Person of Interest: 1x09/10/11 – “Get Carter” / “Number Crunch” / “Super”




Person of Interest melhorou muito após o 7º episódio (Witness), porém os últimos três realmente deram uma guinada excelente à série e a colocaram definitivamente de volta aos trilhos.

A partir de “Get Carter”, a eficiente e correta detetive da polícia começou a passar para o lado dos mocinhos-bandidos, após ter sua vida salva pelo misterioso homem de terno, mais conhecido por nós como Mr. John Reese.

É interessante notar que Carter quase foi morta devido à conivência da própria polícia, que está em sua boa parte no bolso dos mafiosos, em particular no de Elias. Como Carter passou a incomodar demais e frustrar os planos de Elias, sua cabeça foi pedida – e os policiais no bolso do mafioso não se opuseram.

Desta forma, por mais que Carter acreditasse que Reese age incorretamente ao atuar como um justiceiro e continuasse prometendo prendê-lo mesmo depois de tê-la salvo, a situação começou a ficar nebulosa para ela, pois muitos dos que deveriam estar agindo dentro da lei na verdade são corruptos, enquanto os teoricamente bandidos são aqueles que estão fazendo justiça e salvando inocentes. E assim Carter foi começando a perceber que para conseguir justiça e proteger inocentes talvez seja necessário quebrar algumas regras. 

Mas esse é um longo caminho para Carter e o 10º episódio “Number Crunch” teve como fundo a detetive lidando com seus conflitos internos, que em um primeiro momento a fizeram trair Reese e levar a CIA até ele, para depois ajudá-lo a escapar depois de um dos agentes tê-lo baleado. De quebra, no final do episódio Carter ainda acabou descobrindo que a testemunha do assalto a banco do 3º episódio (Finch, obviamente conhecido por ela por outro nome), na verdade está ao lado de Reese. 

O episódio também nos apresentou um agente da CIA (Snow) focado em eliminar Reese, a quem ele acusa de ter se tornado uma ameaça por ter cometido diversos crimes e assassinado sua antiga chefe (Stanton, a morena misteriosa que apareceu no episódio 8). Estará ele dizendo a verdade? Duvido. Mas tenho certeza que Snow passará a ser uma pedra no sapato constante de Reese, Finch e também de Carter. 

E assim o 11º episódio (“Super”) deu continuidade à trama, lidando no plano de fundo com uma detetive Carter determinada a encontrar Finch (e fugindo da vigilância ostensiva de Snow e da CIA sobre ela) e com flashbacks que mostraram mais sobre os bastidores da criação da máquina e da negociação do seu uso com o governo, enquanto no plano principal e atual, Reese (em uma cadeira de rodas) e Finch trabalhavam no caso de mais um número de seguro social fornecido pela máquina.

O episódio foi excelente e apimentou a série de vez. O encontro entre Finch e Carter em um restaurante e o modo utilizado por ele para mostrar a Carter o que Reese e ele fazem (e de quebra ainda utilizando a ajuda da detetive para salvar mais uma pessoa apontada pela máquina) foi ótimo.

Além disso, agora também sabemos como a máquina funciona e temos uma grande idéia de porque Finch tem problemas na coluna e também porque seu sócio está morto. Ao que tudo indica, Nathan Ingram (o sócio de Finch), de alguma forma tornou-se uma ameaça quando Finch cometeu o erro de contar a ele como a máquina funcionava (e acabou morto por isso). Contudo, quem o matou? Finch? O governo?

A verdade é que série ainda tem muitas perguntas e é natural que ela ainda adicione outros mistérios à trama, afinal estamos apenas no meio da primeira temporada, mas é satisfatório sentir que os últimos episódios fizeram com que a série não ficasse mais parada no mesmo lugar.  

Se novas dúvidas surgem é porque aos poucos os roteiristas vão nos apresentando algumas peças do quebra-cabeça, ainda que não saibamos qual o tamanho deste. E seguindo nesse ritmo a série promete se desenvolver e ir tornando-se cada vez mais interessante, atendendo as expectativas de um público que espera bastante de um show capitaneado pelo co-roteirista de Batman (Jonathan Nolan) e que contém dois atores de altíssimo talento como Michael Emerson e Jim Caviezel.

Tecnologia do Blogger.