Fringe: "One Night in October" S04 E02


Fringe sempre traz algo novo, não é verdade? Dessa vez vieram com um caso muito louco onde um homem traumatizado na sua infância devido a maus tratos de seu pai, torna-se um assassino em série. Porém, esse caso é do lado B, forçando-os a pedir ajuda do lado A, recrutando a duplicata do assassino.

Achei o caso sensacional, diferente de tudo já apresentado na série. Essa faceta de trabalho em conjunto universal, poderá render belos casos semanais, típicos da série, sem deixar, é claro, de dar umas pinceladas na trama principal. As duas equipes tralhando juntas no mesmo caso foi bem interessante, destacando o transporte do caso. Cada vez que acompanhamos episódios com os dois universos atuando, a felicidade desse que vos escreve transcende. [rs]

Eu prefiro acompanhar os casos do lado B e você?

Trama principal? Houve alguma coisa? Muito pouco. Praticamente nada. Claro que podemos teorizar algumas palavras, imaginando uma metáfora que possa ser relacionada, mas diretamente, só no final, quando Walter houve gritos de Peter por ajuda. Dessa vez ele não o vê, porém fica bem mais assustado, é claro. Essa situação poderá levar Walter a ser internado? Não duvido disso.


O caso do episódio também não teve ligação nenhuma com a trama principal e isso me incomoda.

Essa é a principal reclamação dos fãs, pelo que estou lendo por aí. A temporada está no segundo episódio ainda e esperávamos que o início fosse bombástico, devido ao maluco cliffhanger deixado. Fringe veio praticamente com dois episódios aleatórios, dizendo pouco sobre o que esperávamos ouvir, porém, longe de serem episódios ruins. Foram bons, mas podiam exibi-los no meio da temporada e nos mostrasse agora, episódios similares a "Entrada" ou "Olívia", da temporada passada, por exemplo.

Os diretores escolheram ir devagar, mostrando um novo mundo sem Peter de forma assimilativa, para que acostumemos com os "novos" personagens e suas "novas" histórias, porém nada impede a qualquer momento, explodirem nossas cabeças novamente com algo absurdamente bombástico, alguém duvida? Eu não sou louco de duvidar.

e mais:

*Anna Torv continua sensacional! Atuações impecáveis por ambas personagens. Nem parece que são interpretadas pela mesma atriz. Gente, a Bolívia é sexy demais! (Momento tietagem)
*Bolívia salvando Olívia? Essa conta vai ficar cara, Olívia.
*Como leigo no assunto, estou achando o Chroma Key muito bom, deixando-nos confortáveis com as cenas onde o mesmo ator atua em dois personagens.
*Walternate! Onde está você?

Os Glyph Codes formaram a palavra LIMBUS. Uns aliam ao termo médico (branco no olho), outros já traduzem a palavra para o latim (Limbo) que seria uma espécie de lugar onde Peter poderia estar. Tipo uma realidade paralela. (Lost?).


O fato é que os códigos estão bem mornos. Gostaria que tivessem mais relevância a trama, servindo de respostas a algumas das milhares perguntas.

O Observador aparece nos corredores do hospital, onde Olivia conversava com John McClennan.


Tecnologia do Blogger.