Especial Oscar 2012: ''Tão Perto e Tão Forte''




''Se o sol explodisse, só daríamos conta oito minutos depois, porque esse é o tempo que leva
para a luz chegar até a gente. Durante oito minutos ainda haveria claridade. E ainda faria calor. Fazia um ano que meu pai morrera. E eu sentia que meus oito minutos com ele estavam se esgotando.''

Essa deve ter sido a principal narrativa de ''Tão Perto e Tão Forte''. Em apenas nessa frase, sintetiza-se a premissa desse excepcional filme indicado com louvor ao Oscar. A história é simples, porém, narrada e demonstrada de forma emocionante - mostrando-nos o lado de um jovem gênio lutando contra si próprio, buscando motivos para seguir em frente, auto flagelando-se por não ter tido coragem de atender o último telefonema de seu pai, a beira da morte.

Ao passar do tempo, a história se torna mais complexa. Oskar - nome dado com propriedade ao personagem principal do filme - tenta a todo momento desvendar o mistério deixado por seu pai - Thomas Shell, vivido por Tom Hanks . Os dois eram unha e carne. Oskar idolatrava seu pai e por pouco não chegou a esquizofrenia após sua morte - causada pelo fatídico desastre de 11 de Setembro. O mistério deixado tornou-se questão de honra para o garoto, paralelamente, acrescentado pelo mistério pós morte surgido. Uma chave, aparecendo do nada, fomentou-o, com a esperança que seria algo direcionado a ele. Não foi. Contudo, sua jornada abriu a mente de todos os ''Blacks'' envolvidos, levando a cada um, uma lição de vida.

Enquanto isso, sua mãe - interpretada por Sandra Bullock - age de forma fenomenal. Muitas levariam-o a cuidados médicos, mas ela agiu da forma como poucas fariam. Tentou entender seu filho, sem bisbilhotar, mas apenas tentando pensar como o garoto. Protegeu-o, estando um passo a frente, já amaciando o caminho para que o garoto não sofresse tanto. Mesmo sendo humilhada pelo garoto, esteve sempre calma e obsoleta, conseguindo a atenção e o reconhecimento do filho no final.


Oskar perdeu um pai, ganhou sua mãe de volta e de quebra, conseguiu que seu avô - parceiro na busca do mistério da chave - voltasse e reintegrasse a sua família. Seu avô - traumatizado - perdeu a fala, porém, tornou-se a pessoa mais comunicativa a Oskar, desde a morte de seu pai.

Em suma, a premissa não é chamativa, mas desenvolve-se de forma espantosa e super emocionante. A produção é excepcional, efeitos visuais idem. As atuações são brilhantes. Hanks e Bullock não os nomes mais conhecidos do elenco. Demostraram a categoria de sempre, porém, Thomas Horn (Oskar) deixou-me espantado. Atuações fenomenais. Incrível, vindas de um ator tão jovem. O ator é o protagonista do filme e justifica com méritos indiscutíveis. Falta palavras para descrever o tão bom que foi a atuação de Thomas Horn. Infelizmente sua atuação não foi brindada com uma indicação ao Oskar. Fato a lamentar.

''Tão Perto e Tão Forte'' foi indicado em duas categorias: Melhor Filme e Melhor Ator Coadjuvante por Max Von Sidow (avô e parceiro de Oskar). A direção é de Stephen Daldry, com Eric Roth e Jonathan Safran Foer no roteiro.

O filme já está nos cinemas, em pré estreia desde o dia 16. Confira o trailer abaixo, já com as legendas.

Tecnologia do Blogger.