Pular para o conteúdo principal

Fringe: ''Welcome to Westfield'' 4x12




Pra mim está claro! Peter não precisa voltar para sua linha do tempo. Ele já está nela.

Aquele amontoado de peças sem encaixes já não existe mais. O quebra cabeça está com as peças organizadas, já prontas para serem encaixadas. ''Welcome to Westfield'', pode até ter parecido, mas não foi um episódio dedicado à apenas ao caso Fringe bizarro da vez. A situação dos moradores de Westfield foi em detrimento à trama paralela da temporada, comandada por David Jones, cujo a princípio, está empenhado em demonstrar tudo que é capaz, lançando experimentos mirabolantes e deixando a divisão Fringe apavorada. Conseguiram sobreviver, claro, devido mais uma vez a perspicácia da dupla Bishop, mas milhares de pessoas morreram e isso tem que se levar em conta. A divisão Fringe fará David Jones ou quem está por trás dele, pagar essa conta.

Num certo momento, a dúvida pairou em minha cabeça. Aqueles exames de sangue feito por Walter, evidenciou que a anomalia causada, era apenas nas pessoas habitantes daquela cidade. Olivia estava salva, provando que os lapsos eram do universo onde Peter estava presente e não da anomalia causada por Jones.

Sendo assim, presumo que o tempo está se reencontrando devido a presença de Peter. Todos vimos, no fim da 3ª temporada, que Peter foi eliminado da linha do tempo. O Observador September teve a oportunidade de eliminá-lo definitivamente em episódios seguintes, porém, preferiu mantê-lo onde estava, perdido entre os dois universos, ocasionando mais a frente, a sua volta.


Nesse episódio, Olívia e Walter mostraram inúmeros sentimentos - daqueles presenciados no universo com Peter e que ainda não tínhamos visto, nessa atual plataforma. Deduzimos então que esse fenômeno está acontecendo devido a presença de Peter. O tempo sempre dá um jeito de alinhar as coisas. Isso é praticamente uma regra em se tratando de séries/filmes baseados em realidades alternativas. Também acho que é o caso de Fringe.

Porque David Jones está presente e alucinando a todos? Simplesmente porque Peter NUNCA existiu, correto? A mesma coisa se assemelha às mudanças de comportamento de Walter e Olívia. Por enquanto são lapsos de memória, mas acredito que mais cedo ou mais tarde, esses fenômenos irão se juntar e Peter será a única pessoa que estará perdida, sabendo de tudo que está acontecendo. Imaginem todos tratando Peter da maneira que sempre tratou-o, assim, de repente? Devido ao cliffhanger deixado, acho que isso poderá acontecer já no próximo episódio.

Quem viver, verá!

Olive (Olívia) foi o que demonstrou os Glyphs code da semana. Referência direta á mudança de comportamento de Olívia.


Olha o Observador assistindo tranquilamente a queda do avião! Dessa vez não deu definir se era September ou não.

Comentários

  1. Marco Antônio Freitas14 de fevereiro de 2012 12:18

    Tenho que concordar que esse foi realmente um dos melhores
    episódios de Fringe, embora não tenha me impressionado tanto com o final, no
    fim das contas sempre foi claro que Olivia iria vivenciar suas experiências com
    Peter era só uma questão de tempo. Mas duas coisas me chamaram a atenção:


    1º - A questão da maquina, como ela funciona e como foi
    criada aparentemente estava encerrada desde o fim da 3ª temporada, mas foi
    extremamente agradável ver mais detalhes sobre a construção dela nesse
    episódio.


    2º - Essa temporada realmente esta se empenhando em amarrar
    questões abertas da 1ª temporada, logo surge a pergunta: David Jones ira atrás
    das outras crianças tratadas com Cortexiphan ou será só Olivia? Afinal de
    contas ele já tem seu próprio exercito, será que elas ainda são necessárias?


    E foi legal ver David Jones fazer suas experiências
    novamente, ainda que ele realmente não tenha aparecido mostrou que tem armas
    poderosas, estou curioso para saber como a Fringe Division irá lidar com ele.
    Só tenho elogios a Fringe que alem de tudo tem uma produção caprichada (como
    todas as produções da FOX) é incrível ver como tudo é bem feito.


    E é só isso por enquanto, parabéns pela review Fabio e até a
    próxima \o/

    ResponderExcluir
  2. Uau, que episódio!
    Episódio fantástico, o melhor da série até agora (obs.: só vi os episódios importantes).

    Agora... sei lá mas tá me parecendo que a máquina faz o que os escritores quiserem que ela faça, ou seja, muito simplista. Espero estar errado.

    Falta explicar como a máquina existe nos dois universos e por que o Walternativo teve que pegar um pedaço da máquina no universo de cá, coisas ainda da 3ª temporada. Mas se agora estamos voltando ao terreno do Padrão lá da 1ª temporada, posso crer que tudo será respondido.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Agenda de Séries

Agenda de séries:

Fique por dentro das séries que vão ao ar no dia nos Estados Unidos com essa super agenda.  Dúvidas, críticas elogios... Caso haja algum erro na agenda, mencione-o nos comentários.

Entendendo Game Of Thrones

Game of Thrones é uma série que acaba se tornando bem difícil de explicar, e isso ocorre justamente por causa da complexidade dos personagens, que são muitos, e pela quantidade de subtramas existentes. Então, meu objetivo com esse texto é fazer com que uma pessoa que nunca viu ou que não tenha entendido muito a premissa da série, entenda de forma clara qual a principal narrativa. Nesse texto não vou entrar em detalhes sobre os personagens e subtramas (senão você ficaria horas aqui lendo), apenas vou tentar mostrar a direção e o que a série propõe.
Como todos sabem, a série Game Of Thrones (produzida pela HBO) é a adaptação dos livros de fantasia épica escritos por George R.R. Martin, que são chamados de As crônicas de gelo e fogo. Já se passaram a 1° e 2° temporada, adaptando o primeiro (A guerra dos tronos) e o segundo (A fúria dos reis) livro, respectivamente. E nesse domingo é a estreia da terceira temporada, que irá adaptar a primeira parte do terceiro livro (A tormenta das espadas…

O Fim da Saga Red John em "The Mentalist"

Por Jaqueline Pigatto
Chegou ao fim uma das maiores sagas dos seriados da atualidade. Patrick Jane finalmente colocou as mãos em Red John, o serial killer que matou sua esposa e filha. A série, que teve início há 6 anos, sempre focou na busca do protagonista por vingança, com Red John sempre alguns passos à frente, criando mais perguntas para as poucas respostas que conseguíamos, praticamente entrando na mente de Jane e roubando uma memória feliz, até conseguindo sua lista de suspeitos, revelada ao final da quinta temporada.
A partir dali sabíamos que o momento tão esperado chegaria. A produção confirmou: vamos descobrir nessa temporada quem é Red John. Os 7 suspeitos da lista eram personagens que frequentemente passavam pela série, em sua maioria policiais ou ligados ao governo. Pessoas de poder e influência. Mas poucos fãs acreditavam que realmente seria um daqueles. Sempre teve a teoria de que o Red John seria o próprio Patrick Jane. O bizarro Brett Partridge era uma das principais…

Especial: TOP 5 séries que você não deve assistir com a sua mãe

Olá, leitores! Hoje não é um dia qualquer, não é um simples domingo onde você, caro leitor, comerá um pedaço de pizza do sábado à noite no almoço, porque hoje é o dia das mulheres da vida de cada um de vocês, das mulheres que consideram sagradas. Hoje é dia das mães! O Viciado Em Série não poderia deixar de prestar sua homenagem, contudo, decidido a fazer algo diferente do bom e velho “TOP 5/10 Mães de Séries/Filmes”, segue o "TOP 5 Séries Que Você Não Deve Assistir Com a Sua Mãe".
5º Lugar - Game of Thrones

Uma série da HBO para maiores de 18 anos cheia de nudez, cenas de sexo, incesto, orgias, guerras, violência de todos os tipos, entre outras situações embaraçosas. Game of Thrones, definitivamente, não é o tipo de série para você assistir ao lado da sua querida e sagrada mãe, afinal, qual filho não fica constrangido diante uma cena de sexo em um filme aleatório sendo assistido junto dela? Agora imagina uma cena dessas entre dois irmãos... Pois é, MELHOR NÃO! 
4º Lugar – Tr…

A Fantástica Última Temporada de The Killing

(Com spoilers)

Uma aula de como encerrar uma série.
The Killing recusava a nos deixar. Sofreu dois cancelamentos e foi resgatada duas vezes. Lutou contra os números de audiência, única coisa que interessava para o AMC, e conseguiu sobrevida graças à sua qualidade, prontamente reconhecida pelo Netflix. Ajudou na produção da terceira temporada e bancou sozinha a sua quarta, pois, felizmente, acreditou na série e não nos deixou órfãos, depois daquele excepcional cliffhanger.
Terminamos a terceira temporada presenciando Linden matar cruelmente (e merecidamente) Skinner, aos gritos de "NÃO" de Holder. Tempos depois fomos noticiados que não veríamos mais nada além daquilo, pois o AMC decidiu cancelar a série, fato que trouxe muita tristeza para o seu telespectador. É uma crueldade que fazem com o telespectador, mas é, infelizmente, uma prática comum na TV, pois não respeitam nada além de lucro, e deixam de contar uma história sem mais nem menos, se lixando para seus clientes. 
E a …