Fringe: ''Enemy of My Enemy'' 4x09




Enfim, Fringe entrou definitivamente nos trilhos. Os dois episódios pós hiato foram excelentes. Não que os primeiros da temporada tivessem sido ruins, mas em sua volta, Fringe baseou-se no que é mais importante. A guerra entre os universos e Peter.

Não costumo bolar teorias mirabolantes sobre a série. Não sei se repararam, mas nos reviews da série aqui no blog sob minha autoria, analiso sempre o passado e o presente, pois, caso fiquemos elaborando opções, teorias e mistérios supostos, a coisa fica mais complicada e mais chata para a leitura e entretenimento, além, de quebrarmos a cara facilmente, pois dificilmente leio sobre teorias que se confirmam na série.

É o caso dos universos. Essa história de universo A,B,C,D,J,Z,... Não acho que a série é dividida em um monte de universos. Azul, amarelo, roxo,... pior ainda. Quanto as cores, acredito que seja uma espécie de brincadeira, válida para teorias mirabolantes, mas isso é pra quem gosta. Quanto aos universos, dois confirmados até então, pra mim, continuamos apenas com eles.

No fim da temporada passada, vemos Peter ser ''retirado da linha do tempo'' pois ele nunca existiu, segundo os Observadores. O que vimos após, foi dois universos sem Peter. Tudo que está acontecendo é referente as mudanças que ocorreram sem a sua presença''. Separar as ''diferenças universais'' por letras, pode até servir para entendermos melhor o que está acontecendo, porém, não acredito nessa história de vários universos, mas é claro, não sou louco de descartar. Enquanto não mostrarem o contrário, só existe dois universos.


É bom lembrar que os Observadores colocaram os ''guerreiros dos universos'' frente a frente para resolverem as diferenças para que não causassem o fim de ambos.

A série voltou com um ótimo caminho. Interessante, envolvente, interativo, sem deixar de mostrar/esclarecer os mistérios deixados. Um ''novo'' vilão está em evidência. David Jones está disposto a ser mais competente com suas ações e para isso, está infiltrando seu exército nos órgãos superiores. A forma como manipula os fatos, sem pudor e sem piedade, enriquece muito a história. O personagem está conseguindo o que um vilão tem que conseguir. Ódio por seus atos e não ódio por ser apenas o vilão. A princípio, todos são mocinhos e David é o bandido, porém, não descarto Walternativo de forma alguma, simplesmente porque não confio.

O episódio termina com uma boa revelação. Diferente da famosa máquina de escrever e bem parecida com o monitor Dharma (LOST), David dá satisfação dos acontecimentos para ninguém mais e ninguém menos Nina Sharp. Personagem que sempre levantou suspeita de ser vilã, mas nunca foi. Agora parece que está por trás de toda essa confusão, porém...

Não acredito que Nina seja a pessoa que está comandando toda essa situação. Acredito ainda que essa pessoa seja David e Nina seja um transmorfo alá Broyles. Ou então tem mais alguém por trás disso e David também seja um transmorfo. Quem seria? Walternativo? Não o descarto pra nada mas seria um pouco desproporcional pelo que vem mostrando, a não ser, que algo mais apareça por aí, fato que não duvido nem um pouco.

O Glyph Code da semana é DEATH, que significa morte. Isso ao pé da letra, pois, poderemos inseri-la na trama teorizando o que poderá vir pela frente. Quem vai morrer?


O observador tentou mas não conseguiu se esconder. Foi visto naquele tumulto causado por David Jones. Detalhe que NÃO é o September. O que será que aconteceu com nosso Observador preferido depois de ter levado um tiro? Vamos aguardar as próximas aparições para sabermos se reaparecerá. Caso suma, temo por sua morte. Confira:


Tecnologia do Blogger.