação e foi eliminada no primeiro dia merecidamente. Saiu chorando e lamentando, porém, o choro pra ela é livre. Papai não gostou.


PS2: Alguém viu pelo menos um segundo de Emily Vasques? Aquela conhecida por sua participação em The Glee Project? Pois é. Ela não foi classificada. Se alguém viu me diz, porque eu não vi nem o cheiro (se é que se pode ver cheiro).
Tecnologia do Blogger.