Supernatural “The Girl Next Door” e “Defending Your Life” S07 E03/04




Primeiro : desculpem pela demora! Semana passada foi meio intensa, porém mesmo com um pequeno atraso, vamos aos comentários dos episódios passados: “The Girl Next Door” e “Defending Your Life”. Já dizia minha avó: vamos matar dois coelhos com uma caixa d’água. (mentira, ela não diz isso não, mas seria legal se dissesse)

Vamos falar do episódio “The Girl”, o terceiro dessa temporada. Muito controverso, por sinal. Alguns adoraram, outros odiaram. Eu demorei pra digerir, mas posso dizer que gostei bastante. Depois de enfrentarem um dos leviatãs cara a cara, Sam e Dean vão parar no hospital que os monstros estão ‘comandando’. Dean está com a perna quebrada e Sam sem saber ao certo o que é real. Felizmente, Bobby aparece e os resgata do hospital antes que os leviatãs tenham tempo de eliminar os Winchesters. Esses episódio (alias, os dois) fugiram do tema principal dos leviatãs e levaram os irmãos à caça. Bem, levou Sam a caça, já que Dean estava debilitado. Esse episódio me lembrou um do começo da série, o “Something Wicked” da primeira temporada; naquele episodio Dean vai atrás de algo que ele deixou escapar quando criança, uma espécie de bruxa que suga a energia das crianças, no episódio dessa temporada é Sam que tem negócios a serem resolvidos. Quando criança ele descobre que uma recente amiga é o monstro que sua família está caçando, a garota mata a mãe para salvar Sam e ele a deixa fugir, porém, anos depois, ele a encontra matando pessoas. O que fazer? Matá-la? Deixá-la livre? Depois de uma conversa, Sam decide que ela é boa o bastante para continuar viva, afinal ela só matou aquelas pessoas para seu filho doente poder sobreviver. Enquanto isso, Dean está atrás do irmão e quando finalmente se encontram, Sam explica o que aconteceu e diz a Dean para deixar a moça (Amy) em paz. Claro que Dean não faz isso e na primeira oportunidade vai atrás dela e a mata. Ele acredita que ela irá matar novamente e como ela é um ‘monstro’ não merece viver, afinal foi isso que ele fez a vida toda, salvou o mundo de monstros como ela. Quem pode julgá-lo? Como saberemos se ela não mataria novamente? Para Dean o mundo é preto ou branco, bom ou mal, não há meio termo. Gostei desse episódio, mesmo sendo focado no Sam e no eterno mimimi dele em relação as coisas.

Agora o episódio “Defending your life” , o melhor da temporada até agora e um dos melhores da série na minha opinião e como o texto é meu é a minha opinião que conta (rá).  Os irmãos saem para caçar enquanto não tem notícias dos Leviatãs, um caso semanal, como no começo da série, esse tipo de coisa traz muitas recordações, ainda mais esse episódio. Vou explicar o motivo. Sam e Dean chegam ao local onde um homem aparentemente foi atropelado por um carro, até aí tudo bem, o estranho é que ele estava em seu apartamento; pesquisando possíveis motivos para a morte, os irmãos descobrem que o homem que foi morto havia atropelado (e matado) uma criança que era sua vizinha alguns anos atrás. Depois dele, outras mortes aconteceram, sempre ligadas ao passado da pessoa. Sem saber muito bem qual a ligação entre elas, Sam e Dean se dividem nas únicas duas pistas que eles têm: Sam vai até um celeiro em um pomar de maçãs e Dean vai ao bar. Depois de conversar com uma garçonete loira, Dean some misteriosamente. Com ajuda de Bobby, Sam descobre quem é o responsável pelas mortes: O Deus egípcio Osíris. Ele foi o responsável por capturar Dean. O problema é que ele mata as pessoas que sentem culpa por algo em seu passado e sabemos muito bem que Dean tem muita culpa no cartório. Sam encontra o irmão amarrado no celeiro e se torna um advogado no julgamento dele, para decidir se ele é culpado ou não das coisas que ele já fez. Osíris não condena ninguém, ele apenas vê se a pessoa se sente culpada e a mata da mesma forma como ela matou no passado. O julgamento começa e vemos cenas antigas, incluindo o encontro dos irmãos no primeiro episódio e, um dos episódios mais fortes de Supernatural, a morte de Joh e Ellen. Inclusive, Joh é a primeira testemunha do julgamento. Mesmo com a defesa do irmão, Dean se sente culpado pela morte de Joh e Ellen, pela morte da Jess (namorada de Sam) e a morte de Amy (amiga/monstro de Sam que ele matou no episódio passado).  O episódio não tem muita ação, não tem muito sangue, mas mesmo assim te prende emocionalmente. Fica aquela angústia de “Será que o Sam vai descobrir que Dean matou a Amy?”.  Isso eu não vou contar. E também não vou contar como eles dão cabo de Osíris (outra grande sacada do episódio, eles não matam Osíris, afinal ele é um Deus, mas conseguem se livrar dele por enquanto).
Super está indo bem nessa temporada, mas ainda é cedo pra dizer. Pelo menos essa começou mais empolgante que a anterior, só resta saber se conseguirão manter esse ritmo.
Tecnologia do Blogger.