Fringe ''Making Angels'' 4x11




Em um universo onde nada faz sentido, e tudo é especulativo, os heróis, privilegiados por informações referente ao passado, presente e futuro, sobressaem.

Foi mais ou menos o que vimos no caso bizarro da semana em Fringe, porém, a analogia aos principais assuntos pendentes da série foi bem feita, levantando hipóteses e trazendo mais teorias a trama já cheia de mistérios. Você quase tem que analisar o episódio, levanto tudo e todos em consideração. Tenho medo de terminar como Astrid. Com poucos (mas inteligentíssimos) neurônios na cabeça e agindo como um robô.

Um episódio - não centrado - mais com boa participação de Astrid, de ambos lados. Após uma perca considerável, Astrid alternativa, surtou. A personagem sempre demostrou controle e perspicácia, porém, vimos dessa vez, que também é feita de carne e osso. Sem pra onde correr, resolveu tentar encontrar paz no universo de cá, trazendo perplexidade a todos, principalmente a sua cópia, cujo, pra se defender, ou por medo de perder seu pai ou talvez deixá-lo de fora de toda essa confusão, esconde seus assuntos familiares. Eu também faria o mesmo.

Neil, um matemático portador de uma espécie de scanner humano, foi personagem do caso bizarro da semana. Agindo por emoção, tentando amenizar a dor das pessoas, mata-as, para que pudessem ir em paz. Uma analogia direta aos atos do Observador September, o mais emotivo Observador e que anda sumido desde que tomou uma bala no peito. Os Observadores seguiram-o e readquiriram o tal scanner e nos deram uma informação importante. ''Ele se interessará em saber o que aconteceu com isso'', dizeres referente ao tal scanner. Concluímos que September esteja vivo? Pelo que entendi, sim.

O FBI não foi tão exigido nesse caso, chegando ao ''criminoso'' sem muito esforço. Seguiram pistas simples que levaram a outras também simples, até o momento onde encontraram Neil, na casa de sua mãe, apenas para terminar o serviço, pois, caso Neil quisesse, eles nunca conseguiriam pegá-lo. Claro que a astúcia das ''Astrids'' ajudou bastante. Por outro lado, nossa Bolívia só esteve presente para fazer as pazes com Walter.

Em suma - um episódio onde fiquei um pouco frustrado por não saber mais sobre os mistérios da série, porém feliz por trazerem um caso semanal muito interessante e bem feito, aguçando ainda mais o nosso interesse pela temporada. Olívia ainda tem que morrer; Peter ainda tem que voltar para sua Timeline e eu preciso saber disso tudo, antes que perca os meus poucos neurônios restantes.


Os Glyphs code do episódio formaram a palavra Empath. De acordo com sites americanos especializados no enredo, significa "Fazer Anjos", que é o quando uma pessoa tem "a capacidade de reconhecer e, até certo ponto, compartilhar sentimentos (como tristeza ou alegria) que estão sendo experimentadas por outra".

Tecnologia do Blogger.