Pular para o conteúdo principal

Especial Oscar 2012: "Meia Noite em Paris"


Faltam poucas horas para o Oscar e eu vim aqui, um pouco atrasada confesso, dizer o que achei de "Meia Noite em Paris". Sabe aquele filme que você se apaixona logo de cara? Você cria empatia e antipatia pelos personagens centrais em questão de segundos? É incrível, no começo você até espera que haja uma reviravolta e você passe a gostar de certas pessoas, mas não... Isso seria muito clichê e Woody Allen não é fã de clichês. Bom, talvez um pouquinho...

O filme se passa em Paris, a cidade luz, a mais romântica e artística cidade do mundo. Lá conhecemos Gil, um escritor de roteiros Hollywoodianos que está cansado de criar histórias vazias e resolve se dedicar a seu livro. Gil está de férias em Paris com a família da noiva, personagens que você cria uma antipatia automática. São aquele tipo de pessoas que acham que pagar caro em um móvel irá deixá-los mais felizes. Inez, a noiva, está louca para voltar para os EUA até que encontra um casal de amigos dela, Paul e Carol, e resolve fazer todos os passeios turísticos em sua companhia, arrastando Gil com ela. O problema é que Paul é, nas palavras de Gil, um pseudo intelectual. Aquele tipo de pessoas que todos odeiam, que devora alguns livros e despeja informações sobre arte, vinhos, arquitetura... A sensação que temos é que ele preocupa-se em conhecer a história e não em viver a experiência, e todos sabemos que arte é pra ser vivida e apreciada. Tentando fugir desse roteiro de chatisses, Gil caminha na noite parisiense sozinho até que algo estranho acontece: um carro da década de 20 para ao seu lado e o leva para um baile, ao chegar lá ele encontra seus grandes ídolos, como: F. Scott Fitzgealdi, Ernest Hemingway e Pablo Picasso.

Como ele voltou no tempo não é explicado no filme e nem precisa (caso contrário seria ficção cientifica como de volta para o futuro), apenas sabemos que todos os dias à meia noite o rapaz volta para década de 20, a era de ouro de Paris. Lá ele se apaixona por Adriana e fica dividido entre a vida que tem atualmente e a possibilidade de viver para sempre no tempo em que ele considera a melhor época para as artes. Posso dizer que me emocionei e me diverti. Aquele filme que quando acaba você se sente mais leve, como se a vida agora fosse algo mais romântico. Você quer arte ao seu redor, quer ir à bailes iluminados por pequenos postes e carrosséis que giram ao som de Cole Porter (Let's do it, que é uma delícia de ouvir várias e várias vezes).

O que mais me deixou receosa antes do filme foi a escolha de Owen Wilson. Não adianta, pra mim ele sempre será o bonequinho de cera de "Uma Noite no Museu", ou melhor, era. Já o havia visto em Marley e Eu, uma ótima interpretação, mas ainda carregava o estigma de humor, agora com esse papel acho que não é  apenas humor que combina com ele, ele foi feito para papéis leves, não fáceis, mas leves. Pessoas que embora tenham problemas, ainda encontram formas de ser feliz. Não posso dizer o mesmo de sua companheira de cena, Rachel McAdams não está tão bem, não sei se pelo personagem cansativo ou interpretação fraca, mas não me agradou tanto. Meia Noite em Paris concorre como melhor filme, melhor diretor, melhor roteiro e melhor direção de arte.

Só posso dizer que você torce pra Gil, só não sabe se torce para que ele fique no passado ou viva no presente. Você se sente tão perdido quanto ele. Ficacamos sem saber se ele realmente volta no tempo ou se é um delírio de seus passeios noturnos. Para descobrir você terá que ver o filme e se apaixonar. Let's fall in love.

Comentários

  1. O legal que não tem uma resposta, não se sabe se é melhor ficar no passado ou no presente. Realmente um filme leve, acredito que o Owen é perfeito pra esse papel, ele tem um jeito leve que traz dos filmes de comédia, simplesmente coloca a carga dramática. Realmente mito o filme, não vai ganhar, mas vou torcer por ele e pelo Hugo Cabret.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Agenda de Séries

Agenda de séries:

Fique por dentro das séries que vão ao ar no dia nos Estados Unidos com essa super agenda.  Dúvidas, críticas elogios... Caso haja algum erro na agenda, mencione-o nos comentários.

Entendendo Game Of Thrones

Game of Thrones é uma série que acaba se tornando bem difícil de explicar, e isso ocorre justamente por causa da complexidade dos personagens, que são muitos, e pela quantidade de subtramas existentes. Então, meu objetivo com esse texto é fazer com que uma pessoa que nunca viu ou que não tenha entendido muito a premissa da série, entenda de forma clara qual a principal narrativa. Nesse texto não vou entrar em detalhes sobre os personagens e subtramas (senão você ficaria horas aqui lendo), apenas vou tentar mostrar a direção e o que a série propõe.
Como todos sabem, a série Game Of Thrones (produzida pela HBO) é a adaptação dos livros de fantasia épica escritos por George R.R. Martin, que são chamados de As crônicas de gelo e fogo. Já se passaram a 1° e 2° temporada, adaptando o primeiro (A guerra dos tronos) e o segundo (A fúria dos reis) livro, respectivamente. E nesse domingo é a estreia da terceira temporada, que irá adaptar a primeira parte do terceiro livro (A tormenta das espadas…

Especial: TOP 5 séries que você não deve assistir com a sua mãe

Olá, leitores! Hoje não é um dia qualquer, não é um simples domingo onde você, caro leitor, comerá um pedaço de pizza do sábado à noite no almoço, porque hoje é o dia das mulheres da vida de cada um de vocês, das mulheres que consideram sagradas. Hoje é dia das mães! O Viciado Em Série não poderia deixar de prestar sua homenagem, contudo, decidido a fazer algo diferente do bom e velho “TOP 5/10 Mães de Séries/Filmes”, segue o "TOP 5 Séries Que Você Não Deve Assistir Com a Sua Mãe".
5º Lugar - Game of Thrones

Uma série da HBO para maiores de 18 anos cheia de nudez, cenas de sexo, incesto, orgias, guerras, violência de todos os tipos, entre outras situações embaraçosas. Game of Thrones, definitivamente, não é o tipo de série para você assistir ao lado da sua querida e sagrada mãe, afinal, qual filho não fica constrangido diante uma cena de sexo em um filme aleatório sendo assistido junto dela? Agora imagina uma cena dessas entre dois irmãos... Pois é, MELHOR NÃO! 
4º Lugar – Tr…

O Fim da Saga Red John em "The Mentalist"

Por Jaqueline Pigatto
Chegou ao fim uma das maiores sagas dos seriados da atualidade. Patrick Jane finalmente colocou as mãos em Red John, o serial killer que matou sua esposa e filha. A série, que teve início há 6 anos, sempre focou na busca do protagonista por vingança, com Red John sempre alguns passos à frente, criando mais perguntas para as poucas respostas que conseguíamos, praticamente entrando na mente de Jane e roubando uma memória feliz, até conseguindo sua lista de suspeitos, revelada ao final da quinta temporada.
A partir dali sabíamos que o momento tão esperado chegaria. A produção confirmou: vamos descobrir nessa temporada quem é Red John. Os 7 suspeitos da lista eram personagens que frequentemente passavam pela série, em sua maioria policiais ou ligados ao governo. Pessoas de poder e influência. Mas poucos fãs acreditavam que realmente seria um daqueles. Sempre teve a teoria de que o Red John seria o próprio Patrick Jane. O bizarro Brett Partridge era uma das principais…

A Fantástica Última Temporada de The Killing

(Com spoilers)

Uma aula de como encerrar uma série.
The Killing recusava a nos deixar. Sofreu dois cancelamentos e foi resgatada duas vezes. Lutou contra os números de audiência, única coisa que interessava para o AMC, e conseguiu sobrevida graças à sua qualidade, prontamente reconhecida pelo Netflix. Ajudou na produção da terceira temporada e bancou sozinha a sua quarta, pois, felizmente, acreditou na série e não nos deixou órfãos, depois daquele excepcional cliffhanger.
Terminamos a terceira temporada presenciando Linden matar cruelmente (e merecidamente) Skinner, aos gritos de "NÃO" de Holder. Tempos depois fomos noticiados que não veríamos mais nada além daquilo, pois o AMC decidiu cancelar a série, fato que trouxe muita tristeza para o seu telespectador. É uma crueldade que fazem com o telespectador, mas é, infelizmente, uma prática comum na TV, pois não respeitam nada além de lucro, e deixam de contar uma história sem mais nem menos, se lixando para seus clientes. 
E a …