Dexter: "A Horse of a Different Color" S06E04



Dexter está virando uma ótima série de comédia, sério. E isso não é uma crítica.

Incrível que no meio de tanto sangue, a série consegue-nos tirar inúmeras gargalhadas. Sempre houve momentos cômicos na série, é verdade, mas confesso que nunca diverti-me tanto, como nessa temporada, especialmente, nesse último episódio "A Horse of a Different Color", onde brincaram quando podiam, mas falaram sério quando foi preciso.

Jesus Cristo! Graças a Deus! Foi apenas força de expressão? Nesses casos eu acredito que sim, porém não dá pra deixar de notar a dúvida pairando sobre a cabeça de Dexter. Não acredito que que irá se converter, ou algo do tipo, porém após esses últimos acontecimentos, Dexter tratará a religião de outra maneira. "Não vai por amor, vai pela dor". Dexter apelou para o sobrenatural, pedindo para que ajudasse seu filho em momento difícil. Nessas horas de aperto, é que conhecemos o que tem dentro de uma pessoa. Pela primeira vez, vimos-o de mãos atadas, sem estar gerenciando a situação, por isso toda a ajuda naquele momento era bem vinda.

"Eu não posso provar que Deus existe, mas você não pode provar que Ele não existe". Irmão Sam.

Estou gostando muito personagem Irmão Sam. Pelas suas histórias contadas, é um exemplo de uma pessoa perdida no mundo, que chegou ao fundo do poço e conseguiu se reerguer. Ele é um exemplo de vida. Ficaria triste caso haja algo por trás do personagem e que no final acabe morto por Dexter.

A trama principal da temporada começou a pegar fogo! Após o alucinante cliffhanger deixado no episódio anterior, Deb e cia foram afundo em busca dos "Assassinos do Apocalipse". Terminamos o episódio vendo a equipe com pistas concretas dos assassinos. Se Dexter não pegá-los primeiro, é claro. Tudo leva a crer que essa trama não se estenderá até os episódios finais da temporada, sobrando espaço para a inserção de outros assuntos, talvez não visto até o momento. Se seguirem essa linha, será excelente, pois mudaria um pouco a estrutura que já conhecemos da série.

Gellar e o homem mais odiado da série. Tudo bem, odiamos Travis também, mas Gellar é o fanático que está comandando a situação, manipulando e tratando seu pupilo como um boneco de fantoche. Travis age como um lunático, típico fanático por religião, cujo vemos muito por aí. Foi capaz de agir contra uma pessoa querida em nome de sua seita. Nada de alarmante nisso, pois sabemos que eles são capazes de tudo, até dar a sua própria vida. A morte da 3ª vítima, foi uma das coisas mais horripilantes da série. Lembrou e muito a saga "Jogos Mortais", fora a chuva de gafanhotos. Até Dexter ficou boquiaberto. Os fatos obscuros da bíblia estão sendo mostrados como ilustração nessa situação. É o tema da temporada.


Para a alegria geral da nação, Debra dá a sua primeira conferência oficial de imprensa. Não sei se seu chefe gostou da sua entrevista ou está querendo ver mesmo é o circo pegar fogo. O que sei é que eu gostei. Debra foi Debra. Independente de quem goste ou não, ela tem quer ser o que sempre foi, mesmo com gente buzinando na sua orelha o contrário, ok Mike? Estou gostando do novo Detetive. Está assustando a turma com a sua profissionalidade. Até dica de roupas para Tenente ele está dando! Humildade total para Debra, revendo seus conceitos e se vestindo melhor, mesmo que isso gere sacrifício. Qual a mulher que não sofre para manter o seu visual? Para de reclamar Debra!

Com esse início de temporada, Dexter voltou para o meu top 5 de melhores séries da atualidade. Espero que que suba ainda mais.
Tecnologia do Blogger.